Jeane Alves

Jeane Alves
Vitória de G 1 com Equitana

sábado, 8 de outubro de 2011

Domingo é dia de GP Paraná

domingo, dia 09, o Jockey Club do Paraná promove sua mais importante prova, trata-se do Grande Prêmio Paraná (G1) – Jockey Plaza Shopping Center, destinado a produtos de três anos e mais idade, em 2.000 metros, na pista de areia.

Jéca (foto) vem de um ótimo terceiro no GP Brasil (G1) e pinta como grande força da principal carreira. Filho de Inexplicable e Volition, por Ghadeer, o alazão foi criado pelo Haras J. B. Barros e defende o Haras Rio Iguassu.

Dourado (Haras Valente), Bistrô di Silver (Stud Blue Velvet), Haraquiri (Stud Amgos da Barra), Valet Park (Haras Zonta). Direct Reason (Coudelaria Colaço), Uno Campione (Haras dos Girassóis), Time To Love (Roberto Hasemann), Visible Wind (Stud Champion Spirit) e Tricky Indy (Stud Gold Blakc) são os outros concorrentes do “Paraná 2011”.

O Jockey Club do Paraná terá exclusividade em sua mais importante reunião. A programação desde domingo começa às 13h45 e todos os doze páreos serão televisionados pela TV Turfe.



Por Celson Afonso

Nos bastidores da Gávea

Tendo em vista que o aprendiz V.Borges passará a ser aprendiz de 1ª categoria no final do mês, a partir disso ele poderá montar provas de grupo.

I.Correa não é mais contratado do Stud Alvarenga

Tenente Dodge não irá mais correr o velocidade do Paraná. Está sendo preparado para correr outra prova na Gávea. Por este motivo H.Fernandes será o jóquei de Kahuna em substituição a Mazini, por motivo de contrato. Mas Mazini irá ao Paraná exclusivamente para montar Selo Olímpico (Haras Regina) na milha do Paraná. O animal está aos cuidados de MF.Gusso.

Durban King, do Stud Palurape, ganhou aos esbarros mostrando ser um ótimo velocista. Foi comprado no leilão de treinamento do Eternamente Rio.

Uma grande caravana do Rio de Janeiro estará presente no Paraná neste fim de semana. A festa, a que tudo indica será das melhores. Onde o ponto máximo será na domingueira, com o Grande Prêmio Paraná.

O cavalo Aye Lad teve um leve contratempo e não correrá a milha na próxima semana. Assim sendo, a ida de Ta Luv para fora do país, Kito Hope do Dr. Sergio Barcellos será o vencedor da Copa de Milheiros, que tem como bolsa extra R$10.000,00.

Foi adquirido no claiming o animal Brooklin, que defenderá a farda do Stud Golden Horses e ficará aos cuidados de JA.Lopes.

Retornou à Gávea o proprietário José Carlos Faria Brigido (com 4 animais. 3 adquiridos no leilão de treinamento). Majórica (adquirida em páreo de claiming), Valley View e Ville Platte (Ambos criação do Santa Maria de Araras) e Fiumiccio Mio (Stud Capitão). O treinador será A.Machado Filho e terá a supervisão de DC.Ayres.

Sexta feira, acontecerá um leilão de treinamento no Paraná.

Snake, irmã inteira do fenômeno Nergy Seller, único cavalo no mundo a estrear num GI vencendo, é uma égua muito boa. Agora está bem de novo, após as vitórias teve vários contratempos.

Viva Pancho correu o Ipiranga e teve uma pequena fratura no Boleto, mas já foi operado.

Zuzu Profile corre com muitas chances de vitória. Inclusive pode ganhar da provável favorita Tabot Lake, parelha do Haras Belmont.

Love Forever será forfait.

Gorino (Stud Amigos da Barra), ganhou linda carreira com ótima direção de C.Lavor e preparo nota dez de Dulcino Guignoni, num páreo que saiu muito ligeiro e ganhou com extrema autoridade, atropelando com sobras.

A excelente Quasi Moda já foi para a reprodução no Haras Campestre, onde se encontra prenha do garanhão March Side. Americano que obteve 7 vitórias na Terra do Tio Sam, inclusive em páreo de GI. Suas maiores vitórias foram em 2.400 metros grama. Uma verdadeira mistura de velocidade e fundo.

Dia 12 de outubro, no dia das crianças, o Jockey Club Brasileiro terá uma série de atividades infantis. Vale a pena estar presente com toda a família. Também será realizada uma prova de GI, que tem como força inconteste Joe Diesel do STud Globo.

por Leandro Mancuso

Haras: Em cada nascimento, uma esperança

No último dia 17 de Setembro, em Bagé, no Haras Di Cellius, a matriz Reina Lola (Roi Normand) de propriedade da Coudelaria Frugarolo do Sul, de Oscar Colombo, deu a luz a uma linda potranca de Good Reward.

Em cada canto deste Brasil, onde ocorra o nascimento de um produto, renovam-se as esperanças. Os valorosos criadores brasileiros apesar de toda a crise no turfe, ainda encontram forças para seguir adiante.

Ainda que a vinda de garanhões de renome para o Brasil tenha se intensificado, nos últimos anos, com o crescimento das operações de shuttling, o nome de Good Reward não deixou de causar impacto, quando da sua primeira incursão na criação brasileira, em 2009. O castanho, que no início de 2011 completou 10 anos de idade, chegou ao Brasil, capitaneado pelo Haras Nacional, amparado por uma campanha de altíssimo padrão, além, é claro, pelo fato de ser transmissor de um dos “sangues” mais valiosos do turfe internacional: o de Storm Cat.

Animal que se apresentou por 26 vezes, para obter 5 vitórias e mais de US$ 1 milhão em prêmios, Good Reward levantou o Hollywood Derby (gr.I) e o Manhattan Handicap (gr.I), em se tratando de páreos de graduação máxima – aliás, foi ele o primeiro “Storm Cat” ganhador de grupo I a servir na criação brasileira. Vitorioso também no Storm Cat Stakes, foi ainda segundo colocado no Pacific Classic Stakes (gr.I) além de ter argolado várias outras colocações em provas clássicas.

Ilson Correa fala de suas montarias nos clássicos

Um dos grandes jóqueis da atualidade do turfe nacional, Ilson Correa assinou compromissos para as duas principais carreiras deste sábado, dia 08.

No Grande Prêmio Marciano de Aguiar Moreira (G2), sétima carreira, o jóquei conduzirá a americana Aroma Perfeito, que tentou uma prova de G1 em sua última apresentação e não chegou longe. A tordilha, filha de Royal Academy e Perfect Blend, por Linamix, defende o Stud Yellow River e foi criada por B.M.Kelley:

“Nunca tive a oportunidade de montá-la, mas já vi correr e gostei bastante. Conversei com o Cosminho também, que sempre que pode me da uma ajuda, e ele está animado com sua corrida. A força do páreo parece ser Verdena, pois venceu o Grupo 2 na última, mas, com um pouco de sorte, chegamos entre os primeiros. ” Disse.

E na Prova Especial Presidente Emilio Garrastazu Médici, quarto páreo, Correa estará no dorso de Doutor Marcos. Filho de Lord Marcos e Débil, por Ski Champ, o castanho, reservado do Stud Red Black, vem de vitória na Prova Especial Hamdam com o piloto:

“Acho que é força da carreira. Na última já entrou a reta de galope e venceu com facilidade. Talvez o Tagos, treinado pelo Guignoni, e o Olympic For Fun, que foi o escolhido do Dalto, sejam os maiores rivais. Bem, só tenho que agradecer ao titular do Stud Red Black e ao Cosme Morgado Neto por mais essa oportunidade.” Finalizou o jóquei.

De Turfe um pouco..., por Mário Rozano

Turfe, Elevage e Estado

A excelente publicação da Associação Brasileira de Criadores e Proprietários do Cavalo de Corrida, Revista Horse Puro Sangue Inglês (Turf e Fomento), em sua edição de agosto deste ano, traz a noticia sobre a aprovação pela Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados do Projeto de Lei 7748/2010, que altera a base do cálculo da taxa de contribuição (1,5%) paga pelos Jockeys Clubs ao Ministério da Agricultura. A proposta de autoria do deputado Francisco Dornelles e já aprovado no Senador Federal, passa para análise nas comissões de Finanças e Constituição e Justiça.

O relator da Comissão de Agricultura foi o parlamentar gaúcho e veterinário Onix Lorenzoni (DEM). O projeto conta com apoio do Ministério da Agricultura, e a alíquota permanece a mesma, contudo, a base de cálculo, até então incidente sobre o movimento bruto, passa a ser operada pelo resultado líquido das apostas captadas.

Sendo aprovada é um passo importante para o justo reconhecimento da atividade turfística no Brasil, e vai proporcionar a revitalização das entidades, que atualmente passam por imensas dificuldades em suas bases, com perda de patrimônio, serviços e, principalmente de público.

Importante destacar a visão distorcida do Estado sobre um setor que movimenta uma cadeia produtiva que atinge em torno de 11.000 trabalhadores no segmento, e responsável por significativo percentual nas exportações de animais e no PIB nacional.

Para se ter uma idéia da força da equideocultura brasileira como um todo, os indicadores, muito embora poucos conhecidos da maioria das pessoas, principalmente dos parlamentares, são representativos tanto sob o ponto de vista social como econômico. O Brasil atualmente possui 8,3 milhões de animais, dos quais, 5,8 milhões são eqüinos, entre várias funcionalidades, as corridas e o elevage nacional colaboram com significativa participação, sem retorno em incentivos, pelo contrário.

O turfe nacional ao longo de muitas décadas vem sofrendo o descaso do Estado, um exemplo bastante claro desta visão - que provoca perdas aos Jockeys Clubs, é o texto do Projeto de Lei 57/2011 que restringe qualquer tipo de jogo pela internet. O seu autor, deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB/PR) é singular: “A cada dia se tem conhecimento da entrada em funcionamento de modo ilegal, de sítios eletrônicos de captação de apostas, incentivando a jogatina no Brasil”. O que comentar sobre o “mosaico” de loterias da Caixa, também disponíveis pela internet?

A importância do Turfe e Elevage e sua relação com o Estado, especialmente no Brasil, foi motivo de matéria assinada pelo então Secretário-geral da Organização Sul Americana de Fomento do Puro Sangue Inglês, Sr. Eduardo S. Blousson, em 1962, quando do meeting do GP São Paulo, ocasião em que foi disputado, sob os auspícios da recém fundada entidade, o Grande Prêmio Organização Sul-Americana de Fomento ao Puro Sangue Inglês.

Conforme o Sr. Blousson escreveu há 49 anos, porém, seu comentário é atual: “O turfe e elevage são atividades complexas, extremamente difíceis sob o ponto de vista técnico, que requerem para sua evolução, a conjugação harmônica e eficientes de múltiplos fatores. Alguns deles dependem exclusivamente da atividade privada; outros, de elementos circunstanciais dependentes de apoio e entusiasmo popular; os demais, desafortunadamente, suportam a ingerência do Estado”.

Conseguir que esses fatores, á vezes antagônicos em seus objetivos e interesses, se desenvolvam normalmente, com plena noção de que integra um todo indivisível, constituiria o ideal. Isto seria fácil no que se refere à atividade privada, porque os Jockeys Clubs, criadores, proprietários, profissionais e trabalhadores do turfe vivem intensamente os problemas do turfe e do elevage e arriscam nas respectivas atividades sua capacidade, capital e trabalho.

Do aficionado, elemento anônimo que com fervor apóia a atividade hípica, não surgem problemas insolúveis porque ele se caracteriza pela sua tolerância, seu imenso desejo de integrar uma cadeia que lhe proporcione um turfe perfeito.

A dificuldade mesmo reside no Estado, que nada arriscando em tão complexo processo, apresenta incompreensão e insensibilidade com relação à atividade hípica e dela só procura extrair o máximo.

A hípica do Brasil, conjunto do turfe, elevage e outros elementos que a complementaram, evoluiu lenta e de forma difícil, até atingir a maturidade. Nos longos anos que a atividade teve de superar para alcançar forma definitiva, foram muitos os sacrifícios pessoais, os investimentos sem possibilidade de retorno, dificuldades técnicas, constantes inversões financeiras.

No Rio Grande do Sul na virada do século XIX para o século XX, o Estado participou com a premiação em algumas provas, no entanto, restritas ao gosto do esporte pelo detentor do cargo ou em ocasiões comemorativas, com o elemento eleitoral presente.

Evidentemente que o Estado não participou da difícil evolução do turfe nacional. Somente depois de ver estabilizado o complexo hípico se fez presente, para beneficiar-se dos esforços de todos quantos o possibilitaram, em busca de recursos que em geral não cumprem seus verdadeiros objetivos e terminam favorecendo um complexo burocrático do qual na se ausenta o fator político.

O que se pede não são atitudes de caráter paternalistas de parte do poder público, e sim o que é de direito, conquistado pelo turfe nacional ao longo de mais de 190 anos de atividades no País. Existe um axioma jurídico, criado por um grande turfista do passado e ex-presidente do Jockey Club do Rio Grande do Sul, Fernando Jorge Schneider, “o que é de direito a ninguém ofende”.

Equoterapia Jockey Club de São Paulo – Espaço Letícia Junqueira

Equoterapia Jockey Club de São Paulo – Espaço Letícia Junqueira

As informações, sempre atualizadas, sobre a Equoterapia poderão ser acompanhadas através do site do Jockey Club

O Jockey Club de São Paulo passa a oferecer mais uma opção de grande utilidade para a sociedade paulistana.

O belo trabalho desenvolvido pela Equoterapeuta Letícia Junqueira agora faz parte do dia a dia do Jockey Club, oferecendo uma importante oportunidade para aqueles que desejam encontrar uma atividade que ajude no desenvolvimento de crianças, jovens e adultos.

A equoterapia é principalmente utilizada no tratamento de pessoas especiais, mas também é recomendada para o apoio a crianças com dificuldades escolares. Além disso, ajuda em casos de dependência física, Stress, e é importante para garantir uma melhor qualidade de vida na terceira idade.

Enfim, a Equoterapia é indicada para todos que procuram novas oportunidades de crescimento, melhoria na qualidade de vida e ainda um melhor equilíbrio tanto físico quanto mental.

As sessões de Equoterapia no Jockey Club de São Paulo ocorrem de Terças a Sextas-Feiras, entre 13h00 e 17h00.

As informações, sempre atualizadas, sobre a Equoterapia poderão ser acompanhadas através do site do Jockey Club, na opção "equoterapia" do menu superior.

Informações sobre participação e inscrições através dos telefones:
11 3097-8158 ou 7751-5483 ou pelo e-mail: equoterapia@jockeysp.com.br

JCSP

PAPO DE TURFE – Com Antonio Quintella

Estreando a nova coluna do site do Jockey Club Brasileiro, o Papo de Turfe, onde personalidades de diferentes setores do esportes serão entrevistadas, Antonio Landim Meirelles Quintella, sócio efetivo do clube desde 1984, diretor comissário de corridas entre 1992 e 1996 e titular do Stud Quintella.

Como conheceu o turfe?

AQ: Tomei conhecimento do turfe na infância por influência familiar e pela proximidade de minha residência do Hipódromo Brasileiro.

O que as corridas de cavalos representam para você?

AQ: As corridas e a convivência no turfe representam um encontro de pessoas, estilos e inteligências. Procuro me situar dentro destas vertentes em benefício do cavalo de corrida que é minha maior paixão.

Quais são melhores cavalos que já viu correr?

AQ: Melhores nacionais que vi atuar em pistas brasileiras foram, sem ordem de preferência, Baronius, Emerald Hill e Itajara.

Cavalo/égua mais bonito que já viu?

AQ: O mais bonito foi o Dutchman do Haras Sideral.

Melhor cavalo de sua propriedade e/ou criação?

AQ: O melhor cavalo criado no Haras Santarém pela família Quintella foi o Monzon, ganhador de Grupo 2. Em carreira, os de vitórias mais expressivas foram Naraingang, Art Variety e Alucard, todos ganhadores de Grupo I. Tiptronic, vencedor do troféu Mossoró de melhor fundista, Minion e Right Line foram também muito bons. O melhor de todos, porém, está para chegar.


Quais jóqueis fazem a diferença?

AQ: Fazem diferença os jóqueis que atrapalham menos. Desde que acompanho as corridas - lá se vão quase 40 anos - vi só um deus das rédeas que se chama Juvenal Machado da Silva. Num plano abaixo Goncinha, o obstinado Jorge Ricardo, Mota, Antonio Bolino e Carlos Lavor, que representa a família Quintella nas pistas há mais de uma década para nosso orgulho e confiança. Antonio Ricardo e Rigoni vi montar, mas estavam deixando a profissão de modo que não entram nesta lista apesar da minha reverência a ambos.

E quais os melhores treinadores em sua opinião?

AQ: Treinadores? Convivi e observei muitos. Mas nada igual a Paulo Morgado.

Melhores garanhões da atualidade no turfe nacional?

AQ: O Brasil está bem servido de reprodutores. Para falar dos que estão estacionados no Brasil, na lista devem constar o Nedawi, Crimson Tide, Redattore, Wild Event, Christine's Outlaw, Amigoni e a promessa do Haras Anderson - Emirates to Dubai - de pedigree e físico impressionantes.

Melhores da história do turfe brasileiro?

AQ: Vou relacionar os melhores garanhões cujos filhos vi correr: Waldmeister, Locris , Felicio , Earldom II , Zenabre , Tumble Lark , Sabinus , Roi Normand e Ghadeer, claro. Atualmente a produção do Wild Event autoriza que este conste também da lista dos melhores dos anos 70 para cá.

O que espera do turfe brasileiro nos próximos anos?

AQ: Espero que nos próximos anos a atividade se organize ao redor dos valores tradicionais do turfe e que voltem a predominar a lógica, o bom senso e o respeito as corridas, aos cavalos e aos clubes promotores de

carreiras. Que a vaidade cega dos poderosos de ocasião vá para o “beleléu” também.

Seu momento inesquecível no turfe?

AQ: Entregar o Naraingang nas mãos do meu pai após a vitória na milha internacional da Gávea.

Algum páreo marcante?

AQ: Clod Ber Junior vencer uma prova de grupo foi sensacional. Porque pai e filho correram para as cores preta e verde. O Minion ao levantar um Grupo 2 aos oito aninhos também marcou muito.

Qual foi sua maior tristeza com cavalos?

AQ: Tristezas com os cavalos? Se tive esqueci. No turfe a maior tristeza foi perder meu amigo querido Oscar Pacheco Borges.

O que você diria para um novo proprietário que está começando a investir em cavalos de corrida?

AQ: Conselho para quem está começando? Companheiro, prepare o bolso e o coração!



Por Celson Afonso

JABURU VIP GRANDE PRÊMIO PARANÁ 2010

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Maylan Studart vence em Belmont


nas carreiras de ontem em Belmont Park mais um excelente vitória da Joqueta Brasileira Maylan Studart montando Juliann's Approval.

Tarumã - "Páreo Balada" terá 5 competidores

O Páreo "Balada 2011" está confirmado! Cinco animais irão competir às 1h30 da madrugada de sexta-feira (7) para sábado (8) . A prova, que será realizada pelo quinto ano conscecutivo, promete agitar ainda mais a noite dos frequentadores da casa noturna Victoria Villa (localizada no interior da arquibancada popular do JCPR). O Páreo Balada visa divulgar o Grande Prêmio Paraná, que acontecerá no domingo, dia 9.

As atrações musicais da noite são: Pedro Henrique e Otávio, Wesley e Henrique, e Jota Junior e Rodrigo. Durante a primeira apresentação, a dupla interromperá o show para convidar todos a assistirem à corrida ao vivo. Os presentes poderão acompanhar, de perto, o cânter dos animais, o alinhamento, a largada e a chegada (o partidor será instalado em frente à arquibancada popular). Além de assistir do gramado, a arquibancada social também estará aberta.

O idealizador do Páreo Balada e diretor de Sede do JCPR, Dawson Guimarães, ressalta a presença de uma joqueta nesta corrida: “A Chimene Natel estará competindo com Quickyshine. Há dois anos o Páreo Balada já foi vencido por uma mulher, a Bárbara Melo”. Ele ainda revela estar preparando algumas surpresas e inovações no evento de 2011.

Confira o campo da prova, que nos anos anteriores foi vencida por Bacana Danz, York di Job, Linda da República e Queen Beauty:

PÁREO "BALADA" 2011

01 - CASUAL LIFE - E. Cordova - Proprietário: Haras Monte Carlo
02 - LINHA DOIS - M. C. Santos - Proprietário: Haras Monte Carlo
03 - À FLOR DA PELE - G. Macedo - Proprietário: Stud Beleza
04 - QUICKSHINE - C. Natel - Proprietária: Maria Elizabete Fagundes­ ­
05- HOY SOY YO - B. Marques - Proprietário: José Renato Real Prado

Informações: 3075-2103 (Jockey) ou 3365-5050 (Victoria Villa) - www.victoriacwb.com.br

Divulgação: Marketing do JCPR

J. César comenta suas montarias de sexta e de domingo

Júlio César de Moura Rosa (J. César) já foi jóquei por nove anos em São Paulo. Há quase dez anos ele se dedica ao turfe de outra maneira: como treinador no Tarumã.

Nesta semana ele possui três inscrições na sexta-feira e três no domingo, incluindo uma no Clássico “Primavera” e outra no Clássico “Governador do Estado”.

Confira, a seguir, a opinião dele sobre cada inscrição:


SEXTA-FEIRA:

No primeiro páreo você inscreveu IMORTAL. Boas chances?

Ela está bem. Tem chance de chegar entre os primeiros.

No sétimo páreo sua inscrição é PAULO DE LORENA. Acredita na vitória?

É difícil vencer o Prega Fogo. Deverá compor a trifeta.

E para CONFIDENTIAL LADY, no nono páreo?

Tem chance de vencer.

DOMINGO:

No terceiro páreo você inscreveu HERR VICTOR. Acredita na vitória?

Ele tem bastante chance de vencer, sim. É a minha melhor inscrição do dia.

No quinto páreo, Clássico “Primavera”, CANTABRIGENSIS é sua inscrição. Boas chances?

O páreo está duro. Deve conseguir uma colocação, chegar entre as quatro primeiras.

Por fim, SCRITTORE, no Clássico “Governador do Estado”, sétimo páreo. Qual a sua opinião?

Assim como Cantabrigensis, o páreo está difícil e deverá ficar entre os quatro primeiros.

Qual é a sua melhor inscrição para domingo?

Herr Victor.

M. Beatriz comenta suas montarias de sexta e de domingo

Mariane Beatriz (M. Beatriz), de 18 anos, começou a montar em cancha reta aos 7 anos, em Carazinho. Inspirada na joqueta paulista J. Goulart, Mariane decidiu tomar o mesmo rumo. Mudou-se para São Paulo e começou a treinar por lá. Há menos de seis meses no Tarumã, ela já conquistou sua matrícula de joqueta profissional.

Na sexta-feira ela irá montar em quatro páreos. No domingo, pilotará dois animais. Confira a opinião dela sobre as montarias que possui nos dois dias:

SEXTA-FEIRA:

No primeiro páreo você pilota SLAVE TO WIN. Boas chances?

As chances de vencer são muito grande. Posso dizer que é 99% a certeza de vitória. A diferença é Imortal.

No segundo páreo você monta ESPANHOLA GIRL. Acredita na vitória?

Tem 80% de chance. Se perder, será para o Talbot Lake.

No quarto páreo sua montaria é BOEMIO ALEGRE. Qual a sua opinião?

Se chover, ele tem chance de vencer. Caso continue com a raia seca, deve conseguir uma colocação.

E para DINAMAX, no quinto páreo, sua última inscrição de sexta-feira?

Nunca montei. Sei que correu bem em São Paulo. Vamos tentar uma colocação.

Qual deles tem mais chance de vencer?

Slave do Win e Espanhola Grl.

DOMINGO:

No nono páreo você pilota BARDOSO FIGHTER. Boas chances?

O páreo é forte, principalmente pela presença do Prega Fogo. Apesar de já ter ganhado dele com o o próprio Bardoso Fighter, acredito apenas em colocação.

No 11º páreo sua montaria é BLACK PALOMA. Acredita na vitória?

A distância é muito longa. Deve ficar com uma colocação.

Beto Romano é o convidado da Mesa do Turfe deste sábado

Proprietário de cavalos de corrida e profundo conhecedor da matéria "turfe", José Roberto Romano Jr. é o convidado do programa Mesa do Turfe deste sábado, dia 8.

Com apresentação de Renato Barros e comentários de Lucas Menezes, a Mesa do Turfe irá ao ar, ao vivo, a partir das 12h30, pela TV Jockey , canal 13 da Net Digital, antenas parabólicas digitais e pelo site www.jockeysp.com.br

Não percam !

Gávea celebra Marciano de Aguiar Moreira

Marciano de Aguiar Moreira era uma personalidade dedicada ao turfe. Foi diretor-secretário do Derby Club em 1889 e presidente do Jockey Club em 1909, sendo o décimo nono da história do hipódromo, exercendo por 10 anos seu mandato.

A ele o clube deve a construção de sua antiga sede na Avenida Rio Branco, erguida em sua administração. Foi ainda benemérito em 1917 e Presidente de Honra em 1922, por proposta de Linneo de Paula Machado.

Marciano de Aguiar Moreira vem sendo homenageado pelo clube com um prêmio clássico desde 1934 e este ano não será diferente. No próximo sábado, dia 08, o Jockey Club Brasileiro promove mais uma edição do Grande Prêmio Marciano de Aguiar Moreira (G2) – Segunda Prova da Copa de Prata – Codere.

A carreira, destinada a éguas de três anos e mais idade, reúne sete competidoras em 2.400 metros na pista de grama que tentam repetir o feito das craques Courause, Cisplatine, Gay Charm, Indian Chris, Virginie, Sweet Eternity, Be Fair, Coray, entre outras. São elas:

Aroma Perfeito (Stud Yellow River), Ventura Baby (Stud Santa Rosa de Lima), Perichole (Stud Estrela Energia), Half Step (Haras Doce Vale), Rubia Street (Stud Mo Bay), Verdena (Haras Tango) e Bilheteira (Stud Acqua Azul

Entrevista com Aluízio Merlin Ribeiro, titular do campeão Belo Acteon




RL: Qual a idade do senhor e onde nasceu?

AMR: Tenho 39 anos. Nasci em Porto Alegre.

RL: Qual foi sua maior influência no turfe?

AMR: Rogério Beylouni! Sempre teve cavalos e na época tinha o cavalo Quid Obscurum com o Alvani (SP).

RL: O senhor cria cavalos de corrida. Onde fica o centro de reprodução e quem são os responsáveis?

AMR: Eu crio no Haras Lorolu, sob a responsabilidade do Ari Lima e do Rodolfo Lima. O veterinário responsável pelo Haras é o Igor Kichofel. O Acteon Man está alojado lá!

RL: Quais foram seus melhores cavalos?

AMR: Kalderash, Keith Richard, Acteon Man, Goryla, Starman e Belo Acteon.

RL: Poucos no turfe conhecem o senhor, mas você teve muitos bons animais. Poderia citar qual foi sua pior derrota?

AMR: No Grande Prêmio Brasil 2003. Até hoje é lembrado em minha memória, quando o Goryla perdeu para o Potri Road nos metros finais.

RL: Antes dessa brilhante vitória no GP Brasil 2011, você obteve alguns cavalos com A.Alvani em São Paulo. Poderia nos contar os clássicos que você ganhou na época?

AMR: Keith Richard (GP Pres. José de Souza Queiroz (G3) 2001 - em recorde e GP J.Adhemar de Almeida Prado Taça de Prata (G1) 2001) Acteno Man (GP Ministro da Agricultura (G2) 2003 Com Goryla formando a dupla), Goryla (GP Oswaldo Aranha (G1) 2002, GP Antonio da Silva Prado (G2) 2003 e GP Carlos Pellegrini (G1) 2003), Mystic Sunset (GP Protetora do turfe (G3) 2005) e Blackson (Clás. Profissionais do Turfe em 2002 e Clás. Eusébio Queiraz Mattosa em 2002)

RL: Conte-nos um pouco da trajetória do Belo Acteon antes e após o GP Brasil.

AMR: O Belo Acteon teve início de sua campanha prejudicada por peripécias de carreiras e uma pequena lesão fazendo com que ele apenas chegasse à sua primeira vitória em sua quinta carreira em 2000 metros grama. Mas a expectativa em relação a ele era muito grande desde sua estreia. Quando ele trabalhou para correr os 2400 metros grama, tínhamos certeza que tínhamos que inscreve-lo no Grande Prêmio Brasil.

No momento o Belo Acteon está em Ocala na Flórida. Passando por um período de aclimatação e a seguir ele passará para os cuidados do treinador Chistopher Clement.

RL: Qual o melhor jóquei que o senhor viu montar?

AMR: Jorge Ricardo, sem sombra de dúvidas é inigualável.

RL: Qual o melhor cavalo ou égua que o senhor já viu correr?

AMR: Zenyata, simplesmente incrível! Um fenômeno nas pistas.

RL: Qual o melhor treinador?

AMR: Essa pergunta é difícil de ser respondida. Pois o A.Alvani e D.Guignoni para mim, foram e serão os melhores.

RL: Gostaria de dizer algo aos leitores do Raia Leve?

AMR: Sim, com certeza! Gostaria de parabenizar a todos deste site que inova com notícias. E faz com que o Turfe cresça ainda mais. Obrigados a todos, principalmente por poder contar um pouco de minha história no Turfe.

por Leandro Mancuso

Annika Delinde

Saúde Equina, por Tony Gusso

ARTRITE INFECCIOSA

A artrite, como já relatei em artigos anteriores tem como definição a inflamação da articulação. Ela pode acometer uma ou mais estruturas articulares o que veremos na sequencia desta matéria. Podemos destacar como causas os traumas constantes, entorses e torções, movimentos inadequados e forçados, corpos estranhos e as feridas. Hoje falaremos sobre a artrite infecciosa, ou seja, aquela inflamação articular contaminada.

Sua aparência é a de uma articulação bem aumentada de volume com distensão da capsula articular, produção excessiva de liquido sinovial, dor, claudicação, aumento de temperatura local podendo ocorrer febre, apatia e diminuição do apetite. Nos casos de contaminação grave, tratamento ineficaz ou iniciado tardiamente, as estruturas articulares como cartilagem, as extremidades ósseas, ligamentos, tendões e estruturas adjacentes normalmente podem estar envolvidas, o que dificultará ainda mais o seu tratamento e prognóstico.

A artrite séptica, infecciosa ou bacteriana ocorre por contaminação e falha na assepsia local das punções articulares, contaminação de agulha, seringa e/ou medicamento, bem como, feridas, infecções sistêmicas e pós operatórias. As bactérias normalmente envolvidas são as enterobacteria, Streptococcus sp, Stafilococcus, Escherichia coli, o que não podemos entender e aceitar como regra. Estas são as bactérias normalmente encontradas, mas não são raras a presença de outras como contaminantes.

O tratamento consiste no uso de antibiótico terapia específica, anti inflamatórios sistêmicos, massagem local, bandagem compressiva em alguns casos, punções e lavagem articulares com antibióticos e/ou anti inflamatórios associados.

O uso de exames do líquido sinovial para se observar os tipos e quantidades celulares (grau de inflamação) e o exame de cultura e anti biograma servem para se avaliar a bactéria envolvida e qual o antibiótico a que ela é sensível.

Exames radiográficos, ultrassonográfico e artroscópicos são usados na avaliação das estruturas envolvidas, entretanto somente com um bom exame clínico e acompanhamento diários do tratamento teremos maior chance de sucesso.

Os cuidados e observações diários são de suma importância para o bem estar do seu animal. Consulte sempre um médico veterinário.

Dr. Tony Gusso - tonygusso@terra.com.br
Médico Veterinário Especialista em Clínica e Cirurgia de Equinos

Kasbah Bliss vencendo o Prix du Cadran


corrido no ultimo domingo em Longchamp o Prix du Cadran, Grupo I , foi vencido por
Kasbah Bliss.

Arco do Triunfo 2011



JCB

Tangerine Trees venceu o Prix de l'Abbaye de Longchamp

Segundo páreo do ultimo domingo, tivemos os famosos 1.000m do Prix de l'Abbaye de Longchamp (G1), para produtos de dois anos e mais idade.

De ponta à ponta, em final emocionante (foto Longchamp), o triunfo foi do castrado Tangerine Trees (Mind Games e Easy to Imagine, por Cozzene), com Tom Eaves up, treinado por Bryan Smart e da Tangerine Trees Partner. Decepcionante último no King's Stand Stakes (G1), em Ascot, antes havia vencido o Palace House Stakes (G3), em Newmarket.

A um corpo, o segundo foi de Secret Asset (Clodovil eSherray, por Soviet Star), Mrs. Jane Chapple-Hyam, treinadora, e com George Baker up. E, focinho atrás, fechando o trio britânico, o terceiro ficou com Sole Power (Kyllachy e Demenger, por Distant View), treiamento de Edward Lynam e condução a cargo de Keagan Latham.

O tempo foi de 55:53.

Elusive Kate venceu o Prix Marcel Boussac



A milha do Prix Marcel Boussac - Critérium des Pouliches (G1),corrida no ultimo domingo, marcou novo domínio inglês em Longchamp. As duas primeiras colocadas atravessaram o Canal da Mancha.

Em primeiro, com muita autoridade (foto Longchamp), sob a direção de William Buick, chegou Elusive Kate (Elusive Quality e Gout de Terroir, por Lemon Drop Kid), treinada por John Gosden, propriedade de Rachel Magnolia. Chegou a sua quarta vitória em cinco aapresentações, sendo que, em sua corrida anterior, havia levanrtado, em Ddeauville, o Prix du Calvados (G3).

Três corpos atrás, em segundo, Fire Lily (Dansili e Beauty is Truth, por Pivotal), do trio Tabor-Mrs. Magnier-Smith, direção de Wayne-Martin Lordan e preparo de David Wachman. Ela vinha de bom segtundo para a estimadíssima Maybe, do mesmo trio mas com treinamento de Adrian O'Brien, no Moyglare Stud Stakes (G1).

A registrar que as duas primeras vieram, na reta, pelo meio da pista.

Em terceiro, um pouco mais de um corpo atrás, a grande espera'nça francesa, Zantenda (Zamindar e Tender Mom, por Dayjur), dos irmãos Wertheimer, condução de Olivier Peslier e treinamento de Freddy Head.

Dabirsim manteve a invencibilidade no Prix Jean-Luc Lagardère


Com uma direção extraordinária de Frankie Dettori (recebeu uma verdadeira ovação do público presente), o francês Dabirsim (Hat Trick e Rumored, por Royal Academy), defensor das cores de Simon Srpinger e treinamento de Christophe Ferland, confirmou toda a sua classe e a alta estima que lhe cerca, mantendo a sua invencibilidade, no ultimo domingo, ao final dos 1.400m do Prix Jean-Luc Lagardère - Grand Critérium (G1), uma invencibilidade agora de cionco apresentações, tendo vencido antes o prix Morny (G1).

Em bela atropelada junto à cerca (foto Longchamp), deixou a 3/4 de corpo, o segundo colocado, Sofast, também francês, dos irmãos Wertheimer, um filho de Rock of Gibraltar e Beautifix, por Bering), na direção de Olivier Peslier e preparo de Fredy Head, recente ganhador do Prix la Rochette (G3).

Em terceiro, a meia cabeça, depois de correr disparado na frente (a menos de 200 metros do disco, trazia ainda quatro corpos de vantagem) chegou o visitante de Milão, Salure (Sakee e Davie's Lure, por Lire), da Scuderia Blue Berry Slr, treinamento de Sociedad All. Grizzetti Galoppo e direção de Dario Virgiu. A focinho deste, em quarto, Veneto (Panis e Milanaise, por Marignan), com Thierry Jarnet up e preparo de Bruno de Montzey.

A registrar que este foi o triunfo número 500 de Dettori em provas de Grupo.

Em final eletrizante, Goldikova perde o Prix de la Forêt (G1) para Dream Ahead

O público não escondeu a sua decepção, no ultimo doningo, com a cabeça de vantagem que tirou de Goldikova (Anabaa e Born Gold, por Blushing Groom), dos irmãos Wertheimer, a possibilidade de dar adeus à sua pista (Longchamp é um pouco dela) com uma segunda vitória nos 1.400m do Prix de la Forêt (G1), para produtos de dois anos e mais idade.

No disco (há quem já tenha comentado que Olivier Peslier a correu com excesso de confiança , esperando demais, no que não concorda Fredy Head, seu treinador, para quem o jóquei foi perfeito e ela perdeu para um potro de primeiríssima classe), foi dominada (foto Longchamp) pelo excelente sprinter de três anos Dream Ahead (Diktat e Land of Dreams, por Cadeaux Généreux), na condução de William Buick, treinamento de David Simcock e propriedade de Khalifa Dasmal. Este ano, na Inglaterra (mais uma vitória além Mancha), venceu a Betfred Sprint Cup (G1) e a July Cup (G1), ambos triunfos em 1.200m.

O terceiro posto, seis corpos atrás, ficou com Surfrider (Dansili e Ecoutla, por Rahy), com Christophe-Patrice Lémaire up e preparo de Eric Libaud, ganahdor do Prix Djebel (G3).

Jeane Alves, Campeonato de Joquetas Peru

Mr. Nedawi - Grande Prêmio Paraná 2010

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Grande Prêmio Paraná, Sexta-feira é dia de mesa-redonda

Sexta-feira é dia de mesa-redonda
outubro 5, 2011

A mesa redonda do turfe paranaense da próxima sexta-feira, dia 7, irá contar com a participação do treinador A. Menegolo Neto e do jóquei B. Ardiles. Eles irão comentar, junto com Edson Ruck, a programação de sexta-feira e de domingo, dia do Grande Prêmio Paraná.

Sob o comando de Gerson Borges de Macedo o programa terá início às 15h15 e será transmitido na TV Jockey (Canal 137 da NET digital e 82 do analógico).

Resolução - Desclassificação da égua Reason Famous

JOCKEY CLUB BRASILEIRO

SECRETARIA DA COMISSÃO DE CORRIDAS


BOLETIM OFICIAL Nº 33 de 4 de OUTUBRO de 2011


RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE CORRIDAS


Em 4 de OUTUBRO de 2011


Tendo em vista o resultado do exame procedido pelo Laboratório Anti‑Doping no material colhido do animal "REASON FAMOUS", primeiro colocado no 9º páreo da reunião 093º, do dia 17 de setembro de 2011, a Comissão de Corridas resolve:

1 ‑ Desclassificar o animal "REASON FAMOUS" para último lugar, sem direito a qualquer prêmio;

2 ‑ Suspender por 180 (cento e oitenta) dias, o treinador Mauro Andrade de Carvalho (M.ANDRADE), a partir do dia 04/10/2011, com base no Art. 163, parágrafo 4º, Grupo I, e parágrafo 5º do mesmo artigo do CNC, com multa concomitante de R$ 682,50 (seiscentos e oitenta e dois reais e cinquenta centavos) e entrada proibida no hipódromo e suas dependências até o integral cumprimento da penalidade (Art. 188‑parágrafo 2º);

3 ‑ O resultado do referido páreo passará a ser o seguinte:

1º JADDE DI

2º VANDESTA

3º LA HARLIN

4º PICABOO

5º NO BRAKE




A COMISSÃO DE CORRIDAS

AUTORIZA A DIVULGAÇÃO

TBS: Reserva de mesas para o Leilão do GP Paraná

Devido à presença das delegações visitantes para o GP Paraná, e do grande interesse gerado pela oferta total do plantel do Haras Belmont (pela primeira vez leiloando tudo), solicitamos aos interessados para que reservem suas mesas no leilão desta sexta-feira.

Até o momento, 85% das mesas do Tattersall já foram reservadas. Será servido almoço aos presentes e todos os produtos do leilão já estão alojados no Hipódromo do Tarumã, onde podem ser revisados. As corridas começam logo após o leilão.

A potranca Aroeira (Tiger Heart), que deu um show em sua ultima atuação no Tarumã, tambem está inscrita neste final de semana. Ela debuta em Cidade Jardim na segunda-feira, e pelos excelentes trabalhos que tem no Tarumã, comenta-se que pode almejar inclusive atingir a esfera clássica.

O leilão será transmitido ao vivo pela Internet, pelos sites www.turfeproducoes.com.br e www.agenciatbs.com.br.

Fonte: TBS

Tentente Dodge é forfait no "Velocidade" do Paraná


GP Paraná: Tentente Dodge é forfait no "Velocidade"

O tordilho Tenete Dodge (Dodge), 5 anos, de criação do Haras Anderson e propriedade do Stud Palurape, que seria uma das forças naturais do Clássico Ciro Frare (L), a prova de velocidade da semana do GP Paraná, no próximo domingo, é o primeiro forfait de maior impacto na programação festiva, em Curitiba.

Segundo a apuração em primeira mão da reportagem do Raia Leve, o excelente velocista sequer embarcou para Curitiba.

por Victor Corrêa

Take The Money se impõe frente os mais novos


Corrida de maior nível técnico em pistas brasileiras no ultimo domingo, o Grande Prêmio Pres. Antonio Correa Barbosa (gr.II), em 2.200 metros na areia, aberto a produtos de 3 e mais anos. E no choque de gerações, vitória pra lá de convincente de Take The Money, 5 anos, filho de Bright Again e Official Glory (Jules), de criação do Haras Santa Maria de Araras e propriedade do Stud Raça.

Assim como Diva Poderosa havia feito no páreo anterior, Take The Money tomou a “canastra” logo após a dianteira. Sempre com Nozze di Fígaro em seu encalço, o castanho seguia firme na primeira colocação, sendo bem dosado por Francisco Leandro. Na última curva, Nozze di Fígaro deu uma estocada forte para cima de Take The Money, na sua última tentativa no páreo.

Na reta de chegada, enquanto a favorita renunciava, Take The Money continuava intocável na primeira colocação. O potro Andros, levando 8 quilos de vantagem sobre Take The Money, chegou a ensaiar uma atropelada na metade do tiro direto, mas nem de longe ameaçou a 9ª vitória de Take The Money, em 22 saídas. Andros (5 e ¼) formou a dupla, com Bom de Luta (9 e ¼) e Vulcano Danz (12 e ¾) arrematando em terceiro e quarto, respectivamente. Qua Qua Qua (13 e ½) foi o quinto. Nozze di Fígaro, Jogo de Birigui e Hurry Ski fecharam raia.

Treinado por Marcos Guimarães Campos, Take The Money assinalou a nova marca-recorde para a distância: 2:13.78, com finais de 25.14 e 12.94.

por Victor Corrêa
Raia Leve

Diva Poderosa surpreendeu e conquista batismo clássico


Disputado no ultimo domingo em Cidade Jardim, o Clássico Pres. Mario Ribeiro Nunes Galvão (L), em 1.800 metros na grama, para éguas de 4 e mais anos, teve na uruguaia Diva Poderosa, 5 anos, filha de Revê Doré e Ultra Star (Latin American), de criação e propriedade do Haras Phillipson, a sua ganhadora.

Tendo conseguido “bracear” na dianteira, a conduzida de Josiane Gulart não prendia muito a atenção das rivais, que corriam pela favorita Grand I Ask. E com a já citada joqueta conseguindo regular o train de corrida, Diva Poderosa se fez na primeira colocação, trazendo bastante fôlego para a reta de chegada. Primeiro foi Jolie Mimi que tentou dominar o páreo, nos 250 finais, e não conseguiu. E depois quem apareceu “voando” foi justamente Grand I Ask, que correu mais de alcance do que costuma fazê-lo, e quando o disco chegou ainda estava um bocado atrás de Diva Poderosa.

Diferença mínima separou as duas primeiras colocadas, com Jolie Mimi (3/4), de boa atuação, finalizando em terceiro. Let’s Kiss (3 e ¼) e Paris-It (3 e ¼), praticamente emparelhadas, completaram o marcador.

Estrela Mágica, Sra.Dondoca, Adrya di Job, Ventana e Umniyah chegaram depois.

Treinado por A. Floriano Barbosa (CT de Campinas), Diva Poderosa conquistou a sua 3ª vitória em apenas 6 apresentações produzidas nas pistas de Cidade Jardim – esta foi a sua primeira inscrição na esfera clássica. Tempo de 2:01.15, com finais de 23.93 e 12.25.

por Victor Corrêa

Cavalo Foto 10



foto de Miguel Angel Bustos

Q!Bazar de Primavera no Jockey Club de São Paulo

De 6 de outubro a 15 de novembro, no Jockey Club de São Paulo

O evento Q!Bazar de primavera 2011 acontece nos dias 6 de outubro a 15 de novembro, no Jockey Club de São Paulo. O bazar de roupas traz grifes nacionais e internacionais, marcas renomadas e produtos de qualidade a preços super especiais que variam de 30 a 70% de desconto.

É possível encontrar marcas como Zoomp, VR, Vila Romana, TNG, Timberland, Siberian, Sergio K, Salinas, Richards, Polo USA, Pierre Cardin, MOB, Mandi&Co., M.Officer, Lilica&Tigor, Lança Perfume, Iodice, Everlast, Ellus, Dzarm, Crawford, Cavalera, Carmim, Carlos Miele, Carina Duek, Calvin Klein entre muitas outras.

Mas pra quem não mora em São Paulo, já pode aproveitar algumas ofertas disponíveis na loja online da Q!Bazar, acessando: www.qbazar.net. Tem diversos produtos de moda masculina, feminina, linha infantil, artigos de decoração, itens para casa, cama mesa e banho.

Jockey Club de São Paulo
R. Doutor José Augusto de Queiroz. Acesso pelo Portão 1 / Eucaliptos.
Aberto todos os dias das 12h às 22h inclusive aos domingos e feriados.

Nahrain foi a Heroina do Prix de l'Opéra


O G1 disputado nos 2.000m do Prix de l'Opéra (G1), para éguas de três anos e mais idade, vinda da Inglaterra, Nahrain (Selkirk e Bahr, por Generous), do Sheik Ahmed Al Maktoum pilotada por Frankie Dettori (em tarde inspirada) e preparada por Roger Varian, foi a ganhadora, permanecendo invicta em quatro apresentações. Aliás, no ultimo domingo foi a sua primeira incursão em prova de grupo.

O segundo posto, a apenas focinho da primeira (foto Longchamp), ficou com a quatro anos Announce (outra que pagou taxa extra para correr), das cores de Khalid Abdullah. Filha também de Selkirk, sendo sua mãe Hachita, por Gone West, foi dirigida por Maxime Guyon e é treinada por André Fabre, ganhadora recente, em Deauville, do Prix Jean Romanet (G1).

Em terceiro, um corpo e meio depois, a três anos Banimpire, propriedade de Mrs. John S. Bolger, sendo treinador o seu marido, com Kerryn Manning up, ourtra visitante inglesa, Banimpire (Holy Roman Emeror e My Renee, por Kris S), segunda no Irish Oaks (G1) e ganhadora do Royal Whip Stakes (G2) e do Ribblesdale Stakes (G2).

Gorino venceu a Prova Especial Gustavo Philadelpho Azevedo


Mantido em excelente estado por Dulcino Guignoni, o seis anos Gorino desbancou os mais novos na Prova Especial Gustavo Philadelpho Azevedo, melhor carreira do ultimoe domingo, no Hipódromo da Gávea.

Contando com um train favorável, Gorino foi contido e posicionado nas últimas colocações, entrando a reta em quinto. Nos 400 metros finais, Carlos Lavor, que atravessa um ótimo momento, tirou o castanho para o centro da pista e, esbanjando saúde, Gorino foi à caça do ponteiro e favorito Vincent (Stud Rio Dois Irmãos), que figurou com destaque e ficou com a formação da dupla.

Fita Azul (Stud Santa Tereza), bastante solicitado, embalou nos últimos 100 metros e foi o terceiro. Public Rock (Gabriela Flores Machado) e Godmustbecrazy (Haras Doce Vale) foram os responsáveis pelo ritmo intenso da prova e, nesta ordem, completam o placar.

Gorino defende o Stud Amigos da Barra e foi criado por Sergio Peixoto de Castro Palhares. Filho de Dodge e Eva Carter, por Dr.Carter, o vencedor chegou a sua oitava vitória em 33 saídas e assinalou 1m22s68 para os 1.400 metros, na grama.

Chantal Sutherland com Game on Dude - Goodwood Stakes - Santa Anita


Chantal Sutherland com Game on Dude - Goodwood Stakes - Santa Anita

Cancha Reta - Carazinho

Vai ser disputado nos dias 30 e 31 de outubro, o GP Clóvis Bravo, em 500m. Inscrição: R$ 2 mil e Lance de Participação: 3 x R$ 1 mil. Premiação: 70% do total das inscrições ao proprietário vencedor; 30% do total das inscrições + 4% das apostas em animal de sua responsabilidade ao treinador vencedor, aos demais treinadores 4% das apostas em animal de sua responsabilidade. Handicap para o GP: Marimbau e Rumo Ao Disco - 50Kg; Fast Mile - 48Kg; Ajato Fast - 46Kg; More More - 45Kg; Jóia do Mig - 44Kg; Atadinho e Super Fórmula - 42Kg; American Alegre, Bruna Real, Cerise More, Chique de Doer, Garota de Ipanema, Hora Dourada, Ilusion Prospector, Itaibaté, Point One, Prince Patrick, Rápida Demais, Snow Mile e Yellow Leg - 40Kg. Obs.: Não será permitido o uso de agarradeiras. Os proprietários dos animais que não estiverem relacionados neste handicap e desejarem participar do evento deverão solicitar o peso aos organizadores. Os organizadores reservam-se o direito de modificar o handicap, se necessário, para o maior brilhantismo deste GP. Informações: (54) 9966-8086 com Clayton, (54) 9614-4555 com Rosalino e (55) 9983-8675 com Binha.

Cavalo, foto linda

Joqueta Maria Scaldaferri

Grande Prêmio Paraná é neste domingo

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Você já pensou em ser dono de um cavalo de Corrida

Cavalo, Foto 10





Foto de Miguel Angel Bustos

Sábado tem arremates no Tarumã

Arremates do GP Paraná serão no sábado

Os Arremates, tradicional modalidade de apostas da semana do Grande Prêmio Paraná, prometem atrair, mais uma vez, muitos turfistas e proporcionar ótimos rateios.

Este ano os arremates serão realizados no sábado, dia 8 de outubro, a partir das 19h, no Salão Almeida Prado.

Fonte: JCP

Grande Criterium, Balizas

Confira abaixo a ordem do balizamento para a citada prova que acontece no dia 12:

1 - JOE DIESEL - STUD GLOBO
2 - INVICTUS - BEVERLY HILLS STUD
3 - ZEFERINO - STUD BIG FEELING
4 - ENERGIA DAVOS - HARAS ESTRELA ENERGIA
5 - URSO POLAR - STUD TNT
6 - VROM-VROM - STUD WALL STREET
7 - TALEBAN - CARLOS DOS SANTOS
8 - PLENTY OF KICKS - STUD SÃO FRANCISCO DA SERRA
9 - VELVET SUCCESS - STUD ALVARENGA
10 - UP AND RUNNING - STUD CAFELÂNDIA

Arco do Triunfo 2011



JCB

Kirkinchi vence em Palermo o Clásico República Federativa Del Brasil


O calendário nobre do Hipódromo Argentino de Palermo contempla anualmente uma prova em homenagem ao Brasil, classificada na escala internacional como grupo 3, e reservada para cavalos de quatro anos e mais idade, na clássica distância de 1.600 metros, denominado “Clasico República Federativa del Brasil-G3.

A importante prova estrelar, disputada no ultimo sábado na areia parlemitana, reuniu cinco competidores, o campeão em todas as pistas, Cafrune (Colonial Affair); “La Maquina Blanca” Mad Speed (Mad Champ); Kirkinchi (Interprete); Body Sam (Body Glove) e o brasileiro Espalha Brasa (Lode) de criação do Haras Santa Maria de Araras.

Com Mad Speed desde os tramos iniciais na posição de vanguarda, com Cafrune em segundo sendo acompanhando de perto por Kirkinchi em terceiro. O desenrolar da carreira se manteve inalterado até a entrada do direto. O tordilho Azulenho insistia na posição, marcando a cadencia com alguma folga, enquanto Cafrune recebia assédio de Kirkinchi aberto, já visando desalojar o ponteiro. Nos 150 finais, na tocada enérgica de Gonzalo Hann, estabelecido o mano a mano, assim chegaram ao espelho trocando galões e aparentemente igualados. Contudo foi visível a vitória de Kirkinchi, porém foi chamnda a fotografia; que fez subir a placa favorável ao zaino colorado de Mar del Plata por focinho de diferença.

Grande atuação do jockey platense Gonzalo Hann conduzindo Kirkinchi, que impediu a letal tocada final de Pablo Falero e impôs sobre o favorito Mad Speed, uma derrota surpreendente. Em terceiro a 3 corpos Cafrune, com Body Sam completando a quadrifeta a 13 corpos. Espalha Brasa não figurou em nenhum momento finalizando em último distante.

Kirkinchi, 7 anos, filho de Interprete e Sugar Girl por Personal Flag, nascido no Haras Abolengo, de propriedade da Caballeriza Los Mellizos de Mar del Plata, com treinamento de Mario Ricciuto, estabeleceu o tempo de 1’33”81 para as doze quadras de areia normal no circo de Palermo.

Foram 25 saídas de Kirkinchi em sua campanha, com a vitória no Clásico República Federativa Del Brasil – G3, o descendente de Mr. Prospector alcança sua primeira prova graduada - possui ainda 6 impactos comuns e 1 handicap -, com 13 figurações e apenas 2 atuações fora do marcador. Trata-se de um elemento de grande utilidade e rentabilidade nas pistas e pelo que demonstrou, vai trazer novas alegrias aos seus interessados.

por Mário Rozano

Yellow Ribbon Stakes foi de Dubawi Heights


No ultimo sábado os 2.000m, grama, do Yellow Ribbon Stakes, para éguas de três anos e mais idade, brilhou a potranca Dubawi Heights (Dubawi e Rosie's Posy, por Suave Dancer), mais uma vitória de G1 de Joel Rosario, esta tarde em Santa Anita. Ela vinha de vencer, em difícil final, a brasileira Celtic Princess (Public Purse e Exotic Diner, por Formal Dinner), da Coudelaria Jessica, no Gamely Stakes (G1), tendo antes secundado Stacelita no Beverly D. Stakes (G1).Venceu por 3.4 de corpo. O segundo e terceiro lugares foram de Cozi Rosie (Pleasant Perfect e Felidia, por Golden Fleece), e Harmonious (Dynaformer e Jade Tree, por Storm Cat).

Game on Dude com Chantal Sutherland vence o Goodwood Stakes


Nos 1.800m do Goodwood Stakes,corrido no ultimo sábado em Santa Anita, para três anos e mais idade, venceu Game on Dude (Awesome Again e Worldy Pleasure, por Devil His Due), na direção de Chantal Sutherland, e ganhador, este ano, do Santa Anita Handicap (G1). A meio corpo, o segundo ficou com Awesome Gem, outro filho de Awesome Again, tendo como mãe Piano, por Pentilicious. O filho de Point Given e Eversmile, por Theatrical, Coil, ganhador do Haskell Invitational Handicap (G1), foi o terceiro. A argentina Miss Match (Indigo Shyner e Miss Simpatia, por Southern Halo), campeã do Gran Premio Selección (G1) de sua geração, em Palermo, foi quarta

Creative Cause venceu o Norfolk Stakes


Em Santa Anita,no ultimo sábado,o Grupo I, para dois anos, teve o Norfolk Stakes, em 1.700m. Vitória de Creative Cause (Giant's Causeway e Dream of Summer, por Siberian Summer), com Joel Rosario up, vindo de ganhar o Best Pal Stakes (G2). Ele deixou a mais de três corpos em segundo, Drill (Lawyer Son e Cat Dancer, por Storm Vat), na condução de Martin Garcia.

Wilburn vencendo o Indiana Derby



Wilburn, com Julien Leparoux vencedor do Indiana Derby - 1700 Metros - Areia - Grupo II, corrido no ultimo sábado, 01/10, no Hoosier Park.

Juanita venceu o Indiana Oaks


corrido no ultimo sábado, 01/10, no Hoosier Park o Indiana Oaks, Grupo II, 1700 Metros, Pista de Areia, foi vencido pela Potranca Juanita sob a direção de Julien Leparoux .

Cancha Reta - Jockey Club Querência do Sertão,22,23 e 24 de Outubro

PENCA DE RIO NEGRO (PR)

* Nos dias 17, 18 e 19 de setembro, foi corrida uma Penca para animais PSI, na distância de 500m.

RESULTADO DE DOMINGO (18/9)

1º Páreo - 500m - Eliminatória. 1º Texas Gipsy (Itajaí/SC); 2º Veneza Azul (Imbituba/SC). T: 28”.

2º Páreo - 500m - Eliminatória. 1º Gitanira (Imbituva/PR); 2º Cara Branca (Irati/PR). T: 28”10.

3º Páreo - 500m - Eliminatória. 1º Jacaré (Contenda/PR); 2º G1 (Itajaí/SC); 3º Evil Magic (Imbituva/SC). T: 27”90.

RESULTADO DE SEGUNDA-FEIRA (19/9)

Final - 500m. 1º Jacaré; 2º Gitanira; 3º Texas Gipsy. T: 27”90.

* O organizador do evento foi Valdemir Frizon (Gordinho de Barracão). O J.C. de Rio Negro tem como presidente Orlando Feliciano.

* O vencedor Jacaré é um filho de Miesque’s Son, teu seu preparo a cargo de Diego, foi montado por Rogerinho, e pertence aos irmãos Joci e Valdir Santos “Getúlios”.

Cancha Reta - GPS DA LIGA DA CANCHA RETA 2011

GPS DA LIGA DA CANCHA RETA 2011

1º - J. C. do Paraná – GP Turfe Paranaense (700m)
1º Levado Dabréca
2º Volly
3º Caster Sugar

2º - J.C.R.G.S. – GP Turfe Gaúcho (700m)
1º La Passione
2º Tirano Fly
3º Noite Sulina
4º Sweet Christine
5º Viola de Prata

3º - J.C.Carazinhense – GP Sprint Sales (600m)
1º Mensageiro Mig
2º Exclusive More
3º Tanto Mar

4º - J.C. Samborjense – GP Cidade de São Borja – Penca do Arroz (500m)
1º Just Mig
2º Edição de Ouro
3º Viper Lady
4º Joe Freemann

5º - J.C. Fazenda Rio Grande – GP Cidade Faz. Rio Grande (600m)
1º Estrela do Iguassu
2º Joe Berger

6º - J.C. de Alegrete – GP Gentil Carlesso (600m)
1º Tayrusu
2º Astro da Raia
3º Elegant Elysa

7º - J. C. de Júlio de Castilhos – GP Cel. Henrique Waihrich (500m)
1º Ki Butui
2º Recuperada
3º Thunder Machine

8º - J.C. Samborjense - GP Haras Fazenda Capeaty (500m)
1º Exclusive More
2º Trinca-Ferro
3º Ki Butui

9º - J. C. de São Jerônimo – GP São Jerônimo (600m)
1º Tererê
2º Martelo do Binha
3º Bailarino Mig

OBS.: Os GPs dos J.C. de Tupanciretã e Palmeira das Missões não foram realizados.



Cancha Reta - GPS DA LIGA DA CANCHA RETA 2011

GPS DA LIGA DA CANCHA RETA 2011

1º - J. C. do Paraná – GP Turfe Paranaense (700m)
1º Levado Dabréca
2º Volly
3º Caster Sugar

2º - J.C.R.G.S. – GP Turfe Gaúcho (700m)
1º La Passione
2º Tirano Fly
3º Noite Sulina
4º Sweet Christine
5º Viola de Prata

3º - J.C.Carazinhense – GP Sprint Sales (600m)
1º Mensageiro Mig
2º Exclusive More
3º Tanto Mar

4º - J.C. Samborjense – GP Cidade de São Borja – Penca do Arroz (500m)
1º Just Mig
2º Edição de Ouro
3º Viper Lady
4º Joe Freemann

5º - J.C. Fazenda Rio Grande – GP Cidade Faz. Rio Grande (600m)
1º Estrela do Iguassu
2º Joe Berger

6º - J.C. de Alegrete – GP Gentil Carlesso (600m)
1º Tayrusu
2º Astro da Raia
3º Elegant Elysa

7º - J. C. de Júlio de Castilhos – GP Cel. Henrique Waihrich (500m)
1º Ki Butui
2º Recuperada
3º Thunder Machine

8º - J.C. Samborjense - GP Haras Fazenda Capeaty (500m)
1º Exclusive More
2º Trinca-Ferro
3º Ki Butui

9º - J. C. de São Jerônimo – GP São Jerônimo (600m)
1º Tererê
2º Martelo do Binha
3º Bailarino Mig

OBS.: Os GPs dos J.C. de Tupanciretã e Palmeira das Missões não foram realizados.

III GP CAMPEÃO DOS CAMPEÕES

LIGA DA CANCHA RETA - III GP CAMPEÃO DOS CAMPEÕES

Local: Porto Alegre - Data: 14, 15, 16 e 17 de outubro - Distância: 600m

Pesos Padrão: Fêmeas - 50Kg - Machos - 52Kg

Sobrecarga: Vencedor de qualquer penca - 2,5Kg; Vencedor de terno - 1,5Kg; Participante de pencas - 1,0Kg; Peso máximo acumulado - 7,5Kg; Peso de participante - só uma vez. Obs.: uma batida vale como vencedor.

Bolsa: R$ 50.000,00 retidos por vencedor de GP da Liga + R$ 50.000,00 retidos dos Jockeys Clubs Promotores de GP da Liga + demais inscrições.

Distribuição: 70% ao proprietário do animal vencedor; 15% ao treinador do animal vencedor; 15% aos proprietários dos demais finalistas.

Inscrições: a) R$ 5.000,00 vencedores de GPs da liga (retidos) + R$ 5.000,00; b) R$ 7.000,00 vencedores demais pencas, tiradores de terno e participantes de terno + R$ 5.000,00 = TOTAL R$ 12.000,00; c) R$ 8.000,00 inéditos + R$ 5.000,00 = TOTAL R$ 13.000,00

Lances: R$ 5.000,00 - vencedor de GPs da Liga; R$ 7.500,00 vencedores de demais pencas, tiradores de terno e participantes de terno; R$ 10.000,00 inéditos.

* OBS.: Cada Jockey Club da Liga completará com mais R$ 5.000,00 de inscrição dos ganhadores. Aos demais participantes caberá ao proprietário integralizar a inscrição de mais R$ 5.000,00.

Zazu vence a a brasileira Great Ho fica em terceiro no Lady's Secret Stakes




A brasileira Great Hot (Orientate e That's Hot, por Seeking the Gold), da Coudelaria Jessica, foi um significativo terceiro no importante Lady's Secret Stakes (G1), em Santa Anita, corrido no ultimo sábado, em 1.700m, para éguas de três anos e mais idade. Ela foi dirigida por Chantal Sutherland e apresentada pelo também brasileiro A.C.Ávila.

A prova foi vencida por Zazu (Tapit e Rhumb Line, por Mr. Greeley), vencedora do Hollywood Oaks (G2) e do Las Virgenes Stakes (G1), além de terceira no Kentucky Oaks (G1), segunda no Clement L. Hirsh Stakes (G1), para Ultra Blend (Richly Blended e Ankha, por Desert Classic), hoje a sua runner-up, e no Santa Anita Oaks (G1), para Turbulent Descent ( Congrats e Roger.s Sue, por Forestry). Joel Rosario foi o seu jóquei, seu treinador é John Sadler e defende as cores de Mr & Mrs, J.S. Moss.

Ultra Blend, a segunda, foi conduzida por David Flores, tem Ari Sherman como treinador e pertence a Nels Erickson.

A grande favorita Blind Luck (Pollard's Vision e Lucky One, por Best of Luck), ganhadora de seis provas de G! (Oak Leaf Stakes e Hollywood Starlet, aos dois anos, Kentucky Oaks, Las Virgenes Stakes e Alabama Stakes, aos três anos, e do Vanity Stakes, aos quatro), fracassou completamente terminando na última colocação (ela nunca havia chegado pior do que terceiro). Garrett Gomez esteve em seu dorso, Jerry Hollendorf é seu treinador e defende as cores de Mark DeDomenico LLC e John Carver.

As diferenças foram de 1/2 corpo e 1 corpo e meio (a quarta, Champagne d'Oro, ficou a quase três corpos da brasileira

Flat Out vence "O Jockey Club Gold Cup Stakes"




Afinal, o três anos Stay Thirsty (Bernardini e Marozia, por Strm Bird), do mesmo staff de Uncle Mo, ganhador do Kelso Handicap (G2), Repole Stable, Todd Pletcher ( o jóquei foi Javier Castellano), uma das performances mais esperadas do sábado em Belmont visando a Breeder's Clup Classic (G1), não passou de terceiro nos 2.000m do Jockey Club Gold Cup Stakes (G1), a pouco mais de três corpos do vencedor e meio corpo do segundo. Eke vinha de ganhar o Jim Dandy Stakes (G2) e o Travers Stakes (G1), além de ter sido segundo no Belmont Stakes (G1), deste ano, vencido por Ruler on Ice (Roman Ruler e Champagne Glow, por Saratoga Dix).

O cinco Flat Out (Flatter e Crest Hill, por Cresta Rider), de Preston Stables LLC, direção de Alex Solis e preparo de Charles Dickey, acabou impondo-se com enorme autoridade, finalmente ganhando após uma boa série de accessits nobres (segundo, para Havre de Grace, no Woodward Stakes, G1, e para Tizway, no Whitney Handicap, G1). Venceu e convenceu (foto Belmont).

A segunda colocação, superando, como dissemos acima, por meio corpo, o filho de Bernardini, pertenceu ao cinco anos anos Drosselmeyer (Distorted Humor e Golden Ballet, por Moscow Ballet), da WnStar LLC, com Jose Lezcano up e treinamento de William Mott, campeão do Belmont Stakes (G1), de sua geração, além de ter sido segundo, no Brooklyn Handicap (G2), de Birdrun (Birdstone e Run Like Martha, por Jolie's Halo), o penúltimo colocado hoje na Gold Cuo.

Cavalo, foto linda

Josiane Gulart no Peru

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Danedream em seu primeiro dia de vida


esta foto mostra a campeão do Arco do Triunfo em seu primeiro dia de vida.

Cavalos , foto linda

Uncle Mo reaparece em Belmont e levanta a milha do Kelso Handicap

Uncle Mo (Indian Charlie e Olaya Maya, por Arch), de três anos, confirmou o favoritismo e levantou com grande autoridade (o segundo lhe chegou a três corpos), a milha do Kelso Handicap (G2), para produtos de três anos e mais idade, sob a direção de John Velazquez, treinado por Todd Pletcher e propriedade de Repole Stable.

O segundo lugar ficou com Jackson Bend (Hear no Evil e Dexy Stockingsm por Tabasco Cat), com Corey Nakatami up. Jersey Town (Speightsown e Jersy Girl, por Belong to Me), na direção de H. Velasquez, foi o terceiro, oitro corpos atrás

Stacelita, com grande facilidade, levanta o Flower Bowl Invitational Stakes (G1), em Belmont


Nenhuma surpresa nos 2.200m, grama, em Belmont, do Flower Bowl Invitational Stakes (G1), para éguas de três anos e mais idade.

A esplêndida Stacelita (foto), favorita descatada, os dominou com total facilicade. Filha de Monsun e Soignée, por Dashing Blade, montada por Ramon Dominguez, preparada por Chad C. Brown e de propriedade de Martin Schawrtz, a francesa que, em 2009, foi a ganhadora do Prix de Diane (G1), em Chantilly, chegou assim a mais importante vitória desde que veio a prosseguir campanha nos Estados Unidos. Ela vinha de vencer, com igual facilidade o Beverly D. Stakes (G1).

Com dois corpos cruzou o disco à frente de Distorted Legacy (Angel Penna Jr. treinador, Rajiv Maragh, o jóquei, Bruce Lusford, o proprietário), a segunda colocada.

Em terceiro, um corpo e 3/4 de corpo atrás, chegou Dysnalev (Seth Benzel, treinador, Corey Nakatami, jóquei, Live Oak Plantation, proprietário), uma filha de Dynaformer e Slew's Final Answer, por Seattle Slew, vinda de segundo no Glens Fall (G3), em Saratoga.

Cape Blanco permanece invicto em pistas americanas

Primeiro, Cape Blanco (Galileo e Laurel Delight, por Presidium), treinado por Adrian O'Brien, propriedade de Mrs.Hay-Smith-Mrs. Magnier-Tabor, dirigido por Jimmy Spencer, saiu da Irlanda e venceu, no início de julho, o Man O'War Stakes (G1). Um mês depois voltou para levantar o Arlington Million (G1). No ultimo sábado, novamente se impôs, mesmo que em final difícil, nos 2.400m (um tanto longos para ele, talvez), correndo de ponta, do Joe Hirsch Turf Classic Invitational Stakes (G1), em Belmont.

No disco, resistindo ao ataque, trouxe focinho sobre Dean's Kitten (Kitten's Joy e Dummer Theatre, por Ide), treinado por Mic hael Maker, conduzido por Ramon Dominguez e de propriedade de Kenneth L. e Sarah K. Ramsey e que vinha exatamente de terceiro no Arlington Million (G1).

Em terceiro, a mais de quatro corpos, terminou Grassy (El Prado e High Savannah, por Roussillon), preparo de Christophe Clement, John Velazquez up, defensor das cores de Claiborne Farm e Adele B. Dilschneider, recente ganhador do Bowling Green Handicap

Alta Vista com Luiz Duarte vence o Diana




Em uma direção brilhante de Luiz Duarte, Alta Vista leva o GP Diana (G1) em São Paulo, tradicional e mais importante prova para éguas de três anos.

Contrariando as expectativas, Duarte correu Alta Vista de trás, na sexta colocação. Nos 600 finais, o piloto começou a tirar sua conduzida da cerca, trazendo-a para o meio da pista. Faltando 100 metros para o espelho, Alta Vista trouxe uma ação avassaladora e dominou a “carioca” Ultimate Heights, livrando meio corpo de vantagem, em um final repleto de emoção.

Com Marcello Cardoso em seu dorso, Ultimate Heights (Stud TNT) mostrou que vai longe, se destacando na carreira e ficando com a formação da dupla. In The Stars (Bervely Hills Stud) ficou com o terceiro posto. Vanua Levu (Haras Santa Maria de Araras) e Dinovo (Stud Elf) fecharam o placar.

Alta Vista chegou a quinta vitória, quinta clássica e terceira de Grupo 1, em sua excelente campanha, trilhada pelo treinador Amiton Aquino Farias. Filha de Amigoni e Bella Cy, por Belo Colony, a corredora defende o Stud Galope, foi criada pelo Haras Cifra e assinalou 1m59s3/10 para os 2.000 metros, na grama.

Os 1.200m do Vosburgh Invitational Stakes (G1) foram de Giant Ryan

Os 1.200m do Vosburgh Invitational Stakes foram de Giant Ryan
01/10/2011 - 17:55:48



Surpreendendo, o cinco anos Giant Ryan (Freud e Kheyrah, por Dayjur), de Shivananda Parbhoo, direção de Cornelio Velasquez e prepardo de Bisnath Parhbhoo, foi o ganhador dos 1.200m do Vosburgh Invitaional Staks (G1), em Belmont Pak, há pouco.

No disco, ele, ganhador do Smile Sprint Handicap (G2), tinha meio corpo sobre o quatro anos Force Freeze (Forest Camp e Antifreeze, por It's Freezing), treinamento de Peter Walder, direção de Paco Lopez e propriedade de Saeed Naser Al Romaithi, o vencedor, este ano, em Meydan do Dubai Golden Shaheen (G1).

Em terceiro, a um corpo e meio, chegou Caixa Eletronica (Arromanches e Eduta, por Skip Away), de seis anos, Jose Lezcano up, treinamento de Todd Pletcher e defensor das cores de Repole Stable, primeiro no Westchester Stakes (G3).

Kará de Birigui vence e segue como candidato a Coroa

Vencedor da primeira prova, Kará de Birigui levou de ponta a ponta o GP Jockey Club de São Paulo (G1) e segue como forte candidato a Quádrupla Coroa de São Paulo, destinada a produtos de três anos.

Após ótima partida, Kará de Birigui tomou a frente de golpe, livrando um corpo de vantagem sobre Gipsy Bullet, que escoltou o castanho até a entrada da reta. Nos 400 finais, Francisco Leandro começou a procurar pelo vencedor, que correspondeu, deixando os rivais apenas na briga pela dupla.

Veraneio (Stud Power Five) saiu das últimas colocações para ficar com o segundo posto. Sempre entre os primeiros, É Do Iguassu (Haras Rio Iguassu) finalizou terceiro. Que Espetáculo (Haras Old Friends) e Gipsy Bullet (Paulo Rodolfo Fischer) figuraram com destaque e completaram o marcador.

Contando mais uma vez com a apresentação de Walfrido Garcia, Kará de Birigui emplacou seu quarto triunfo, segundo de Grupo 1, em oito atuações. Filho de Banking e Lovely Minister, por Mane Minister, o corredor, reservado do Stud Birigui, assinalou 1m57s9/10 para os 2.000 metros no gramado e segue firme na disputa pela Quádrupla Coroa Paulista

Victoria Beach é a melhor na Prova Especial


Em turma e distância mais camaradas, Victoria Beach não encontrou rivais na Prova Especial Mário Jorge de Carvalho, destinada a éguas de três anos e mais idade, melhor páreo da reunião de sábado, no Hipódromo da Gávea.

Com um ritmo intenso imposto pelas ponteiras, Damara Khan e É Da Hora, Victoria Beach foi corrida na quarta posição por seu jóquei, Dalto Duarte, seguindo há dois corpos a favorita do público Mee. Entrando a reta, as ligeiras começaram a mostrar sinais de cansaço e Mee dominou a carreira abrindo rapidamente vantagem sobre as demais. Nos 400 finais, Dalto fez a partida na vencedora, que, mostrando categoria, embalou por fora, tomou a frente e fugiu para o espelho.

Jade (Stud Estrela Energia) confirmou sua evolução e foi a segunda no disco. Após boa participação, Mee (Stud LECCA) ficou com a terceira colocação. Cache-Nez (Stud Seralucia), vindo de trás, e É Da Hora (Stud Prata e Rubi), que não conseguiu florear como gosta, completaram o placar.

Contando com o preparado caprichado de Venâncio Nahid, Victoria Beach chegou a sua quarta vitória, primeira em uma prova especial, em onze apresentações. Filha de Torrential e Bambina Mia, por Skywalker, a castanha defende o Stud Santa Rosa de Lima, foi criada pelo Haras Santa Rita da Serra e assinalou 1m35s58 para os 1.600 metros, na pista de grama.

Royal Rock venceu o Bengough Stakes



Os 1.200m para produtos de três anos e mais idade, disputados no sábado em Ascot, do Bengougj Stakes (G30, foram do sete anos (foto Ascot) Royal Rock (Chris Wall, treinador, Ted Duncan, jóquei),um filho de Sakhee e Vanishing Point, por Caller I.D., que havia vencido esta mesma prova há dois anos.

Ele deixou a segunda colocada, a três anos Rose Bonheur (Kevin Prendergast, treinador, D. McDonogh, jóquei), uma filha de Danehill Dancer e Red Feather, por Marju, a 3/4 de corpo.

À mesma distância, a terceira colocação ficou com a quatro anos Desert Poppy (Walter Swinburn, treinador, Jimmy Fortune, jóquei), uma Oasis Dream e Flanders, por Common Grounds.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

TERERÉ LEVA O V GP SÃO JERÔNIMO


No sábado (24/9) e domingo (25/9), foi corrido na cidade de São Jerônimo (RS) o V GP São Jerônimo, R$ 30 mil ao ganhador + R$ 20 mil ao treinador do vitorioso.
Esta prova era a última classificatória para o III GP Campeão dos Campeões, prova que será disputada em 600m, dias 14, 15, 16 e 17 de outubro, no Hipódromo do Cristal.
No partidor dos 600 metros do Jockey Club Jeronimense, na prova em Homenagem aos Prefeitos Jeronimenses (Mérito Jeronimense), Rui Biriva (Póstuma) e Marcos Rizzon (Mérito Turfistas), alinharam apenas três Produtos de 3 anos: Tereré (Blade Prospector), Bailarino do Mig (Mig) e o inédito Martelo do Binha (Mig).
Com bom público presente, Tereré, com Adelmo Machado “up” e Heber Widmark no preparo nota 10, largou e acabou, garantindo 1 corpo sobre Martelo do Binha, fechando o lote Bailarino do Mig.
O ganhador é de criação do Haras Ponta Porã e propriedade da Agropecuária São Carlos Ltda, do simpático João Carlos Vendruscolo, que correu este GP de parceria com Alberto Marques de Souza, o Maninho, titular do Stud Jeronimense e presidente da entidade

Cavalo, foto linda

Joquetas no Peru

Cavalos e suas caricaturas

Quesf for Peace levanta o Cumberland Lodge Stakes (G3), em Ascot


A milha e meia para produtos de três anos e mais idade do Cumberland Lodge Stakes (G3), corrida em Ascot, foi de Quest for Peace (treinador, Luca Cumani, jóquei, Kieren Fallon), um Galileo e Play Misty For Me, por Danehill Dancer.

Ganhou (foto Ascot) por dois corpos de Arctic Cosmos (John Gosden, no preparo, Wliiam Buic, na direção), um North Light e Fifth Avenue, por Marquetry), ganhaor, no ano passado, do St. Leger Stakes (G1).

A pouco menos de cinco corpos, em terceiro, terminou Nanton (treinamento de Jim Goldie, Daniel Tudhope up), de nove anos, um filho de Spinning World e Grab the Green, por Cozzene.

Byword venceu o Prix Dollar


A expectativa de todos era o bicampeonato (já que vencedor em 2010) de Cirrus des Aigles (Even Top e Taille de Guêpe, por Septième Ciel), direção de Frank Blondel, treinamento de Mme. Corine Barande-Barbe e propriedade de Jean-Claude-Alain Dupouy. nos 1.900m do Prix Dollar (G2).

Mas o ganhador, este ano, do Prix Gontaut-Biron (G3) e do Grand Prix de Deauville (G2), em grande estilo, além de um precioso (a pescoço) segundo para Sarafina (Refuse to Bend e Sanaryia, por Darshaan), no Grand Prix de Saint-Cloud (G1),uma das favoritas do Arc de amanhã, teve que se contentar com a segunda posição (a meia cabeça do primeiro).

O vencedor, das cores de Khalid Abdullah, com admirável direção de Maxime Guyon e treinamento de André Fabre, foi (foto Longchamp) Byword (Peintre Célèbre e Binche, por Woodman), vindo de ganhador o Prix du Chemi de Fer du Nord (G3) e, segundo para Rajsaman (campeão mais cedo do Prix Daniel Wildenstein, G2), no Prix du Muguet (G2).

As cores de Son Altesse Aga Khan terminaram em terceiro, a quase dois corpos, com Shimraan (Rainbow Quest e Shemriyna, por King of Kings), com Christophe-Patrice Lémaire up e preparo de Alain de Royer Dupré, terceiro, no ano passado, no Prix du Conseil de Paris (G2).

Sea of Heartbreak vence o Prix de Royallieu



Nos 2.500m do Prix de Royallieu (G2), para éguas de três anos e mais idade, a primeira grande decepção do Festival Longchamp deste final de semana.

A grande favorita, criação e defensora das cores de Son Altesse Aga Khan, Shamanova (Danehill Dancer e Shamadara, por Kahyasi), preparo de Alain de Royer Dupré e direção de Christophe-Patrice Lémaire, foi a quarta e última colocada. Ela vinha de terceiro no Prix Maurice de Nieuil (G2), no Prix de Pomone (G2) e no Prix Gladiateur (G3).

A vencedora (foto Longchamp) foi a visitante inglesa Sea of Heartbreak (Rock of Gibraltar e Top Forty, por Rainbow Quest), na monta de Olivier Peslier, treinamento de Roger Charlton e propriedade de Hardisty Bloodstock, terceira, em Newbury, no Dubai Duty Free Arc Trial (G3).

Ela livrou meio corpo sore Miss Crissy (Verglàs e Seracina, por Nashwan), com Grégory Beoist up, preparo de Mikel Delzangles e propriedade de Olivier Carli, segunda no Prix de Pomone (G2) e quarta no Prix de Lutèce (G3).

O terceiro lugar, a meia cabeça, a defensora da Godolphin (Frankie Dettori up e Saeed Bin Suroor, treinador), Modeyra (Sharmadal e Zahrat e Dubai, por Unfuwain).

Prix Daniel Wildenstein ,na milha, foi de Rajsaman


Sob uma direção excepcional de Thierry Jarnet, preparado de Fredy Head e defensor das cores de Saeed-Naser Al Romaithi, Rajsaman (Linamix e Rose Quartz, por Lamtarra), criação Aga Khan, como a ganhadora do Chaudenay, foi o vencedor, Ele vinha de um precioso terceiro no Prix du Moulin de Longchamp (G1), vencido por Excelebration (Exceed and Excel e Sun Shower, por Indian Ridge).

Outro final difícil (foto Longchamp). Apenas uma diferença muito pequena o separou de Rio de la Plata (que vinha se segundo no citado Moulin de Longchamp), um Rahy e Express Way, por Ahmad, criação do brasileiro José Laudo de Camargo, propriedade da Godolphin, dirigido por Frankie Dettori e treinado por Saeed Bin Suroor, o favorito da prova.

Em terceiro, a um corpo, Best Dating (King's Best e Just Special, por Cadeaux Généreux), treinado por Stéphane Wattel, direção de Grégory Benoist e defensor das cores de Jean-Jacques Rabineau, vindo de ganhar o Prix du Pin (G3).

O tempo foi de 1:38:23, com cerca móvel de 20 metros.

Em Ascot, os 1.000m do Cornwallis Stakes foi de Ponty Acclaim


Reservado para produtos de dois anos, o Cornwallis Stakes (G3), em 1.000m, corrido no sábado em Ascot, foi da potrancas Ponty Acclaim (Acclamation e Leopard Creek, por Weldnass), treinada por Tim Easterby e dirigida por Ted Duncan, propriedade Rapcalone.

Foi uma vitória surpreendente. Derrotou por um corpo (foto Ascot) outro azarão, a também potranca Miss Lahar (Mick Channon, treinador, Martin Harley, jóquei, da Barry Walters Catering), uma Clodovil e Brigaier's Bird, por Mujadil).

A terceira colocação ficou, um corpo e meio depois, com outra potranca, a favorita Caledonia Lady (Firebreak e Granuaile O'Malley, por Mark of Esteem), de Isla & Colin Cage, treinada por Jo Hughes e dirigida por Neil Callan, terceira no Flying Childer's Stakes (G2), de Requinto (Dansili e Damson, por Entrepeneur).

Shankardeh foi o campeão do Prix Chaudenay


Shankardeh

E a primeira prova das quatro de Grupo do ultimo sábado foi o Prix Chaudenay (G2), 3.000m, para produtos de três anos.

Cinco concorrentes, quatro potrancas e um potro. As potrancas dominaram completamente.

O primeiro lugar ficou com as cores de Son Altesse Aga Khan, através de Shankardeh (Azamour e Shalamantika, por Nashwan), condução de Christophe-Patrice Lémaire e preparo de Mikel Delzangles, segunda no Lillie Langtry Stakes (G3) e terceira no Prix de Malleret (G2).

Foi um final difícil. Apenas cabeça (foto Longchamp) a separou de sua escoltante Miss Lago (Encosta de Lago e Athyka, por Secretariat), preparo de Elie Lellouche, montada por Anthony Crastus e propriedade de Gérard Augustin-Normand, segunda no Prix de Lutèce (G3).

Em terceiro, a um corpo, a potranca preparada por Alain de Royer Dupré, Pacifique (Montjeu e Platonic, por Zafonic), na direção de Gérald Mossé e defensora das cores da Ecurie Skymarc Farm, vinda exatamente de ganha o Prix Lutèce (G3).