Jeane Alves

Jeane Alves
Vitória de G 1 com Equitana

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

O otimismo é o perfume da vida. Feliz Ano Novo.

Galopa a vida velozmente desde o amanhecer até o poente. Passa mais um ano no calendário dos mortais. Luzes no horizonte, fogos e festas. Vamos aproveitar o tempo que nos é concedido. Somos o bem que fazemos. A benção da vida é superar toda ferida. Ser mais forte do que as dificuldades, seguir em frente. O otimismo é o perfume da vida. Feliz Ano Novo. RG

Quarto de Milha, criador envolvido com Trabalho Escravo

...integrante da Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha entrou na lista. Ademir Furuya, proprietário da Fazenda Araponga e admirador de cavalos, acabou responsabilizado pelo flagrante de escravidão na produção de carvão vegetal em sua fazenda no município de São Miguel do Araguaia (GO). Na fiscalização foram encontrados trabalhadores dormindo dentro dos fornos de produção de carvão. O auditor-fiscal Roberto Mendes, que coordenou a inspeção trabalhista resultante na inclusão de Ademir Furuya na lista suja, chamou a atenção para a gravidade das condições a que os trabalhadores estavam submetidos. “É, sem dúvida, a pior situação que eu já encontrei em vários anos de trabalho atuando nesse tipo de ação de combate ao trabalho escravo”. publicado em http://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br

Cavalo Show


WAR ADMIRAL, HISTÓRIA DO TURFE

WAR ADMIRAL, HISTÓRIA DO TURFE

Albenzio Barroso - Heracleon

História do Turfe - Albenzio Barroso - Heracleon.jpg

Jet Craque Brasileiro

Jet Craque Brasileiro em Haras Russo onde atua como reprodutor.

Os aprendizes e a Escola por Milton Lodi

Habitualmente aos sábados e domingos, os Jockeys Clubs do Rio e de São Paulo promovem pela televisão um programa de informações e palpites para os programas daqueles dias. O do Rio leva 45 minutos, e o de São Paulo, mais completo e com informações até do exterior e, ainda, recebendo contatos de telespectadores. Tem 1 hora de duração. Foi em um desses programas que uma telespectadora se manifestou, chamando de “machista” a Comissão de Corridas por ter ela diminuído de 2 para 1Kg a descarga das joquetas. Alguns minutos depois, um conhecido proprietário de cavalos se manifestou, dizendo que só no Brasil há essa anomalia das mulheres levarem vantagem de peso dos homens.
Muitos aspectos desse assunto suscitam diversos enfoques. Em todas as atividades hípicas, sejam corridas, saltos, adestramentos, a disputa é sempre entendida entre os animais, e homens e mulheres, isto é, jóqueis e joquetas, correm de igual para igual, de acordo com as suas qualidades e técnicas. Só no Brasil há essa diferença nos pesos, inventada em função promocional. Os 2Kg de diferença eram demasiados, e no meu entender, a ser mantida uma vantagem de 1Kg para as mulheres, ela só deveria haver depois da fase de aprendizado, isto é, como aprendiz zero de vantagem e quem sabe 1Kg para as joquetas a título promocional, e olhe lá. Está na memória de todos, a enorme vantagem que levava a joqueta carioca Marcelle Martins, 6Kg quando aprendiz de 4ª, chegando a levá-la, como aprendiz, a ganhar até 4 páreos em um só programa de corridas, montando em quase todos os páreos, e chegando até ao topo da estatística geral dos jóqueis, e chegou à realidade, agora só levando 2Kg ou 1Kg, chegou ao seu devido lugar, o de uma boa joqueta, mas longe das altas esperas, passando a lutar, como a maioria dos jóqueis que não os astros, para ganhar um ou outro páreo. A minha opinião, como simples turfista, é de que, se é para dar alguma vantagem para as mulheres a título publicitário, só 1Kg e só depois de passar de aprendiz a joqueta. E quanto às categorias de aprendizes, 4Kg para os de 4ª (de zero a 5 vitórias), de 3ª de 6 a 20 vitórias, de 2ª de 21 a 45 vitórias e de 1ª de 36 a 50 vitórias, isso a contar da primeira corrida, com prazo limite de 2 anos a partir daí como aprendiz. Quem em 2 anos de atividades não consegue 50 vitórias, mesmo levando as vantagens de peso, ou passa a jóquei, a redeador ou muda de profissão, pois a Escola de Jóqueis, mais conhecida como Escola de Aprendizes, dá estudos, casa, comida, professores, instrutores, amparo médico inclusive com controle de alimentação, enfim, coloca à disposição dos aprendizes uma assistência muito especial. E, os meninos têm que corresponder, isto é, têm que estudar sob pena de, não obtendo notas satisfatórias nos estudos, serem suspensos. O Jockey Club Brasileiro dá o que pode, mas além da técnica de montar, os meninos têm que aprender a serem homens de bem, com um possível padrão de instrução. A Escola de Jóqueis é, antes e mais nada, uma escola de formação de caráter e de profissão. Aqueles que não quiserem estudar, não são obrigados a ficar na Escola de Jóqueis gozando das vantagens, que além de gratuitas, são importantíssimas para a formação de meninos em bons homens e profissionais competentes. Para não se enquadrar nas normas e regulamentos, basta desligar-se espontaneamente da Escola, solicitar matrícula no Jockey Club Brasileiro ou em outro clube promotor de corridas e, passar a pagar do próprio bolso as suas despesas. Aluno da Escola tem que estudar, e se não alcançar, pelo menos, as notas mínimas determinadas, tem que ser impedido de montar até que se enquadre na realidade. Eu sei que não é fácil para um menino que apesar de ainda inculto e despreparado para a vida, mas que por seus pendores técnicos já está ganhando dinheiro na profissão, ter que se submeter aos ditames da Escola. Mas não há o que discutir em relevar deslizes regulamentares. Ou o menino se enquadra, estuda e tira notas adequadas, ou fica suspenso, impedido pela Escola da assinatura de compromissos de montaria, pelo prazo que for entendido como conveniente. Só assim, com o rigor de um bom colégio, é que os meninos-aprendizes podem se transformar em homens-jóqueis. A responsabilidade do Jockey Club Brasileiro e de outras eventuais Escolas de Jóqueis, é maior do que se pensa. Há uma obrigatoriedade de formar bons cidadãos e competentes jóqueis, e o dinheiro do clube nesse setor, assim como em todos os outros, tem que ser bem aplicado. Um menino ignorante e deseducado, vamos dizer assim, tem oportunidade ímpar de preparar-se para a profissão, mas não basta montar bem, a Escola de Jóqueis não é um simples curso profissionalizante, é um colégio instrutivo, educativo, formador de bons cidadãos, e que também custeia aqueles que podem vir a serem bons profissionais. A Escola tem que agir com rigor, quem por ignorância ou burrice não aceita os seus ditames, tem que ser impedido de montar e quem não estiver satisfeito que saia da Escola espontaneamente. A Escola não é uma prisão, mas tem regras e normas que têm que ser respeitadas. Um dia, aqueles jóqueis que se formaram pela Escola, certamente, vão agradecer o rigor a que tiveram que se submeter.

domingo, 30 de dezembro de 2012

Páreo do Pirú

nesta segunda, dia 31/12, as 10,30 horas no Jockey Club Pernambucano, Hioódromo da Madalena, o Turfe mais alegre do Brasil promove o PÁREO DO PIRÚ, imperdível

A R Napravnik

A R Napravnik

SECRETARIAT

SECRETARIAT

Show de Foto

por Prayer Of The Horse

O desejo

"O desejo que nós - seres humanos - temos de amar é infinito, precisamente pq amamos a nós mesmos com um amor sem limites. O ser vivo ama a si mesmo , jamais cessa de desejar para si o bem.E desejá-lo sem limites.Este bem não é outro senão o prazer.Mas, qualquer prazer,conquanto grande ou real, possui limites.O prazer verdadeiro é sempre inferior ao desejo.Quando os seres humanos conquistam algo, visto que, em essência, se amam sem limites,este algo mais igualmente não lhes basta.
O prazer é sempre passado ou futuro, jamais presente.Da mesma forma que a felicidade é sempre alheia. Não pertence a ninguém. Ou sempre é condicionada e jamais absoluta. A Felicidade ou é Lembrança ou é Esperança. " Leopardi

O Cavalo de Leonardo Da Vinci

San Siro, em Milão, é onde se disputa a carreira mais importante da Itália, o Gran Premio di Milano-Grupo 1, prova já vencida por Ribot e Nearco, para citarmos apenas dois “monstros sagrados”. O grande destaque do hipódromo é aquela que é a maior estátua equestre do mundo, o chamado “cavalo de Leonardo”, uma homenagem a Da Vinci concluída há pouco mais de 10 anos, a partir de um projeto dele de 1482. Com mais de 7 metros de altura, 9 de comprimento e 15 toneladas, é um monumento deveras impressionante, que faz jus à genialidade de seu autor.
O hipódromo de San Siro (nome de um santo cuja igreja ficava nos arredores) situa-se do outro lado da rua do estádio compartilhado pelos times da Inter de Milão e do A.C. Milan, 2 dos maiores clubes de futebol do mundo. Fica num bairro residencial, há cerca de 12 quilômetros dos muros medievais da cidade. por Mário Sérgio Silveira Márquez Jornmal do Turfe .......................

sábado, 29 de dezembro de 2012

FELIZ ANO NOVO

FIM DO MUNDO

* Acerto final no “Cemitério PT do Além”: dinheiro na cueca, na meia, no caixão. Qualquer semelhança caseira com o “mensalão” é mera coincidência (charge de Diniz Bonilauri) * Escrevo hoje, dia 20, pois amanhã, dia 21, poderá ser tarde demais. Eu pessoalmente não acredito no “Grande Finale”, mas já que o Rizzon insiste, obedeço e escrevo na véspera... * A prevalecer o “Fim do Mundo” dia 21, sexta-feira, dezembro de 2012, o “Jornal do Turfe” vai virar pó antes mesmo de ser impresso. Bobagem. * Com o fim do mundo, os fraudadores da “Assembleia dos Defuntos” ficarão cara a cara no “Além” com aqueles eleitores que, mesmo mortos, foram parar na polícia... * O “Fim” isentará de continuidade investigativa a Comissão de Sindicância para desvendar o óbvio: no doping dos 4 cavalos, o inocente mesmo era o treinador!. * Também pouco adiantará ao Shopping do Jockey derramar mais lágrimas pelo alvará, há meses, empacado, lá na Prefeitura, como um mangalarga de 600 quilos. * “El Fin Del Mundo” poupará, na eleição de março de 2013, os “500 sócios piratas” na procura da “urna fantasma” pois, nessa eleição, só defuntos votarão outra vez. * E quem reclamava que as corridas eram poucas, uma ou duas por mês, achando que isso seria o fim do mundo, acertou em cheio. Agora, talvez, nenhuma mais. * E o juiz que decretou a “urna pirata” e o “presidente oculto” terá de provar do mesmo veneno, no céu ou inferno, com a “diretoria fantasma” que apoiou. * E o Rizzon que jurou nunca mais pisar no Hipódromo do Tarumã, enquanto lá existissem inimigos canalhas, continua sem saída com ou sem fim do mundo. * E, com o fim do mundo, adeus às retaliações, suspensões sem defesa, ameaças de morte, falta de respeito à ética e o objetivo único e inescrupuloso pelo poder. * E, se tempo houver, que a carapuça caiba direitinho nas cabeças de altos e baixos; gordos e magros; sóbrios e bêbados de todos os sexos onde estejam: vivos ou mortos. * Enfim, hoje dia 20, no hipotético último “Cavalo Branco” é constrangedor ver uma sociedade civil de 139 anos, sem fins lucrativos, gestada por estranhos, “donos do Jockey”, com outros fins. * É realmente, no mínimo, covarde a passividade de uma oposição consciente da vergonhosa situação, porém, “Quosque tandem Catilina, abutere patientia nostra!” * Que fim do mundo, que nada! Fim da picada mesmo! por Luiz Renato Ribas Jornal do Turfe

Kincsem 54 Vitórias, Tesouro Imortal

Enquanto ainda ecoam pelo mundo afora os feitos e glórias do extraordinariamente invicto Frankel, ganhador de 14 provas em 14 atuações (todas na Inglaterra, dos 1.400 aos 2.000m) e justamente cantado em verso e prosa como um dos maiores cavalos de todos os tempos, talvez seja apropriado relembrarmos a fantástica história de um outro invicto, ou, melhor dizendo, invicta. Certamente pelo fato de ter morrido há exatos 125 anos, é possível que pouca gente saiba de sua quase inverossímil saga, mas, se recordarmos que ela foi igualmente invencível, mas em 54 (isto mesmo: cinquenta e quatro) atuações, em 5 (cinco) países diferentes, dos 1.500 aos 3.200m, enfrentando a nata da Europa ao longo de uma campanha que aos 3 anos já englobava 27 saídas (e, evidentemente, 27 vitórias) é de se imaginar alguma curiosidade entre os turfistas.
Este animal fabuloso, mítico, chamou-se Kincsem, que, em sua língua nativa, o magiar, significa “meu tesouro”. Ela tinha ainda mais uma coisa em comum com Frankel: nunca viajava sozinha, pois adorava a companhia de um gato, cujo nome era... Frankie! Visitar o Kincsem Park em Budapeste, o maior hipódromo da Hungria, local onde sua estátua de bronze é venerada e está sempre rodeada de flores, e o Museu Kincsem em Tapioszentmarton (local de seu nascimento, há 1 hora de carro de Budapeste) para ver de perto a farda que envergou, seu cabresto e até o cocho onde comeu, e assim conhecer um pouco da história deste fenômeno, foi certamente uma aventura especial e diferente. Em sua 1ª campanha, aos 2 anos, Kincsem atuou 10 vezes, em 10 diferentes hipódromos, situados na Hungria, Alemanha e Áustria, vencendo com facilidade estes compromissos. Aos 3 anos ganhou outras 17, todas clássicas, inclusive o que seriam para nós as 2 Tríplices Coroas (aquela exclusivamente para fêmeas e a aberta, enfrentando os machos), e novamente competindo em 3 países. Aos 4 anos, depois de outra série de êxitos nobres, para surpresa daqueles que pensavam que ela não teria o mesmo sucesso nas pistas dos 2 maiores centros turfísticos do mundo, Kincsem fez como César na Gália: foi, viu e venceu! Ela conquistou a Inglaterra (Goodwood Cup) e a França (Grand Prix de Deauville) com novos triunfos clássicos, que somados ao GP de Baden-Baden (maior prova alemã) e à 3ª vitória no Oaks Húngaro em sua despedida, coroam um race-record jamais igualado em todo o mundo. Nome - e não apenas na Hungria - de hipódromo, museu, fazendas, praças, restaurantes, hotéis e peças de teatro (há também um filme sendo produzido sobre ela) Kincsem é, ainda hoje, uma lenda. E, se nas pistas ela atingiu a perfeição como nenhum outro PSI da história, e um recorde de 54 vitórias de forma invicta - que provavelmente jamais será batido (aliás, são raríssimos os animais de ponta que chegam quiçá a correr um terço disso atualmente). por Mário Sérgio Silveira Márquez Jornal do Turfe

RIBOT, HISTÓRIA DO TURFE

RIBOT, HISTÓRIA DO TURFE

SADLERS WELLS

SADLERS WELLS

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Cavalos Show

foto Zara

Voglia Buona foi a vencedora do Clássico Presidente João Tobias Aguiar 2012


corrido, num sábado, 07/01, Voglia Buona com direção de Waldomiro Blandi e preparo de Gilson Borba foi a vencedora do Clássico Presidente João Tobias de Aguiar

Visionaire vencedor da Prova Especial Rafael de Barros Filho - 08.01.12


Visionare levado pelas mãos de Vagner Leal e apresentado por Paulo henrique Lobo foi o vencedor da Prova Especial Rafael de Barros Filho, disputada em 08 de Janeiro no Hipódromo Paulistano

Antisocial vencendo a PE. Eulógio Morgado, Gávea


Disputado em 08 de Janeiro a Prova Especial Eulógio Morgaro teve como vencedor o Potro Antisocial, dirigido por Marcelo Cardoso e apresentado pelo Treinador Dulcino Guignoni

foto Gerson Martins

HIPNOCTICADA VENCEDORA DO CLÁSSICO ABERTURA DA TEMPORADA CLÁSSICA 2012


HIPNOCTICADA VENCEDORA DO CLÁSSICO ABERTURA DA TEMPORADA CLÁSSICA 2012,CORRIA PRINCIPAL DA REUNIÃO DE 05/01/2012 NO CRISTAL
JOCKEY CRISTIANO MACHADO, TREINADOR MANUEL DUARTE

Nashville Speed vemcedora da Prova Especial Nuvem - 07.01.12


Nashville Speed con Jean Pierre e treinamento de Roberto Morgado Junior foi a vencedora da PE Nuvem disputada em 07.01 na Gávea

Uluri - PE Eleutério Prado 07.01.2012


Uluri com Ivaldo Santana, treinada por José Alamos foi a vencedora da Prova Especial Eletério Pardo, disputada em 1000 metros de grama macia, na tarde de sábado,06/01/2012 em Cidade Jardim.uma tarde de sábado- PE Eleutério Prazo 07.01.2012

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Brujo de Olleros vencedor do Gran Prêmio Pedro Piñeyrúa 2012 - Moroñas


Burjo de Olleros com Carlos Vigil venceu com grande facilidade Gran Prêmio Pedro Piñeyrúa 2011 disputado numa sexta feira 06.01 em Moroñas.

Ponei

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Cristal, Informativo com montarias para as corridas do dia 27 de dezembro de 2012

26ª Corrida em 27 de Dezembro de 2012(Temporada 2012/2013) - Quinta-Feira 1º Páreo às 16:00 - 1.400(Grama) R$ 1.800,00 - Exata/Trifeta 1 Buonano..................... J.A.Rodrigues.............. 55.... 1 2 Opera Glasses.............. E.Lima......................... 56.... 2 3 Energia Campestre........ B.Santos (ap.2)............ 58.... 3 4 Real Estate.................. M.S.Barreto (Pel).......... 58.... 4 5 Astro do Faxina........... J.Mouta...................... 57.... 5 6 Halcon Loiro................ D.Paz.......................... 57.... 6 2º Páreo às 16:35 - 1.500(Grama) R$ 2.200,00 - Exata/Trifeta 1 Agitatore (P1)............. H.F.Santos.................. 56.... 1 2 Espumon.................... B.Santos (ap.2)............ 56.... 2 3 Right Handed.............. M.B.Souza (ap.2)......... 56.... 3 4 Il Brutto...................... M.B.Costa................... 56.... 4 5 Abrafo Athos............... L.Souza....................... 56.... 5 6 Hot Who (P1)............. J.Mouta...................... 56.... 6 7 Abonatto.................... Y.Toebe (ap.1)............. 56.... 7 3º Páreo às 17:05 - 1.500(Grama) R$ 2.200,00 - Exata/Trifeta Início do Pick 8 1 Infusão de Café............ C.Machado.................. 56.... 1 2 Dattore (P1)............... L.Conceição................. 56.... 2 3 And Now Forever......... A.Nascimento (ap.1)..... 56.... 3 4 Innamorata Mia............ M.B.Costa................... 56.... 4 5 Ironia Academica.......... J.Mouta...................... 56.... 5 6 Valsa Vienense............ D.Paz.......................... 56.... 6 7 Allusive Band (P1)...... Y.Toebe (ap.1)............. 56.... 7 4º Páreo às 17:40 - 1.300(Areia) R$ 1.800,00 - Exata/Trifeta 1 Melon Deed................. L.Conceição................. 57.... 1 2 Ekovantch (P1)........... Lu Andrade (ap.2)......... 57.... 2 3 Firewall....................... Y.Toebe (ap.1)............. 57.... 3 4 Giant Flame................. C.Machado.................. 57.... 4 5 Forte do Sul................ M.B.Souza (ap.2)......... 57.... 5 6 Panamericano.............. J.A.Rodrigues.............. 57.... 6 7 Garib (P1).................. M.B.Costa................... 57.... 7 5º Páreo às 18:10 - 1.300(Areia) R$ 1.800,00 - Exata/Trifeta 1 Magic Music................ D.Medina..................... 58.... 1 2 Olympic Garden........... L.Conceição................. 57.... 2 3 Mister President........... Y.Toebe (ap.1)............. 57.... 3 4 Ke Magical.................. M.B.Souza (ap.2)......... 54.... 4 5 Comandante Sulista...... J.A.Rodrigues.............. 58.... 5 6 Lakers......................... M.B.Costa................... 57.... 6 7 Café Preto................... A.Gantz....................... 57.... 7 6º Páreo às 18:40 - 1.300(Areia) R$ 1.800,00 - Exata/Dupla/Quadrifeta Início do Betting 5 1 Liz Help...................... A.Nascimento (ap.1)..... 58.... 1 2 Big Inalcançável........... J.Mouta...................... 57.... 2 3 Uma Gostosura (P1).... F.Oliveira..................... 54.... 3 4 Blu Di Torrential........... L.Conceição................. 57.... 4 5 Águas de Março (P1)... D.Paz.......................... 57.... 5 6 Secretária.................... M.B.Souza (ap.2)......... 57.... 6 7 Ukraine Princess........... B.Santos (ap.2)............ 58.... 7 8 Korinne....................... Y.Toebe (ap.1)............. 58.... 8 7º Páreo às 19:10 - 1.500(Grama) R$ 2.200,00 - Exata/Dupla/Quadrifeta 1 Art Of War.................. L.Conceição................. 56.... 1 2 Mila D’Eyjur................ J.Mouta...................... 56.... 2 3 Itabuna....................... C.Machado.................. 56.... 3 4 Ubiraquá..................... A.Nascimento (ap.1)..... 56.... 4 5 Supermaria.................. H.F.Santos.................. 56.... 5 6 Impostora.................... M.B.Costa................... 56.... 6 7 Emoção Demais........... Y.Toebe (ap.1)............. 56.... 7 8 Ipotó.......................... J.A.Rodrigues.............. 56.... 8 8º Páreo às 19:45 - 1.400(Areia) R$ 1.800,00 - Exata/Dupla/Quadrifeta 1 Hecho A La Mano........ M.B.Costa................... 57.... 1 2 Sambador................... W.P.Silva.................... 58.... 2 3 Efêndi do Sissi............. D.Paz.......................... 58.... 3 4 Que Public.................. A.Nascimento (ap.1)..... 58.... 4 5 Joystick...................... Y.Toebe (ap.1)............. 58.... 5 6 Nobre do Pampa.......... J.A.Rodrigues.............. 57.... 6 7 Emblema Real.............. C.Machado.................. 58.... 7 8 Gallardo...................... M.B.Souza (ap.2)......... 58.... 8 9 Escrow....................... J.Mouta...................... 58.... 9 10 Nisio.......................... B.Santos (ap.2)............ 58.. 10 9º Páreo às 20:15 - 1.300(Areia) R$ 1.800,00 - Exata/Dupla/Quadrifeta 1 Fruta Proibida.............. M.B.Souza (ap.2)......... 53.... 1 2 Indiana do Ipê (P1)...... D.Paz.......................... 54.... 2 3 Quota Famous............. B.Santos (ap.2)............ 54.... 3 4 Sonata Nostra.............. J.Mouta...................... 51.... 4 5 Linha Dois................... A.Gantz....................... 53.... 5 6 Faca Amolada (P1)...... C.Machado.................. 54.... 6 7 Flor Purpura................ M.B.Costa................... 54.... 7 8 Larazanha.................... W.P.Silva.................... 53.... 8 9 Expert Queen............... Y.Toebe (ap.1)............. 58.... 9 10º Páreo às 20:50 - 2.000(Grama) R$ 3.200,00 - Exata/Dupla/Quadrifeta CLÁSSICO PRESIDENTE JOSÉ PINHEIRO BORDA - ENCERRAMENTO 1 Fort’Inter (P1)............. L.G.Acosta................... 59.... 1 2 Agyness..................... A.Gantz....................... 51.... 2 3 Piet The Pot................ M.S.Barreto (Pel).......... 59.... 3 4 Agasias...................... J.A.Rodrigues.............. 59.... 4 5 Acto Uno.................... N.Silva........................ 53.... 5 6 Gold Seal.................... A.Nascimento (ap.1)..... 59.... 6 7 Joint Chief.................. D.R.Freitas (Pel)............ 59.... 7 8 Boy Cott (P1)............. L.Conceição................. 59.... 8 9 Force To Force............ C.Machado.................. 59.... 9 10 Silver Arrow................ J.Mouta...................... 59.. 10 11 Hermano Lô................. M.B.Costa................... 59.. 11 12 Zeuss Cometa (1ºSupl.) E.S.Teixeira................. 59.. 12 13 Gole de Cerveja(2ºSupl.). Y.Toebe (ap.1)............. 55.. 13 14 Duchess Drive(3ºSupl.). H.F.Santos.................. 57.. 14 15 Super Machine(4ºSupl.) D.Medina..................... 59.. 15 Porto Alegre, 19 de Dezembro de 2012

Jockey Club Brasileiro, Sugestões ao Presidente da Comissão de Corridas do Jockey Club Brasileiro

Na última semana, foi publicada no site oficial do Jockey Club Brasileiro, uma entrevista do presidente da Comissão de Corridas, Dr. Luiz Fernando Alencar. Apesar de pouco esclarecedora, a entrevista mostra uma nova atitude, louvável por sinal, do Dr. Luiz Fernando Alencar, quando o mesmo afirma, ao deixar seu recado final, que "a Comissão de Corridas está sempre aberta a receber sugestões de todos os interessados e agradece o acompanhamento semanal de um membro da Associação dos Profissionais do Turfe na confecção dos programas". A afirmada surpresa na mudança de comportamento se deve principalmente a dois eventos: há cerca de um mês, houve uma tentativa de retirada do presidente da APTJARJ da formação dos programas, o que, depois de muita discussão acerca do assunto, acabou se transformando em um rodízio de membros da APTJARJ. Além disso, a questão de abertura a sugestões também parece ser novidade, uma vez que, no dia 01/07/2012, a diretoria da ACPCPSI reuniu-se com o Presidente da CC e alguns de seus comissários apresentando uma pauta de 15 sugestões, várias delas sem custo nenhum para o Jockey Club Brasileiro. De todas as sugestões apresentadas, NENHUMA foi atendida, o que gera diversas dúvidas sobre o real interesse que a Comissão de Corridas do Jockey Club Brasileiro tem de recebê-las. Dentre as sugestões, encontravam-se: - A divulgação diária dos comissários de plantão através da TV oficial do Jockey Club Brasileiro, antes do início das corridas; - A divulgação, por escrito, através das resoluções da Comissão de Corridas, de relatório com justificativa em casos de reclamação e/ou sindicância, com criação de banco de dados para arquivamento (durante a apresentação dessa sugestão, foi solicitado pelo Presidente da Comissão de Corridas, Dr. Luiz Fernando Alencar, um só hipódromo no mundo que tivesse este tipo de procedimento. Foram enviados mais de 10 modelos que são adotados pelos hipódromos de Cingapura, Hong Kong, Austrália etc); - A promoção de cursos/workshops, organizado pelo JCB, com o intuito de esclarecer aos jóqueis e treinadores seus direitos e deveres, estabelecidos no Código Nacional de Corridas, com a necessidade do comparecimento para a renovação das matrículas para a temporada 2012/2013; - A criação e a divulgação de uma tabela com limites máximos de substâncias proibidas, baseado em estudos científicos e consultas a renomados veterinários / químicos; - A participação efetiva de um membro da ACPCPSI na confecção do projeto de inscrições; a divulgação e o cumprimento de um horário específico (sugestão: fim do "um minuto", início de "apostas abertas") para anúncio dos compradores - mesmo que não haja o que anunciar - dos páreos de claiming, dando maior publicidade aos licitantes e arrematantes nos páreos de claiming. - A melhora de comportamento/postura/interatividade do programa Turfe Espetacular (sábados e domingos) e do aproveitamento do tempo no programa de TV, nas 4ªs feiras às 19 horas, no canal 13 da NET. - Análise, reparos e melhorias da iluminação das pistas. - Criação de um grupo de trabalho para estudar e propor soluções para os problemas do turfe. O grupo deverá ter participação de sócios do JCB, membros da ACPCPSI, da APTARJ, e quantos membros foram necessários da diretoria do JCB. É uma pena que as sugestões apresentadas pela ACPCPSI foram todas rechaçadas, inclusive de maneira rude, pelo Presidente da CC. Diante disso, tivemos que acompanhar, durante esses sete meses de administração várias situações desagradáveis como: - O caso do "forfait" no qual o cavalo (Notorius Big) correu e chegou colocado em quarto lugar. - O caso - gravíssimo e seriíssimo - da fuga, na calada da noite, de animais de um CT em caso que envolvia o mormo e que não mereceu nenhum tipo de punição, terminando em pizza maior do que a do CPI do Cachoeira. - A não apuração de supostos casos de doping - abafados na gestão passada -, quando somente uma pessoa do JCB detinha o controle do recebimento das comunicações do Laboratório contratado. A não averiguação de TODOS os e-mails enviados. - A não abertura de sindicância para apuração da declaração pública do Sr. Sergio Coutinho Nogueira de que o Laboratório Antidoping, contratado pelo JCB, não possuía os reagentes necessários para a identificação de substância proibida e que iria ocasionar a suspensão de dois treinadores que não se dispuseram pagar R$ 2.500,00 para a contraprova. - O consentimento de aceitar patrocínio da CODERE. - Não tomar nenhuma providência sobre as notas fiscais frias da CODERE, que ensejou ação da Polícia Federal. - Não ter colocado uma só lâmpada nos mais de 35 refletores queimados das pistas de corrida. - Erros crassos quanto a não manutenção da pista de grama - devido ao resultado da medida do penetrômetro (variação de 0,1 do limite) - feita cerca de quatro horas antes do início das corridas, em dia de céu limpo e sol forte, prejudicando significativamente o MGA. - As péssimas chamadas de páreos (continuando com o copia-cola), ignorando as sugestões da ACPCPSI e da APTJARJ. - Os páreos que são formados e nos quais, surpreendentemente, aparecem animais inscritos após o fechamento das inscrições. - Os privilégios quando da apuração dos animais inscritos (ligações para amigos privilegiados inscreverem em páreos vazios e até em provas clássicas com pouca inscrições). - Não analisar de forma fria e realista a evolução do MGA. - A política absurda implantada na Escola de Aprendizes deixando apenas UM aprendiz (Fausto Henrique) apto a assinar montarias no mês de Janeiro de 2013, como alertado pelo Raia Leve no dia 29/11/2012, em matéria intitulada "Ausência de planejamento pode acarretar falta de aprendizes no JCB" (embora não tenham cumprido o regulamento, os aprendizes G. Araújo e Juan Gomes ainda não foram desligados, contrariando o CNC). - O descompromisso em não reabrir a clínica odontológica da Escola de Aprendizes, que além destes atendiam aos 500 alunos da escola primária e que poderia também atender cavalariços e profissionais do turfe por custo ínfimo. - O descontrole no gerenciamento da empresa que "administra" a água captada no rio dos Macacos (Jardim Botânico) e pela ilegalidade, pois não toma providências para obter a outorga junto ao INEA. - A falta de compromisso em reabrir o Armazém das Vilas Hípicas, o que pode reduzir em até 17% o custo da ração (aveia e alfafa). - O total descontrole do que acontece nos centros de treinamento, que são uma extensão do JCB. - A forma inadvertida de em quatro dias querer regularizar todas as pessoas das Vilas Hípicas, barrando proprietários de acessarem o local só porque não portavam a carteira de proprietário. - Barrar turfistas e proprietários sem ao menos criar um procedimento e um prazo adequado, criando constrangimento às pessoas barradas. - Distribuir cocheiras e casas sem divulgação dos critérios adotados para as concessões, dando margem a comentários de protecionismo e de favorecimento. - Continuar com os mesmos erros da administração passada, como, por exemplo, não modificar o horário do primeiro páreo com a entrada em vigor do horário de verão, impondo aos animais um sacrifício maior de exposição ao calor e podendo prejudicar os apostadores. - Não cumprir a promessa de reduzir a taxa de transferência e de adoção de medidas incentivadoras mais favoráveis para proprietários de cavalos se tornarem sócios. Para concluir, a ACPCPSI sinceramente espera que a entrevista do presidente da Comissão de Corridas do Jockey Club Brasileiro, publicada no site oficial do clube, represente uma mudança de comportamento e de atitude, a fim de que o turfe carioca possa, finalmente, começar a sair dos 12 anos de abandono e de escuridão em que viveu. copiado do site www.raialeve.com.br

Alemanha: a caminho de Frankel, Danedream tem campanha oficialmente encerrada

Ao apagar das luzes em 2012 foi oficializada a despedida das pistas de uma das melhores éguas vistas em ação nas pistas européias, nos últimos anos. Danedream, 4 anos, filha de Lomitas e Danedrop (Danehill), de criação de Gestüt Brümmerhof e propriedade deste com Teruya Yoshida, dona de 8 vitórias em 17 apresentações, e mais de 3 milhões de euros em prêmios, deverá ser embarcada para a Inglaterra nas próximas semanas, onde iniciará a sua carreira de reprodutora sendo coberta por ninguém mais, ninguém menos, que Frankel. Depois disso, seu destino será o Japão.
Adquirida pela bagatela de 9 mil euros quando potranca, Danedream já tratou de mostrar serviço logo aos 2 anos, estreando com vitória em Wissenbourg, na França, em junho de 2010. Nesta mesma idade, a pensionista de Peter Schiergen argolou, ainda, algumas colocações clássicas para, aos 3 anos, revelar-se um elemento notoriamente diferenciado. Na respectiva temporada, após levantar o Oaks D’Italia (Gr.II) e o Grosser Preis Von Baden (Gr.I), Danedream encantou a todos com a sua vitória, em recorde para a prova, no Prix l’Arc de Triomphe (Gr.I).
O sucesso da corredora da prova máxima do turfe francês, contudo, restou contestado por muitos, haja vista fracassos posteriores ocorridos na Japan Cup (Gr.I) e no Grand Prix de Saint-Cloud (Gr.I). Estes mesmos céticos perderam forças, porém, quando Danedream bateu Nathaniel no King George VI & Queen Elizabeth (Gr.I) deste ano, emplacando, assim, a “dobradinha” nas duas mais importantes provas do turfe europeu, abertas a animais de mais idade. Bicampeã do Grosser Preis Von Baden (Gr.I) no último mês de setembro, Danedream, já em preparativos para tentar o bicampeonato no “Arco”, protagonizou um drama que viria a impedi-la de retornar a Longchamp: um quadro de anemia infecciosa, detectado em Cologne, onde justamente Danedream estava alojada, fez o hipódromo sofrer um bloqueio sanitário, e as restrições da quarentena tiraram Danedream de combate. Havia ainda, na programação original do staff por de trás da corredora, o objetivo de vê-la participar da Dubai Sheema Classic (Gr.I), no próximo mês de março, em Dubai, mas por uma preferência de Teruya Yoshida, a campanha de Dandream foi encerrada antecipadamente. “Nós somos extremamente gratos por todas as experiências que a Danedream nos rendeu. Ela representou um grande chamariz para o turfe alemão, e nós gostaríamos de agradecer a todos que estiveram, de alguma forma, envolvidos com ela, possibilitando que o sonho virasse realidade. Ela jamais será esquecida”, declarou Peter Schiergen, por ora em férias nos Estados Unidos. por Victor Corrêa www.raialeve.com.br

DOPINGS: JÁ PRA POLÍCIA!

* A história dos dopings continua enrolada, tanto quanto a vontade de desatá-la, pois, até agora, a CS caminha a passos mais lentos que o esperado. * Assim também pensa a CCCCN (Comissão Coordenadora da Criação do Cavalo Nacional) que esteve, na semana passada, aqui “in locun”. * A chefe do setor, em Brasília, Raquel Caputo enviou à Curitiba o fiscal Luiz Otavio Amaro da Silveira e mais dois colegas, para saber das “novas”. * “Novas” da Comissão de Sindicância instalada para apurar os responsáveis pelos quatro dopings ainda não esclarecidos. Nada. * A comissão integrada por comissários, veterinários, treinadores, criadores, chefiada pelo diretor Antonio Zeni se reuniu até agora apenas 3 vezes. * Até agora apenas foi colhido o depoimento do veterinário Garotti, que nada acrescentou ficando quase tudo como dantes. * E o treinador dos 4 dopados, de posse de liminar, continua exercendo a profissão no Tarumã, portanto pode depor e sustentar sua inocência. * Da mesma forma os proprietários dos cavalos dopados já deveriam ter sido ouvidos, independente de serem diretores da entidade. Não foram. * Aliás, ambos se dizem “indignados” com o fato, então, nada mais justo que esclareçam que são vítimas e não réus, como possam parecer. * Enfim, os fiscais do Ministério da Agricultura retornaram à Brasília com três magérrimas atas da pouco experiente Comissão de Sindicância. * O escândalo dos dopings não chegou de graça à Brasília, nem à Associação Brasileira dos Criadores e ao Conselho Regional de Veterinária. E a polícia? * Se desde o início, sabia-se que era um “Caso de Polícia”, por que essa vergonha nacional não tem, ainda, um BO no distrito policial respectivo? * Interpelar treinadores ou jóqueis, por performances irregulares, é uma experiência comum da Comissão de Corridas. Mas doping é crime. * Crime sujeito a penalidades previstas no Código Penal e não simplesmente só aos artigos e parágrafos do Código Nacional de Corridas. * Se para punir, ou pelo menos para esclarecer o escândalo dos dopings, não será, com certeza, tarefa da bem intencionada Comissão de Sindicância. * Não se duvida da boa vontade, tanto do presidente quanto dos voluntários convocados, mas se exige tempo e experiência para tal. * Estamos entrando nas festas de fim de ano e férias familiares, logo haverá desculpas suficientes dos sindicantes que a Polícia, neste caso, não daria. * Cá entre nós, nesses 139 anos do JCP, foram poucas as comissões sindicantes instaladas, mesmo quando o assunto foi doping. * Se o escândalo dos 12 cavalos dopados do Governador Lupion, em 1953, fosse parar na Polícia o resultado não teria sido 5x4 a seu favor. * Longe de nós esperarmos que seja mais um caso escabroso a terminar em Pizza, como a abominável “Assembleia dos Defuntos”. * Prezados Zeni e “Cresinho”, se realmente a promessa é ir as “últimas consequências”, então, que não se perca mais tempo: já pra polícia! POR Luis Renato Ribas www.raialeve.com.br

Odélia Paim

Respondendo a uma pessoa curiosa
Alguém teria questionado o porque de estarmos defendendo a senhora Odélia e o que teríamos haver com isso, assim narrou uma testemunha, funcionário do JCB, que teria ouvido de um diretor do clube (uma pessoa infeliz) comentário pejorativo com relação a minha postagem no Raia Leve que foi contraria ao procedimento para com a viúva do senhor Almiro, contrária a forma, sobretudo. Faço parte de um grupo chamado “Cantareiros”, já bem conhecido no meio assistencial, formado por atores do teatro musical que há muitos anos desenvolve em parceria com a Prefeitura da cidade do Rio de Janeiro um trabalho filantrópico, de cunho estritamente social, junto a várias instituições públicas e privadas: hospitais para tratamento de câncer (Adulto e infantil), orfanatos, centros de tratamento intensivo e também asilos, tentando levar um pouco de amor e carinho regados a música, alegria e muita solidariedade. A Internet e as redes sociais estão repletas de vídeos referentes a este trabalho que tenho orgulho de co-liderar e participar ativamente como voluntária e patrocinadora dedicando muito do meu tempo para servir a um ideal que já faz parte do meu DNA. Cada vez que chego a uma instituição (já que muitos doentes e acompanhantes me são totalmente familiares) rezo para encontrá-los bem vivos como foi o caso recente do Pedrinho internado já há dois anos em tratamento de um de câncer muito agressivo. Dona Carolina, por exemplo, com 106 anos, levanta e dança cada vez que vamos visitá-la, ninguém pode imaginar a alergia dela quando é avisada da nossa chegada. Ontem eu estive novamente com o Gustavo cuja mãe encontra-se muito doente internada há meses, e ele me disse quando me despedi: - Tia, você volta amanhã? Para o tal “curioso” que não entende como que alguém pode se importar com a senhora Odélia, ex-professora da Escola do JCB, viúva do senhor Almiro Paim, ambos com amplo histórico de dedicação ao clube, disponibilizo um link em que tive a oportunidade de captar as imagens do alto, no Lar de Nazareth, mostrando algumas senhoras que, tal como Odélia, receberam uma espécie de “ordem de despejo” de alguma instituição ou de alguma família, pobre de situação financeira ou de espírito, o fato mais recorrente. Fico pensando se entre elas, por ironia, não se encontra alguma aparentada do referido “diretor”, favorável ao descarte cada vez que a idade avançada bate à porta de um ser humano. por Jéssica Dannemann www.raialeve.com.br

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Cavalo Show


Sinval Domingues de Araújo é destaque entre os proprietários

Único com três vitórias na semana pré-natalina, Sinval Domingues de Araújo foi o destaque entre os proprietários matriculados no turfe carioca. O Stud Alvarenga (líder absoluto da estatística de proprietários do Hipódromo da Gávea), o Stud Amigos da Barra, o Haras The Best e o Haras Estrela Energia conseguiram vencer dois páreos, cada. O Hars Estrela Energia também se destacou pelo fato de entre suas duas vitórias estar a obtida pelo potro Energia Eros na Prova Especial Daião. da Redação www.raialeve.com.br

Anderson Paiva dá as cartas nas corridas pré-natalinas

Aprendiz
O aprendiz Anderson Paiva foi o grande destaque da semana pré-natalina, no turfe carioca. Dos 31 páreos realizados, faturou seis, ou seja, quase 20% do total. Marcelo Almeida, que voltou às atividades normais há poucas semanas, foi outro que teve boa participação, passando na frente em quatro oportunidades. Carlos Lavor, Marcello Cardoso e Rodrigo Salgado venceram três provas, cada, sendo que Salgado ainda foi o piloto de Energia Eros (Haras Estrela Energia), vencedor da Prova Especial Daião. Dalto Duarte, Henderson Fernandes, Vagner Borges e Marcelo Soares conseguiram dois triunfos, cada. De acordo com os últimos resultados, D. Duarte (107 vitórias) segue na liderança da estatística de jóqueis. Seguido de H. Fernandes (92). Em terceiro, C. Lavor (81), com M. Cardoso e V. Gil empatados na quarta colocação, cm 74 vitórias. da Redação www.raialeve.com.br

Criação: australianos decidem pela rejeição da inseminação artifical

Em que pese todos os esforços do criador e bookmaker, Bruce McHugh, não foi desta feita que a Australia alterou a legislação de suas corridas, em relação à pauta da inseminação artificial. Nesta semana, o juiz Alan Robertson decidiu pela não alteração nas regras relativas à reprodução, para os criadores do país.
O processo, que ultrapassou as 360 páginas, e demorou 13 meses para chegar ao fim, apresentou diversas argumentações por parte de McHugh, principalmente no sentido de que a inseminação artifical não apresentaria caráter de anti-comercial, ou então anti-competitivo. O magistrado, por outro lado, sustentou a sua decisão com base, dentre outros aspectos, nos perigos de desestabilização que a medida poderia trazer para o esporte local. Contrária à legalização, a Australian Racing Borard teve tal posicionamento explícito, diante da declaração de seu chefe executivo, Peter McGauran. “O caso está liquidado, e eu me sinto aliviado. Este caso levou um longo tempo para ser resolvido, tendo sido bastante debatido. É positivo para a criação que as nossas regras, que serviram de parâmetro por mais de 200 anos, não apresentem sinais de anti-desportividade, ou venham a ferir as práticas negociais do meio”, concluiu. por Victor Corrêa www.raialeve.com

Detalhes e recordações, por Milton Lodi

Como em tudo nessa vida, o sucesso também tem que ter uma dose de sorte. Na verdade, sorte parece procurar os vencedores, aqueles que não fazem somente por fazer, mas que procuram com inteligência, esforço e trabalho qualificado o melhor possível resultado. A corrida de cavalos é uma competição muito complexa e qualificada, depende de múltiplos fatores, e para o melhor vencer ele tem que exibir a sua superioridade. Isso pode ser exemplificado de modo simples. Um cavalo melhor, digamos como exemplo, um segundo melhor que a turma que vai enfrentar não pode correr menos do seu habitual, tem que estar preparado para correr do que pode e marcar um tempo melhor que os dos adversários. Se correr apenas acompanhando o ritmo da turma, é possível que não vá conseguir marcar o seu tempo melhor, e sujeitar-se a uma derrota para animais que lhe são inferiores. O melhor tem que mandar, tem que obrigar um ritmo de corrida compatível com o seu potencial. Se vai só acompanhar o ritmo dos outros, arrisca-se a perder. Não é correr na frente de qualquer maneira, é obrigar aos seus competidores a participar de um desgaste ao qual o melhor resiste e os outros percam as energias. Esse exemplo me faz lembrar o caso de um potro meu, tido como um corredor de alta categoria, que ia estrear em Cidade Jardim. Na véspera, fui jantar no Haras Bela Esperança com o meu amigo e criador emérito José Paulino Nogueira. Eu disse a ele que o meu potro era muito bom, que logo em sua corrida de estreia ia ter que enfrentar um potro que havia batido o recorde dos 1.300 no último trabalho preparatório. O Dr. Paulino me perguntou como eu ia instruir o jóquei, e eu respondi que a ideia era de mandar acompanhar o ponteiro, que certamente seria o recordista que iria tentar imprimir um ritmo forte demais para os competidores, e na reta acelerar ao máximo. A observação do Mestre veio em seguida, se eu achava que o meu cavalo era de altíssimo padrão, era ele que tinha que impor o ritmo, o tal recordista e os outros que procurassem ganhar do meu e, se ele perdesse, eu desde logo saberia que ele não era tão bom como eu imaginava. E, arrematou, dizendo que não era correr em 1º, em 5º ou em último, o melhor tinha que ditar um ritmo que lhe fosse conveniente e inconveniente para os outros. No dia seguinte, conversei com o jóquei internacional Antonio Bolino, que preferencialmente montou meus cavalos por 35 anos, e pedi que ele não permitisse que outro potro ditasse a corrida, que ele mandasse na corrida e sempre cuidando do recordista. A corrida foi maravilhosa, o recordista favorito tentou tomar a ponta para imprimir um ritmo que lhe seria conveniente, mas já encontrou o meu cavalo na liderança. O favorito insistiu, mas o Bolino manteve sempre, sob controle, uma vantagem menor que um pescoço. Assim, destacados dos outros, eles foram até o meio da reta, e ao mesmo em tempo que o recordista retrocedia, o meu potro recebeu convite para aumentar a velocidade, e apenas na qualidade, sem o uso de chicote ou quaisquer outros incentivos, disparou para o disco de forma acachapante, espetacular. À noite, voltei ao Haras Bela Esperança, onde fui recebido pelo Mestre Paulino Nogueira com uma taça de champagne. Aprendi essa lição, o melhor tem que ditar as regras, tem que mandar na corrida, os outros têm que se sujeitar ao melhor. Cerca de um mês depois, o potro foi correr pela segunda vez. À época não havia partidor, os cavalos se alinhavam junto a uma fita, a um conjunto de tiras elásticas, que eram alçadas pelo starter ao grito da largada. Eram muitos potros, talvez uns 15, e o meu estava no meio do pelotão, enquanto que por fora um filho de Coaraze, conhecido pelo seu mau gênio, fazia estripulias e não dava chance ao starter. A partida demorou, os potros estavam irrequietos, menos o meu, que calmamente aguardava o sinal de partida. Para que ele não ficasse parado, estaqueado, o jóquei que substituía o Bolino, que por um motivo que não me lembro não podia montar, o então jóquei Selmar Lobo, puxou o potro para trás e deu uma volta completa para novamente ficar na sua posição de largada. O Lobo fez muito bem, era o que tinha que ser feito. Mas o starter Joacyr Porto, sócio do Jockey Club de São Paulo, e o melhor starter brasileiro da época, estava de olho no tal potro bravo que era, o último por fora, e quando ele deu um momento de chance, foi dada a partida e o meu potro estava de costas para a fita. Eu estava assistindo o páreo da Tribuna dos Profissionais ao lado do Bolino, e disse a ele que havíamos perdido. O Bolino de pronto me disse que o nosso potro podia dar aquela vantagem e até mais, o potro ia ganhar, ele era muito melhor que os outros. Na entrada da curva, a diferença para o penúltimo de cerca de 6 corpos não mais existia, e o potro meteu-se no bolo. Na entrada da reta ele já apareceu entre os da frente, no meio da reta tomou a ponta pelo meio da pista, e no disco tinha uns 4 corpos de vantagem. Aquele potro certamente iria me dar a tríplice-coroa. Mas não foi esse o entendimento dos deuses do turfe. Trabalhando em preparativos, ele inexplicavelmente rodou, virou de ponta cabeça, fraturou um sezamóideo, e foi para a reprodução. Perdi um excepcional corredor, ganhei um garanhão que chegou a ganhar uma estatística. Um dia eu perguntei ao Bolino quem ele montaria em um páreo em 2.400 metros em que corressem Gourmet (G.P.Brasil), Moustache (G.P.São Paulo), Negroni (G.P. Paraná e G.P. Bento Gonçalves) e o tal cavalo, todos com o mesmo peso. A resposta veio de imediato, ele montaria aquele ganhador de dois páreos comuns. Perguntei, ainda, se os outros levassem 4kg de vantagem, e ele respondeu que continuaria com o tal cavalo. Perguntei então se a diferença dele para aos outros três fosse não de 4 mas de 8kg. A resposta veio serena, nesse caso ele iria pensar, mas achava que, talvez, continuaria com a mesma montaria. O Haras Ipiranga criou mais de 1.300 potros e potrancas nos seus cerca de 65 anos de existência. Kurrupako foi o melhor de todos.

domingo, 23 de dezembro de 2012

José de Souza Show Brasileiro na Malasia

José de Souza Show Brasileiro na Malasia

Tabela compararativa de pesos/quilos com os Ratings Internacionais

Vamos dar aqui no site do JCB, a partir do que consta do livro da Federação Internacional das Atividades Hípicas (apenas copiamos), a relação entre os famosos e tão discutidos ratings e os nossos quilos. Rats Kgs Kgs aproximados 141 63.873 64 140 63.420 63,5 139 62.967 63 138 62.514 62,5 137 62.061 62 136 61.608 61,5 135 61.115 61 134 60.702 60,5 133 60.249 60 132 59.796 60 131 59.343 59,5 130 58.890 59 129 58.437 58,5 128 57.984 58 127 57.531 57,5 126 57.078 57 125 56.625 56,5 124 56.172 56 123 55.719 55,5 122 55.266 55,5 121 54.813 55 120 54.360 54,5 119 53.907 54 118 53.454 53,5 117 53.001 53 116 52.548 52,5 115 52.095 52 114 51.642 51,5 113 51.189 51 112 50.736 50,5 111 50.283 50,5 110 49.830 50 Como exemplos mais específicos, por exemplo, em 2011, Frankel
e Black Caviar receberam, como lá está publicado, 136 de rating, que a Federação lê como equivalente a 61,5, Cirrus des Aiges e Danedream, que vêm a seguir, foram agraciados com 128 de rating, o equivalente, como na relação acima colocada e acompanhando os seus nomes, quanto a quilos, a 58. E assim seguem os exemplos, como Canford Cliffs e Rewilding, 127 de rating, 57,5 em quilos. Galikova, para mais um exemplo, teve o seu rating determinado em 120, igual a 54,5. E, fechando, o nosso Fluke, infelizmente, há pouco falecido, por suas corridas nos Estados Unidos, teve o seu rating avaliado em 115, igual a 52. Completando, no período que vai de 1 de maio a 6 de novembro de 2012, Frankel foi 140/63,5 kgs, Cirrus des Aigles e Excelebration, 130/59 kgs, Orfèvre, 127/57,5, igual a Wise Dan. A campeã do Arc, Solémia ficou com 122/55,5, de acordo com a Tabela Comparativa da FIAH. O expert Samir Abujamra, em ótimo trabalho complementar, deu-nos a conversão da comparação para pounds. 141 63.873 64 140 63.420 63,5 10st 0lb 139 62.967 63 9st 13lb 138 62.514 62,5 9st 12lb 137 62.061 62 9st 11lb 136 61.608 61,5 9st 10lb 135 61.115 61 9st 8¹/²lb 134 60.702 60,5 9st 7lb 133 60.249 60 9st 6lb 132 59.796 60 131 59.343 59,5 9st 5lb 130 58.890 59 9st 4lb 129 58.437 58,5 9st 3lb 128 57.984 58 9st 2lb 127 57.531 57,5 9st 1lb 126 57.078 57 9st 0lb 125 56.625 56,5 8st 13lb 124 56.172 56 8st 11¹/²lb 123 55.719 55,5 8st 10lb 122 55.266 55,5 121 54.813 55 8st 9lb 120 54.360 54,5 8st 8lb 119 53.907 54 8st 7lb 118 53.454 53,5 8st 6lb 117 53.001 53 8st 5lb 116 52.548 52,5 8st 4lb 115 52.095 52 8st 3lb 114 51.642 51,5 8st 1lb 113 51.189 51 8st 0lb 112 50.736 50,5 7st 13lb 111 50.283 50,5 110 49.830 50 7st 12lb

Cavalo Show


Na Gávea, Vingador Mascarado pode largar e acabar

O ligeiro Vingador Mascarado é força na Prova Especial Dailão Neste domingo, dia 23 de dezembro, com 11 páreos e início marcado para as 14h45, o Jockey Club Brasileiro realiza a última reunião antes do Natal. A maior atração do dia é a Prova Especial Daião (sétimo páreo), em 1.400 metros, areia macia (pista para a qual foram programados todos os páreos), carreira em homenagem ao único cavalo nascido e criado no Rio de Janeiro, vencedor do GP Brasil. O principal competidor é o veloz Vingador Mascarado (Northern Afleet), que pode largar e acabar. Vento (Dancer Man), que correu incerto na última, pode formar a dupla, assim como Hang Time (Put it Back), que vem de ganhar prova semelhante, mas pela variante. O simulcasting com o Jockey Club de São Paulo (dez páreos) começa às 14 horas. A seguir comentários e indicações. Boa sorte! 1º Páreo – Esse É O Cara vem de correr o páreo de amadores e depois forçou turma. Descansado e na sua turma, pode vencer. No entanto, terá em Juega Más um adversário de peso. Convém colocar os dois no Pick3. El Athah e Unno Bello, a seguir. 2º Páreo – Amazing Passion reaparece com chance de vitória. Nobody But Me, Idade e a estreante Estrela Eleita estão na briga pela formação da dupla e até da Quadrifeta. 3º Páreo – Bolado é puro retrospecto. Notorious Big, de volta ao claiming, é perigoso. Kaká de Birigui para o fecho da Trifeta. 4º Páreo – Isabel Sol vem para o claiming pronta para bisar. Hot Princess, a única no campo proveniente de centro de treinamento, deve formar a dupla ou, quem sabe, até vencer. Quibaba disputa a Trifeta com Girl of Caroline. 5º Páreo – Verde-Amarelo já está maduro na turma. Plata Quemada tem tudo para secundá-lo. Zakat, Delso e Cape Canaveral vão brigar pela Quadrifeta. 6º Páreo – Camp Nou vai ganhar. A dupla vai depender da briga entre o ligeiro Gagarin e o atropelador Guillermo. Depois, Apogeu. 7º Páreo – Comentários no alto do texto. 8º Páreo – Super Menor, mesmo forçando turma, tem filiação para prosperar na areia. Parlapatão, que só faz tirar segundo, numa dessas acaba vencendo. Atenção em Direttore, que falhou na última e vai pela primeira vez à pista de areia e pode surpreender. 9º Páreo – Fluente vai enfrentar turma fraca após correr provas de grupo. Mesmo na areia, deve passar na frente. Aventurado Given, juntamente com Again Again e Africa Point são opções para o Super Betting. 10º Páreo – Fragrancia de Jade e Alegoria formam dupla que pinta como cravação esperta para o Betting5 e o Super Betting. Quem puder investir mais para se sentir mais seguro, deve acrescentar Lady Lee, La Fleur e Join The Party. 11º Páreo – Decacampeão tem jeito de tiro de Natal. Inquebrável está “cozinhando” uma carreira que já devia ter vencido. Test Pilot, que vem de forfait, é outro que não pode ser esquecido. Lettre de Cachet e Kaiser do Austria devem ser incluídos na Quadrifeta com garantia de R$ 10 mil. INDICAÇÕES: 1º Páreo: Esse É O Cara (2) – Juega Más (7) – El Athah (6) 2º Páreo: Amazing Passion (3) – Nobody But Me (2) – Idade (4) 3º Páreo: Bolado (2) – Notorious Big (1) – Kaká De Birigui (5) 4º Páreo: Isabel Sol (6) – Hot Princess (1) – Quibaba (7) 5º Páreo: Verde-Amarelo (1) – Plata Quemada (5) – Zakat (8) 6º Páreo: Camp Nou (3) – Gagarin (7) – Guillermo (5) 7º Páreo: Vingador Mascarado (8) – Vento (6) – Hang Time (4) 8º Páreo: Super Menor (4) – Parlapatão (2) – Direttore (6) 9º Páreo: Fluente (2) – Aventurado Given (3) – Again Again (5) 10º Páreo: Fragrancia de Jade (5) – Alegoria (9) – Lady Lee (4) 11º Páreo: Decacampeão (4) – Inquebravel (3) – Test Pilot (2) por Guilherme Moniz Vianna