Jeane Alves

Jeane Alves
Vitória de G 1 com Equitana

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Cavalo é o motivo

CLUB DE SOBRAL COM TRÊS PÁREOS NO FINAL DE SEMANA.



JOCKEY CLUB DE SOBRAL COM TRÊS PÁREOS NO FINAL DE SEMANA.
Programação Da Terceira Reunião Turfística Dia 11/02 Apartir Das 15:00 hrs:


1º Páreos 15h30min – 1.500 metros


1- Usted (Propriet. Rogério Alves)
2- Public State (Stud Santa Luzia)
3- Forever Frends (Stud Parente)
4- Upper Winner (Stud Exata)
5- Xicha (Stud Amigos Na Marra)


2º Páreo: 16:15 horas – 1.300 metros


1- Caminho Do Bem (Stud Neves e Cambel)
2- Valente Cicero (Stud Magi)
3- Tora Tora Tora (Stud Vitorino)
4- Alvo Militar (Stud Neves e Cambel)


3º Páreo: 17h00min – 1.800 metros


1- Giel (Propriet. Mauricio Rolla)
2- Verano (Stud Guarany e Pierre)
3- Elusive Colony (Stud Guarany e Pierre)
4- Balfour (Stud Neves e Cambel)
5- Usted (Propriet. Rogério Alves)**A Confirmar.


Por Laudenor Secundino.
Postado por TURFE PERNAMBUCANO às 14:25

Leilão de Animais em Treinamento e Reprodução a ser realizado amanhã

APPS: Boas éguas no Leilão de amanhã
07/02/2012 - 17h30min



No leilão de Animais em Treinamento e Reprodução a ser realizado amanhã, a partir das 19:00 hs no Tattersall de Cidade Jardim, serão ofertadas importantes reprodutoras como: QUEOPS PYRAMID (Jules e Italian Hunter, por Clackson), ganhadora de 7, inclusive duas provas de grupo 3, cheia de SILENT TIMES; XANGAI NIGHT (Torrential e Uberaba Fighter, por Irish Fighter), ganhadora, colocada em L e G3, cheia de EMIRATES TO DUBAI; NAMORADEIRA (Latin American e Fine Slew, por Seattle Song) ganhadora de provas de grupo 3 e listed, cheia de LINNGARI; PEARL GOLDEN (Roi Normand e Pincelada, por Clackson), ganhadora de listed, colocada em grupo 3, cheia de TOP HAT; QUINTA RÉDEA (Stuka e Grain Lady, por Greinton), ganhadora de 5, cheia de LINNGARI.


O leilão será transmitido ao vivo pela TV Jockey SP e TV Turfe Rio.


Fonte: APPS

Serviço de Punga será cobrado em Cidade Jardim

Haja vista a resolução desta semana em Cidade Jardim, um item chamou muita a atenção de todos.


A partir de agora, somente poderão ser utilizados pungas, para o cânter, os proprietários que desembolsarem dez reais, debitados na própria conta do Stud.


As razões impostas pela Comissão de Corridas foram de que os animais que fazem este serviço estavam trabalhando demasiadamente, e muitas vezes sem necessidade, gerando sobrecarga aos animais, e consequentemente não mostrando o verdadeiro estado físico do cavalo que irá correr. Isso tudo englobado também tem como consequência o atraso do páreo.


Os animais que forem comprovados que precisam dos serviços dos pungas, pelos seus temperamentos, estão liberados da nova taxa.


por Guilherme Genzini

Hildegard Angel: Aberto o páreo a Presidência do Jockey Club Brasileiro



Foi lançada oficialmente a campanha de Carlos Eduardo Loretti Palermo à presidência do Jockey Club Brasileiro. Na carta que, a partir de amanhã, será enviada aos sócios do clube, nomes de peso e de tradição do turfe apoiam Palermo. A saber: José Carlos Fragoso Pires, Luiz Alfredo Aranha Taunay, Claudio Ramos, Lineu de Paula Machado, Afonso Burlamaqui, Alcino Cochrane de Affonseca, Andrea Coelho de Mendonça, Antônio Augusto Roxo Monarcha, Antônio Joaquim Peixoto de Castro Palhares, Arnaldo Borges, Cândido de Oliveira Bisneto, Cesar Augusto Gonçalves Pereira, Luis Antonio Ribeiro Pinto, Luis Felippe Indio da Costa, Luiz Felipe Lampreia, Luiz Fernando de Freitas Santos, Luiz Fernando Galhardo de Alencar, Marcus Vinicius Pratini de Moraes, Maria Luiza de Mendonça, Mario Bronstein, Mauro Marcondes Rodrigues, Patricia de Moraes Rêgo, Paulo de Souza Renha, Sergio Barcellos e Sergio Coutinho de Menezes...

O atual e polêmico presidente do JCB, Luiz Eduardo Costa Carvalho, tem dito que vai tentar a reeleição. Mas ainda não revelou os nomes que o apóiam...


Candidato da oposição, o engenheiro Carlos Palermo tem como credenciais seus quatro mandatos como presidente da Sociedade Hípica Brasileira e as bem sucedidas negociações que trouxeram para o clube hípico carioca o Athina Onassis Horse Show...


As mulheres também se mobilizam pela campanha oposicionista. Dia 16 de março, haverá um chá de senhoras, na Hípica, organizado por Diana Vianna, para apresentar Nólia Palermo, mulher do candidato, às sócias e senhoras de sócios do Jockey Club...


A eleição do Jockey será em maio...


Transcrito do Blog da jornalista Hildegard Angel de 7 de Fevereiro de 2012

Site Raia Leve
Divulgando o Turfe

Sócios lançam candidatura de Carlos Palermo a Presidência do Jockey Club Brasileiro


Rio de Janeiro, 06 de Fevereiro de 2012

Prezados Sócios(as) do Jockey Club Brasileiro

Os sócios abaixo relacionados vêm, pela presente, lançar a candidatura do Dr. Carlos Eduardo Loretti Palermo à Presidência do Jockey Club Brasileiro nas próximas eleições de maio deste ano.

Estamos certos de que o candidato que estamos apoiando reúne as condições, sejam pessoais, sejam funcionais, para, através de permanente diálogo com o quadro social, garantir a fraternidade no convívio e unir todos os segmentos de atividades e de lideranças do Clube, em torno de um projeto comum de resgate de sua grandeza.

Engenheiro por formação, empresário, sócio do JCB há mais de 26 anos, frequentador do turfe e plenamente inteirado dos problemas que envolvem todos os segmentos do Clube, como a Sede da Lagoa, a Sede Central e a garagem, Dr. Carlos Palermo foi diretor do JCB durante a administração do Dr. Fragoso Pires.

Foi, também, Presidente da Sociedade Hípica Brasileira durante quatro mandatos, havendo angariado na referida instituição experiência e admiração do quadro social pela competência e espírito humano que comandaram sua
atuação.

Por essas razões, não temos dúvida de que o Dr. Carlos Palermo carrega consigo uma vasta experiência na gestão de sociedades da importância, da complexidade e do prestígio do Jockey Club Brasileiro.

José Carlos Fragoso Pires
Luiz Alfredo Aranha D’Escragnolle Taunay
Claudio Ramos
Lineu de Paula Machado
Afonso Cesar Boabaid Burlamaqui
Alcino Cochrane de Affonseca
Andrea Coelho de Mendonça
Antônio Augusto Roxo Monarcha
Antônio Joaquim Peixoto de Castro Palhares
Arnaldo de Souza Gomes Borges
Cândido Luiz Maria de Oliveira Bisneto
Cesar Augusto Gonçalves Pereira
Luis Antonio Ribeiro Pinto
Luis Felippe Indio da Costa
Luiz Felipe Palmeira Lampreia
Luiz Fernando de Freitas Santos
Luiz Fernando Galhardo de Alencar
Marcus Vinicius Pratini de Moraes
Maria Luiza de Mendonça
Mario Bronstein
Mauro Marcondes Rodrigues
Patricia Franco de Moraes Rêgo
Paulo de Souza Renha
Sergio Augusto T.B. de Barcellos
Sergio Coutinho de Menezes

Site Raia Leve
Divulgando o Turfe

Jorge Ricardo, entrevista exclusiva para o Site do JCB


Maior jóquei brasileiro de todos os tempos, Jorge Ricardo dará um brilho especial na reunião do próximo domingo, dia 12, no Hipódromo da Gávea. A “Maquina de Vitórias” assinou nove compromissos de montaria para o meeting carioca, incluindo as duas provas de Grupo 1.

No GP Estado do Rio de Janeiro (G1) – Stud TNT, primeira prova da Tríplice Coroa de produtos, o piloto irá conduzir o corredor Plenty Of Kicks (Stud São Francisco da Serra), e no GP Henrique Possolo (G1) – Stud TNT, abrindo a Tríplice Coroa de Potrancas, Licca-Chan (Haras São José da Serra).

Dono de 11.454 vitórias, Ricardinho, como é popularmente conhecido, está há apenas 18 conquistas do canadense Russell Baze, atual número 1 do mundo.

Abaixo, um pequeno bate-bate com Jorge Ricardo:

Como surgiu essa oportunidade de montar o Plenty Of Kicks na primeira prova da Tríplice Coroa?

JR: Conversando com o César, encilhador, que me ajudou muito e segue me ajudando sempre que estou no Brasil, descobri que o V. Gil não ia poder montá-lo por questões contratuais. Então o Sampaio me ofereceu a montaria e não pensei duas vezes.


Está animado com a montaria? Conhece a campanha do cavalo? Os adversários?

JR: Plenty Of Kicks tem uma campanha espetacular. Tive a oportunidade de assistir a Milha Internacional que ele venceu, realmente foi uma demonstração muito boa. Não estou muito por dentro dos adversários, mas pelo pouco que conheço dos animais, devem ser destacados: Energia Davos, que vinha de atuar no Derby Paulista e venceu na redução dos 2.400 metros para a milha; Falaram-me muito bem do Tavares Rico, que deu boa impressão na preparatória, e também do Psarou, do Tevere, que reapareceu correndo bastante. Ao longo desta semana vou ver a revista e analisar o páreo e os adversários pela internet. Mas acredito que se o Plenty Of Kicks tiver bem e confirmar o que já mostrou, vai ser difícil algum outro animal superá-lo.

O que espera desse reencontro com o Hipódromo da Gávea?

JR: É sempre muito bom voltar para casa, rever a família, os amigos, com os quais eu convivi tantos anos, voltar ao Rio, ao Hipódromo que me consagrou e que passei tantos momentos especiais. Tenho também outras montarias no domingo, como a Licca-Chan, que não conheço muito bem, mas é treinada pelo Guignoni, que está confiante. E Guignoni é sempre Guignoni. É uma felicidade muito grande estar de volta. Se Deus quiser e a gente conseguir ganhar algum páreo importante, será incrível.

E a expectativa de voltar a ser o primeiro em número de vitórias no mundo?

JR: A expectativa é a melhor possível. Graças a Deus tudo está indo muito bem. Depois que voltei a montar, em 2009, já consegui reduzir a diferença de 190 para 18 vitórias (até 06 de fevereiro). Estou tranquilo, se tudo seguir assim é questão de tempo, mas claro que a ansiedade é muito grande.


Quais as principais diferenças entre o turfe argentino e o brasileiro?

JR: É um pergunta de difícil resposta. O turfe na Argentina é movido pela paixão. É um povo que têm muito amor, muito carinho ao cavalo de corrida e a corrida de cavalo, eles vivem o turfe 24h por dia. Um proprietário vence um páreo de cinco, seis anos perdedor e vibra, comemora como se tivesse vencido o GP Brasil ou o Pellegrini. O governo tem uma importância muito grande neste processo, os Hipódromos recebem um enorme apoio, como o subsidio das loterias. Em Palermo tem o cassino, que também ajuda os prêmios seguirem altos. Agora, a criação brasileira, os cavalos, a organização, as pistas, isso tudo, compete de igual para igual com a Argentina, se não for melhor. A nova pista de grama da Gávea está muito boa.

Por Celson Afonso – Fotos: Arquivo JCB e internet
Site do JCB

Marcelle Martins, injustamente desclassificada, deu show



foto Gerson Martins
Site do JCB
Divulgando o Turfe

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Cavalos, foto "10"

Cavalo de Pedra

Em dia de Show de Marcelle, mais uma “bola fora” da Comissão de Corridas da Gávea


No Hipódromo da Gávea, a cada páreo em que há alguma reclamação, o clima é tenso. Às vezes, nada sequer justifica a reclamação, mas o direito de reclamar faz parte do próprio direito democrático. Assim, basta que os comissários de corridas, com seus “doutos conhecimentos turfísticos”, vejam o páreo e analisem de que lado está a razão, pois cabe a eles a tarefa, sempre árdua, de julgar.

No décimo páreo do último domingo, Confidential Lady cruzou a meta vitoriosa, com Princesa Gabi na segunda colocação. Um páreo muito bem disputado, com vitória da potranca dirigida por Marcelle Martins. Provavelmente, a mais bela direção, até o momento, dada pela joqueta aprendiz. Depois de uma habitual ótima largada, Confidential Lady foi para a dianteira. No entanto, como o piloto de Now Boarding fez questão de correr na frente, Marcelle poupou sua conduzida da briga inicial. Chegou a estar em quarto no final da última curva, mas sempre próxima à cerca interna. Na reta, no momento exato em que se abriu uma passagem entre Now Boarding e Vallenar, Marcelle investiu com sua Confidential Lady e retomou a vanguarda. No mesmo instante, Princesa Gabi, que corria em quinto, avançou na reta, por fora, e se chegou para dentro, na tocada enérgica do bicampeão Dalto Duarte, em mais um desses finais de emoção que valorizam o esporte. Nos últimos metros, ao “trocar de mãos”, Confidential Lady foi um pouquinho para fora, mas nada que justificasse a desclassificação, pois não houve choque nem prejuízo. Ganhou quem mereceu ganhar. No disco, uma cabeça separava a vencedora, Confidential Lady, da segunda colocada, Princesa Gabi.

Na pista, tudo perfeito. Fora dela, porém, começaram os problemas: o jóquei da perdedora, fazendo uso de seu direito, reclamou ter sido prejudicado pela ganhadora. Depois de ver e rever exaustivamente a reta do páreo, a Comissão de Corridas, em vez de referendar o resultado da pista e dar os parabéns à única joqueta em atividade no turfe carioca pela belíssima direção, decidiu desclassificar a ganhadora.

PAPO DE TURFE –Com Luiz Sérgio Paiva



Titular do Stud São José dos Bastiões, Luiz Sérgio Paiva é o convidado especial desta semana da coluna de entrevistas do site do Jockey Club Brasileiro. Como o turfe entrou em sua vida?

LSP: Meu Pai (Sérgio P. Paiva), um dos maiores exemplos que tenho em minha vida, já frequentava o Hipódromo da Madalena desde os seus nove anos. Nisso, meu tio, outra pessoa bastante importante para mim, também se interessou desde jovem e fundaram o Stud Boa Viagem que veio a se transformar no Stud São José dos Bastiões. Portanto, na verdade, eu “não ingressei no turfe” apenas permaneci, pois nasci “dentro dele”, junto a esses animais maravilhosos e a tantos bons amigos que tenho feito ao longo desses, digamos, 35 anos de memória turfística!

O que as corridas de cavalos representam para você?


LSP: As corridas significam o ápice de momentos dedicados ao cavalo. Fico nervoso até hoje, mesmo em páreos comuns! É de fato uma grande alegria ver um animal seu indo fazer o cânter, alinhando no starting gate e, maior ainda, se chegar à frente dos demais! Coleciono incontáveis emoções eternizadas em meu coração e mente vividos dentro do turfe! Ah, e como a semana demora a passar quando se tem um cavalo inscrito (risos)!

Quais são melhores cavalos/éguas que já viu correr?

LSP: Até hoje me impressionam (e não poderia ser diferente) o Itajara, o Much Better e o Cacique Negro. Dos mais novos, sou fã do Desejado Thunder e deste fenômeno que é o Mr. Nedawi. Falando de turfe internacional, acredito estarmos presenciando a evolução de um fenômeno, o Frankel, assim como vimos a Zarkava e a Zenyatta!

Cavalo/égua mais bonito que já viu?

LSP: Essa pergunta é muito difícil, pois precisamos, mais ainda, separar o amor por um determinado cavalo para podermos analisar sua beleza. Falando dos cavalos que passaram por nós, o Príncipe do Mares, Deuteronômio e o Jujuy são belos exemplares P.S.I!

Melhor animal de sua propriedade e/ou criação?
LSP: Costumo dizer que as pessoas que lidam com o cavalo, sabem e esperam resultados que às vezes não se realizam na pista por inúmeras razões, portanto, cavalos como o Smart Club, que se machucou desde muito cedo não teve oportunidade de mostrar todo seu potencial (apesar da bela e curta campanha). Mas, analisando os resultados destacaria Royal Music (que ganhou do Dono da Raia duas vezes), Vupt-Vapt e o Jujuy, o mais querido, que nunca mais se recuperou de uma viagem mal planejada para correr o GP Ramirez (G1), no Uruguai. Já os turfistas mais velhos, com certeza se lembrarão do Manaus, um filho do Rio Bravo II, que, dentre tantos feitos, ganhou duas vezes o Clássico Delegações Turfísticas em CJ, o GP Paraná em 1985 (21 apresentações, 13 vitórias e seis colocações), etc...

Quais jóqueis fazem a diferença?

LSP: Primordialmente aquele que tem a paixão pela vitória. Aquele que dá ao proprietário e ao público a certeza de que sempre dará o melhor de si para chegar em uma melhor colocação no disco. Isso é fundamental. Hoje o Brasil é um celeiro de grandes jóqueis e apontar um seria por demais injusto com tantos outros. Acredito, entretanto, que o profissionalismo, represente 90% do sucesso em qualquer atividade, e o talento apenas 10%. Sendo assim, segue um conselho aos mais novos, juntamente com um exemplo: humildade, muito trabalho, seriedade e respeito ao mais velhos e, especialmente, ao animal. Jorge Ricardo tem todas estas qualidades!


Quais os melhores treinadores em sua opinião?

LSP: Meu pai, Sérgio Paiva, que possui matrícula de treinador aqui na Madalena (Hipódromo do Recife). Depois dele, por inúmeras razões, o Stud São José dos Bastiões tem cavalos atualmente com o Milton Signoretti, o Dengo (E.P. Gusso), Amazílio “Nenem” Magalhães, em Cidade Jardim. Na gávea o Paim está com alguns e o C.G Netto (Gugu) em breve estará recebendo outros. Ele é minha grande aposta para este ano. No Paraná estamos com o E. Vieira, que é uma garoto com todas as qualidades para ser, junto com o Ivanzinho Jerônimo, os maiores treinadores de sua geração. Portanto, estes, juntamente com o C.A. Nascimento (o Beto), aqui no Recife para nós, fazem a diferença. Sim, porque muitas vezes algum profissional é muito bom para determinado cavalo ou Stud/Haras e ruim para outros em razão das personalidades (dos profissionais, dos proprietários e do cavalo) e dos objetivos que se buscam. Contudo, 2011 foi, indiscutivelmente, o ano do craque Dulcino Guignoni!

Melhores garanhões da atualidade no turfe nacional?

LSP: Diversos excelentes garanhões estão com produtos para estreiar sua primeira geração nacional este ano e/ou no próximo (Elusive Quality, Manduro, Shirocco, Watchmom, Union Avenue, Artax...), portanto, atentando apenas para os com produtos já experimentados de fato, o Amigoni mostrou ser uma grata realidade, mas ainda coloco Wild Event, Signal Tap, Put It Back, Blade Prospector (velocidade) e, mais recentemente o Northen Afleet, à frente deste.


Melhores garanhões da história do turfe brasileiro?

LSP: Locris, Rio Bravo II, Gadheer, Know Heights e Roi Normand.

Seu momento inesquecível no turfe?

LSP: Na verdade tenho três muito bons: Olho de Tigre vencendo o GP Presidente da República (G1), em São Paulo (2007); Jotabe Clark, com quase 8 anos, ganhando em recorde os 2.800m da P.E. Viziane (2007) e Capistrano vencendo nosso único GP Bento Magalhães, principal prova do calendário nordestino. E há um muito ruim também: quando Tango Di Gardel prejudicado no GP Brasil (2007), por Top Hat e pelo ganhador da prova, L’Amico Steve, finalizando em 2º lugar.

Algum páreo marcante?

LSP: Graças a Deus são vários, especialmente os citados anteriormente, pois todos estavam com nossa farda. Ir para a foto da vitória é sempre marcante, especialmente quando se tem amigos para compartilhar e multiplicar estas alegrias!


Qual foi sua maior tristeza com cavalos?

LSP: Ainda é. O não reconhecimento do turfe pelo seu devido valor. Um esporte que gera receitas e empregos diversos, numa cadeia produtiva que vai desde o garanhão, passando pelo transporte, alimentação, medicação e profissionais que lidam diretamente com os animais. Um exemplo: é fato que o JCSP deve IPTU, o Corinthias também devia (sua dívida foi perdoada)... Ademais, nunca ninguém falou que a Lei Municipal de São Paulo foi declarada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal, tendo sido editada uma nova o que faz com os débitos do Clube sejam bem menores do que se pensa e propaga. Essa discriminação já deveria estar sendo combatida há anos com o intuito de trazer novos proprietários e admiradores do esporte. Criou-se um hiato perigoso em relação à renovação no Turfe Nacional!




O que espera do turfe brasileiro nos próximos anos?

LSP: União, menos egocentrismo e ambição pessoal e mais, muito mais AMOR AO CAVALO e profissionalismo. Mas, sinceramente, não vejo nada disso com grandes possibilidades de ocorrer. Gostaria também, de ver, como meu amigo Alcebíades Azevedo tem tentado difundir, o uso do chicote extremamente controlado.

O que você diria para um novo proprietário que está começando a investir em cavalos de corrida?

LSP: Primeiramente que o investimento tem retorno certo se o resultado esperado for as alegrias inerentes ao turfe e ao cavalo. E olhe que são muitas e intensas. Mas, se considerarmos o turfe como investimento financeiro, infelizmente o diria para nunca comprar um cavalo de corridas. Um forte abraço e um maravilhoso 2012 para todos da comunidade turfística e do JCB

Por Celson Afonso – Fotos: Arquivo Pessoal

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Paulo Rosa, História do Turfe


Paulo Rosa e seus filhos Armando, Claudio ,Alvaro e Octaviano, acompanhados do Joqueí Dendico Garcia

Porque a Confidential Lady foi desclassificada ?


o assunto é a desclassificação de Confiedential Lady no décimo páreo deste domingo na Gávea.
a pilotada de Marcelle Martins foi desclassificada, aparentemente, sem justificativa em favor de Princesa Gabi do Dalton Duarte...
ta na hora da Comissão de Corridas da Gávea e dos demais Clubs de Corridas ser obrigada a postar no boletim das Resoluções os motivos e o momento da desclassificação.

Piramide Solar tira a invencibilidade de Gran Canion



Corrido neste domingo em Cidade Jardim, o Grande Prêmio Linneo de Paula Machado (G3) teve como vencedor o castanho Piramide Solar, que derrotou o favorito e até então invicto Gran Canion. Principal atração da jornada paulista, a prova foi disputada em 2.000 metros, pista de areia macia, em Cidade Jardim.

Voluntarioso, Super Purse tomou de golpe a ponta com Piramide Solar, Gran Canion e Take The Money por perto. Joe Owen Vou Pensar e Outro Corredor vinham a seguir. A carreira seguiu sem grandes alterações até os 1.500 metros, quando Waldomiro Blandi deixou o invicto Gran Canion “andar” e o favoritão pegou a dianteira, trazendo sempre Piramide Solar e Take The Money em sua esteira.

Ao entrarem pela reta final, com o jóquei fazendo posição, Gran Canion entrou mandando na situação. Todavia, quando convidado por Blandi, Gran Canion não tinha nada e Piramide Solar atacou e dominou o ponteiro sem muita luta, abrindo luz para o disco e vencendo com facilidade. Pela primeira vez nos dois quilômetros, Gran Canion deixou de ser invicto, porém fez um bom e firme segundo. Outro Corredor veio de longe para tomar o terceiro de Vou Pensar, enquanto Take The Money esmoreceu e fechou o placar.

Preparado por Eduardo Garcia, Piramide Solar é um 3 anos, filho de First American e Kasserolle, criado por Marcos e Mauro Ribeiro Simon e que defende o Stud Farda Vencedora. Em sua segunda vitória, a primeira clássica, em cinco saídas, o neto materno de Minstrel Glory assinalou 2min00s852.



por Fernando Lopes – foto: arquivo
Divulgando o Turfe

Marcelo Cardoso, em direção que seria assinada por Luiz Rigoni, leva Tsonga a belíssima vitória


Com uma atropelada fulminante, Tsonga alcançou o favorito Vincent nos últimos metros Se jóquei, Marcelo Cardoso, deu uma direção que seria perfeitamente assinada pelo homenageado da prova, pois o bridão carioca teve o timing perfeito para trazer seu pilotado no momento exato e ultrapassar o grande favorito nos metros finais. O Clássico Luiz Rigoni (L.), foi a sétima e principal carreira da programação carioca neste domingo, 5 de fevereiro, no Jockey Club Brasileiro.

Após uma ótima largada, vários competidores buscaram a primeira colocação, mas foi Matéria Prima que, exigido por Valdinei Gil foi para a vanguarda. Space Runner, É do Sissi, Vincent, Tsonga, Proven Right, Top Point, Gamão e Gorino vinham a seguir. O ritmo na frente era forte e É do Sissi e Space Runner partiram para cima do ponteiro e os três ficaram praticamente emparelhados. O favorito Vincent vinha em quarto, acompanhando de camarote a briga à sua frente. Tsonga começava a melhorar aberto, juntamente com Gorino.

Ao entrarem pela reta final, Matéria Prima resistiu pouco tempo, pois Vincent surgiu com grande ação e dominou de golpe o páreo e foi levado para cerca por Dalto Duarte e a briga parecia que seria pela dupla. Ledo engano, trazido por um inspirado Marcelo Cardoso, como que querendo reverenciar o homenageado da prova, Tsonga surgiu feito um bólido e ultrapassou Vincent nos últimos pulos, em belíssima vitória. Top Point ficou com o terceiro posto. Gorino e Matéria Prima completaram o marcador.

Treinado pelo campeoníssimo Venâncio Nahid em Secretário, no vale do Itajara, Tsonga é um 4 anos, filho de Our Emblem e Love That Hill, por Deputy Commader, de criação e propriedade do Stud TNT. Em sua terceira vitória, a segunda na esfera nobre, em onze saídas, Tsonga assinalou 1min35s38 para os 1.600 metros, em pista de grama macia, com nove metros de cerca móvel.

por Fernando Lopes – foto: Davi Oliveira
Dilgando o Turfe

Josiane da aula em Cidade Jardim


terceira colocada nas estatisticas de Jockeys e Joquetas de Cidade Jardim a joqueta Josiane Gulart venceu duas carreiras neste domingo em Cidade Jardim, destacando-se "a aula" que Josiane deu com Dawn Surprise.

28ª Cavalgada do Mar 2012


Percurso e cronograma da 28ª Cavalgada do Mar 2012

O percurso da cavalgada para este ano será:


10/02 - Sexta

Todo dia - Credenciamento e acampamento em Palmares do Sul (Balneário Dunas Altas).

11/02 - Sábado

08h - Saída para Pinhal
21h - Show Baile

12/02 - Domingo

08h - Saída para Cidreira - Terminal Turístico
21h - Show Baile

13/02 - Segunda-feira

08h - Saída para Tramandaí
21h - Show Baile

14/02 - Terça-feira

08h - Saída para Imbé
21h - Festividade alusiva as autoridades

15/02 - Quarta-feira

Todo dia - Permanência em Imbé e Festa Gaúcha Campeira
14h - Palestras
16h - Oficinas
18h - Oficinas

16/02 - Quinta-feira

07h - Saída para Capão da Canoa (CTG João Sobrinho)
17h às 20hs - Torneio de Truco
21h - Show Baile

17/02 - Sexta-feira

07h - Saída para Arroio do Sal (CTG Rincão da Estância)
21h - Show Baile e entrega de troféus aos campeões de comportamento e diplomas

18/02 - Sábado

07h - Saída para Torres (Parque de Balonismo)
13h30min - Chegada no Parque de Balonismo e encerramento da 28ª Cavalgada do Mar.

Mais informações: www.cavalgadadomar.art.br / contato@cavalgadadomar.art.br


Fonte: Fundação Cultural Cavalgada do Mar
Cidade: Palmares do Sul-RS-Brasil
Fotos: Fundação Cultural Cavalgada do Mar
Publicado: Joana Dias
Date: 10/02/2012

TAYRUSU MANCA

a nota triste do primerio páreo desta tarde em Cidade Jardim foi a lesão(mancou) do excelente potro Tayrusu(Gregoriano em Bay City.

Marcelle abre , com vitória tranquila, as carreiras deste domingo na Gávea

levado pela Joqueta Marcelle Martins, Teseu( Dodge em Shiny Happy) de criação do Haras Amderson, Propriedade o Haras The Best, apresentado "10" por J C Coutinho conquistou fácil vitória na abertura da reunião deste domingo na Gávea.

Cidade Jardim,Guilherme Genzini comenta e indica as carreiras deste domingo



Partimos agora para mais uma domingueira em Cidade Jardim, como de hábito teremos a realização de dez provas com o início estipulado para as 14 horas e 30 minutos. O tradicional Simulcasting com a Gávea, que contará com onze provas, inicia às 14 horas e 45 minutos.

Na principal jornada da reunião, o sexto páreo do programa, produtos de três e mais anos disputarão o Grande Prêmio Linneo de Paula Machado, no percurso de 2000 metros, em pista de areia. O destaque fica por conta de Gran Canion (Ski Champ), criação do Haras Santa Camila e propriedade do Stud J L D, o mesmo ainda defende a sua invencibilidade e pode conseguir o seu batismo clássico.

Joe Owen (Christine’s Outlaw), criação do Haras Campestre e propriedade do Stud Coral Gables, está em franca evolução e com o aumento do percurso pode surpreender. Super Purse (Public Purse), criação do Sr. Ulisses Lignon Carneiro e propriedade do Stud Alvarenga, pode se favorecer na primeira parte do percurso, correndo de frente, e dar muito trabalho no final, ficando como perigoso terceiro nome.

A seguir, comentários e indicações. Boa sorte!

1º Páreo: Proveniente das retas, Tayrusu já pode começar vencendo no retão Paulista. A parelha é reforçada com os dois animais e são os que mais ameaçam. Podendo “pegar” a grama, Video Station segue como terceiro nome.

2º Páreo: Pela sua recente regularidade, fico com Quaresmeira. O castanho Gamadão estava correndo turmas mais fortes que esta e precisa de atenção maior. Xantara pode ter entrado em forma.

3º Páreo: Mesmo por um preço tanto quanto esquisito, Urso de Ouro aparenta ser melhor que a turma. Amado do Faxina foi muito comentado em sua última apresentação, mas não correspondeu o esperado, sendo aguardada sua reabilitação. Mesmo retornando Leopardo Veloz pode chegar.

4º Páreo: Pela sua derradeira atuação, See By Back tem tudo para vencer. O Professor estreia cogitado e fica para a dupla. A parelha, independente de quem correr, fica como terceiro nome.

5º Páreo: Por sempre chegar perto, Sacarius segue como meu indicado. Tambaqui caindo para o claiming é a grande diferença. Lucky Star que não está correndo nada pode surpreender.

7º Páreo: Por não sabermos de nenhuma informação, ficamos com a estreante do Figueira do Lago, Everytime. A castanha Aeronave possui régia filiação para o gramado e deve chegar. Dawn Suprise está muito bem falada.

8º Páreo: O ligeirão Gorgeous Runner deverá se favorecer na primeira parte do percurso e pode ratear pule interessante. Algoz de Campeão está melhorando com o aumento do percurso. Depois, Tertuliano.

9º Páreo: Agora utilizando antolhos, La Vita Mia deverá melhorar o seu desempenho. Estrela Magica voltando a sua verdadeira enturmação é o nome que mais ameaça. Hemisfere está começando a “pegar” forma.

10º Páreo: A tordilha Holograma pode fechar a reunião com pule viável. Ayumi que não correu nada em sua última apresentação para a dupla. A ligeira Upper Division é o terceiro nome da carreira.

Indicações:

1º Páreo: Tayrusu (4) – Ivan Lendel/ Ironman (1) – Video Station (5)
2º Páreo: Quaresmeira (1) – Gamadão (2) – Xantara (5)
3º Páreo: Urso de Ouro (2) – Amado do Faxina/ Arão do Faxina (3) – Leopardo Veloz (1)
4º Páreo: See By Back (1) – O Professor (4) – Aritmética/ Mensageiro Garufa (3)
5º Páreo: Sacarius (1) – Tambaqui (7) – Lucky Star (5)
6º Páreo: Gran Canion (3) – Joe Owen (1) – Super Purse (5)
7º Páreo: Evertime (1) – Aeronave (10) – Dawn Surprise (7)
8º Páreo: Gorgeous Runner (6) – Algoz de Campeão (8) – Tertuliano (2)
9º Páreo: La Vita Mia (8) – Estrela Magica (2) – Hemisfere (7)
10º Páreo: Holograma (2) – Ayumi (4) – Upper Division (6)

por Guilherme Genzini
Divulgando o Turfe

Gávea, Fernando Lopes Comenta e Indica para este Domingo


1º Páreo: Muito favorecido na escala de pesos, Teseu, apesar dos 100 metros a mais no percurso, tem tudo para ir à forra de Ray Famous que o derrotou na última. Quiet Cat é o tertius.

TESEU (2) – RAY FAMOUS (6) – QUIET CAT (7)

2º Páreo: Carreira equilibradíssima. Olympic Afleet começou ganhando, mesmo sob a luz dos refletores. O esforço de Bruno Reis para assinar um cavalo de 52 quilos mostra a chance do lindo alazão do Haras Regina. Código Morse é do ofício e precisa ser respeitado. Delso é o de campanha mais consistente no gramado. No peso pluma, olho em Rocco Man.

OLYMPIC AFLEET (3) – CÓDIGO MORSE (1) – DELSO (4)

3º Páreo: De língua amarrada, antolhos, roseta e arminho, Temida do Baile pode deixar o perdedor. Veloz, Alpaca Oro, no claiming e na descarga da Marcelle, numa dessas, só para depois do disco. Qua e Lá é rival. Estreando direto no claiming, olho no cânter e na pedra de Olympic Vienna.

TEMIDA DO BAILE (4) – ALPACA ORO (7) – QUA E LÁ (1)

4º Páreo: Confirmando as melhoras da última, Jess Owens é capaz de num campo mais vazio resistir ao tropel de Wish Me Luck. Uno Solo vem depois.

JESS OWENS (6) – WISH ME LUCK (3) – UNO SOLO (4)

5º Páreo: Mais aguerrida, de L1, e em parceria muito menos encorpada, Unthinkably Good terá em Lady Lou uma temível rival. Potranca que se mostrou promissora, a defensora do Stud Sunset retorna após quase 7 meses no estaleiro em companhia que não intimida. Conseguindo folga na frente, Flamenguista vai dar canseira. Debutando na distância, Amanjena contou com a preferência de Dalto Duarte.

UNTHINKABLY GOOD (3) – LADY LOU (2) – FLAMENGUISTA (1)

6º Páreo: Confirmando a primeira, dificilmente Prova de Amor deixa a raia derrotada. Resting Time vai melhorar no gramado. Guide fica como terceiro nome.

PROVA DE AMOR (5) – RESTING TIME (7) – GUIDE (4)

7º Páreo: Livre de Plenty Of Kicks, Vincent é o cavalo a ser batido. Tsonga retorna em parceria que não o assusta. Gorino está tinindo, mas atuar sem Lasix, recomenda cautela nos estudos. Todavia, forma é forma, há de se respeitar e seu treinador é ninguém menos que Dulcino Guignoni. É do Sissi surge como um azar interessante.

VINCENT (9) – TSONGA (7) – GORINO (10)

8º Páreo: Lord Purse vem de São Paulo pronto por Estanislau Petrochinski, que não costuma vir ao RJ a passeio. Poet Keats e Viking Heights são os maiores obstáculos do defensor do Stud Alvarenga.

LORD PURSE (3) – POET KEATS (2) – VIKING HEIGHTS (8)

9º Páreo: Olympic Quest foi bem com o aumento de distância, mas terá no ligeiro e resistente estreante Guardian Melody, um osso duro de roer. Pisando no gramado pela primeira vez, atenção com Gold Seal. Zakat é bom nome para o Open Betting.

OLYMPIC QUEST (8) – GUARDIAN MELODY (9) – GOLD SEAL (7)

10º Páreo: Sempre por perto e bem colocada no partidor, Narcisse Noir pode surpreender as duas defensoras de Jairo Borges, Confidential Lady, de L1, mas atuando pela terceira vez em menos de um mês, e Diva Maria, que não retornou correndo mal, mesmo largando de baliza ruim. Vallenar, outra de L1, ameaça.

NARCISSE NOIR (2) – CONFIDENTIAL LADY (6) – DIVA MARIA (7)

11º Páreo: Ilmo Senhor desce do Vale do Marmelo pronto para dar números finais à domingueira. Todavia, Sampashow é inimigo de peso. Queen Away, na direção do líder, e o perigoso Inquebrável também assustam. Il Conto e Pistolão são bem colocados nas inversões da Quadrifeta, que neste páreo tem R$ 10 mil de garantia.

ILMNO SENHOR (2) – SAMPASHOW (4) – INQUEBRAVEL (8)



por Fernando Lopes
divulgando o Turfe

Luiz Rigoni, o eterno “Homem do Violino”


No domingo, dia 05 de fevereiro, mais uma vez, o Jockey Club Brasileiro homenageará o lendário jóquei Luiz Rigoni, o eterno Homem do Violino. A prova, uma Listed em 1.600 metros, na pista de grama, reunirá dez competidores: Gamão (Gladston Figueiredo Santos Jr.), Top Point (Stud Estrela Energia), É do Sissi (Stud BPM Giants), Proven Right (Stud Palurape), Poet Keats (Fernando Alvim Menezes de Carvalho), Space Runner (Stud Estrela Energia), Tsonga (Stud TNT), Matéria Prima (Stud Patylippe), Vincent (Stud Rio Dois Irmãos) e Gorino (Stud Amigos da Barra).


Paranaense, Luiz Rigoni começou sua carreira em Curitiba, mas aos 17 anos mudou-se para o Rio de Janeiro e o Hipódromo da Gávea teve o priviégio de ver nascer uma lenda em suas raias. Desde a primeira vitória, no dorso de Que Lindo, Rigoni conquistou uma legião de fãs, que aos brados de “Dá-lhe Rigoni! Dá-lhe Rigoni” viram o freio abrir espaço no meio de feras como Juan Marchant, Francisco “Pancho” Irigoyen, Osvaldo Ulloa, "El Negro"Diaz e Pierre Vaz, entre outros.

Com mais de 1800 vitórias em seu curriculum, somente na Gávea foram 1367, chamado de o Homem do Violino pelo seu modo de passar o chicote por entre as orelhas do cavalo e tido por muitos como o maior jóquei de todos os tempos, Rigoni venceu sete estatísticas no Rio de Janeiro e montou também em Cidade Jardim, onde inclusive em todo o seu período final como piloto era o oficial das cores preto e verde em listras verticais do Stud Seabra.


Rigoni venceu o GP Brasil em três oportunidades: El Aragones (Ramazon e Ei-Chu, por Sparus), em 1954, Viziane (Coaraze e Passion, por My Love), em 1970, e com o argentino Terminal (Maniatico e Porta de Randall, por Avro), em 1971. O GP São Paulo, foi conquistado duas vezes pelo “Homem do Violino”, em 1948, com a fantástica Garbosa Bruleur (Tintoreto e Lolita, por Ksar), derrotando o até então invicto Helíaco, e no ano seguinte, no dorso do irlandês Saravan (Legend Of France e May Wong, por Rustom Pasha), de propriedade da família Peixoto de Castro.


Um mito, Rigoni participou de filmes e, muito recentemente, pode ser visto na reprise da novela Roque Santeiro, no Canal Viva (36 da NET e 37 nas outras operadoras) envergando a farda do Haras Santa Maria de Araras convidado que foi pelo personagem de Lima Duarte (Sinhozinho Malta) para montar um cavalo de sua propriedade num desafio dos sexos, contra uma égua da personagem de Regina Duarte (a Viúva Porcina). E tem um curta em sua homenagem: "Dá-lhe Rigoni".


Luiz Rigoni
foi um dos personagens que ajudou a construir a história do turfe com seu talento único para montar um puro sangue inglês. O Homem do Violino faleceu em 3 de agosto de 2006, aos 80 anos, na capital paulista, vítima de uma pneumonia.

por Fernando Lopes com assessoria da Gerência de Turfe – foto: internet
Divulgando o Turfe

Luck, a mais nova série da televisão sobre cavalos de corrida




Neste Domingo (05/02) estreará na programação da TV HBO, a série Luck.

Esta primeira temporada será composta por dez episódios, e terá como o grande enfoque os jogos de azar, mais precisamente os cavalos de corrida.

Primeiramente será formado um grupo de pessoas na prisão, que planejarão em seu retorno a vida comum, um dos maiores golpes de suas vidas, relacionado a um cavalo. Muitas atividades serão formadas e muitas peripécias do turfe poderão ser apreciadas. Ainda será tratada com grande vigor a forma de treinamento dos animais, e como funciona o mundo dos cavalos de corridas.

O elenco conta com Dustin Hoffman, Dennis Farina, John Ortiz, Richard Kind, Kevin Dunn, Ian Hart, Ritchie Coster, Jason Gedrick, Kerry Condon, Gary Stevens, Tom Payne, Jill Hennessy, Nick Nolte.

Pela Net Digital, a série será televisionada no canal HBO a partir das 21 horas.

Com certeza será imperdível...

por Guilherme Genzini
foto - seriesenblog.com
Divulgando o Turfe

Na Gávea, Clássico Luiz Rigoni é a principal atração



Onze provas bem equilibradas marcam a reunião deste domingo no Hipódromo da Gávea, com início marcado para as 14 horas e 45 minutos. O destaque é a sétima prova, Clássico Luiz Rigoni, para produtos de 3 anos e mais idade, em 1.600 metros, pista de grama.

Em campo equilibrado, Vincent (Gilded Time), criação do Haras Santa Rita da Serra e propriedade do Stud Rio Dois Irmão, vindo de ótima atuação ao secundar Plenty Of Kicks, ficou como força. D. Duarte estará no comando das rédeas do potro, que será apresentado por V. Nahid.

Tsonga (Our Emblem), criação e propriedade do Stud TNT, embora reaparecendo, deve ser respeitado, pois vinha enfrentando rivais de maior categoria. Gorino (Dodge), Sérgio Peixoto de Castro Palhares/ Stud Amigos da Barra, em ótima forma, também ameaça.

O simulcasting com o Hipódromo de Cidade Jardim (10 páreos) começa às 14 horas e 30 minutos.


por Tiago Fernandes/ Site Raia Leve
Divulgando o Turfe

Em São Paulo, Gran Canion é força em Grupo III


Grand Canion defende a invencibilidade

Partimos agora para mais uma domingueira em Cidade Jardim, como de hábito teremos a realização de dez provas com o início estipulado para as 14 horas e 30 minutos. O tradicional Simulcasting com a Gávea, que contará com onze provas, inicia às 14 horas e 45 minutos.

Na principal jornada da reunião, o sexto páreo do programa, produtos de três e mais anos disputarão o Grande Prêmio Linneo de Paula Machado, no percurso de 2000 metros, em pista de areia. O destaque fica por conta de Gran Canion (Ski Champ), criação do Haras Santa Camila e propriedade do Stud J L D, o mesmo ainda defende a sua invencibilidade e pode conseguir o seu batismo clássico.

Joe Owen (Christine’s Outlaw), criação do Haras Campestre e propriedade do Stud Coral Gables, está em franca evolução e com o aumento do percurso pode surpreender. Super Purse (Public Purse), criação do Sr. Ulisses Lignon Carneiro e propriedade do Stud Alvarenga, pode se favorecer na primeira parte do percurso, correndo de frente, e dar muito trabalho no final, ficando como perigoso terceiro nome.


foto Paulo Bezerra
por Guilherme Genzini/Site Raia Leve
Divulgando o Turfe

sábado, 4 de fevereiro de 2012

May Be Now resiste à favorita Half Step


Única ligeira da prova, a americana May Be Now comprovou sua evolução e venceu, há poucos instantes, o Handicap para éguas de 3 anos e mais, em 2.000 metros, uma das atrações da reunião deste sábado, 4 de fevereiro, no Hipódromo da Gávea.

Mandada para a vanguarda por Vagner Borges, May Be Now ensinou o caminho a sua s rivais de forma lenta e moderada. Sem ser incomodada em parte alguma do percurso, pois a favorita Half Step acompanhou a ponteira sempre à dois corpos, com Boa Energia, Duqueza Desejada e Jingle Sound, ainda mais afastadas.

Na grande curva, Dalto Duarte deixou Half Step andar um pouco mais e aproximou-se perigosamente da ponteira, mostrandoi que a reta seria brigada. E foi o que aconteceu, pois Half Step partiu com tudo para cima de May Be Now, mas a ponteira tinha reservas e seu jóquei com o chicote na canhota exigiu à fundo sua conduzida, que correspondeu plenamente, resistindo até o disco ao insistente ataque de Half Step que teve de se contentar com a formação da dupla. Duqueza Desejada no último pulo tomou o terceiro lugar de Jingle Sound. Boa Energia fechou a raia.

Treinada no Vale do Itajara por Venâncio Nahid, May Be Now é uma filha de Smart Strike e Dans La Ville, por Winning, criada por B.M.Kelly e de propriedade do Stud Rio Dois Irmãos. Para os dois quilômetros, a ganhadora parou os cronômetros em 2min03,59.


por Fernando Lopes - foto: Gerson Martins

O craque Desejado Thunder mostra sua superioridade


Vagner Borges comemora no dorso de Desejado Thunder

o craque Desejado Thunder, de criação e propriedade do Stud Alvarenga, mostrou sua superioridade ao vencer pela segunda vez o Clássico São Francisco Xavier (L.), em 1.000 metros, grama, neste domingo, dia 04. O melhor velocista da atualidade faturou a décima quarta vitória clássica de sua invejável campanha. Sob o forte sol no Rio de Janeiro, o filho de Durban Thunder e Glorious Magee (Spend A Buck) marcou 55:32 e cruzou o disco com um pouco mais de dois corpos de vantagem sobre Vet Boy, o segundo colocado.

Com direção tranqula de Vagner Borges, o vencedor tomou a ponta logo na entrada da reta. Ximburé brigou pela ponta com o vencedor. Vet Boy correu contido na terceira colocação.

Desejado Thunder já com folga na frente, a luta foi pela dupla, e Vet Boy levou a melhor sobre o defensor do Stud Palurape. Alforriado não apareceu na disputa e "fechou a raia" e o reduzido lote.

O vencedor de seis provas de Grupo, seis listeds e duas provas especiais foi brilhantemente apresentado por Julio Cesar Sampaio. Desejado Thunder nunca saiu do placar.

por Rodrigo Pereira
foto Gerson Martins

Beto Boss assume a liderança entre os machos


Disputado no ulimo sábado , em Cidade Jardim, o Clássico Pres. Herculano de Freitas (L), em 1.000 metros na grama, para produtos de 2 anos, revelou a vitória de Beto Boss, filho de Val Royal e Polada (Golden Voyager), de criação do Haras Basano e propriedade do Stud Terra Brasilis.

Conduzido por Ângelo Márcio Souza com a calma que lhe é peculiar, Beto Boss só foi posto em corrida após a passagem da variante. A 400 metros do espelho, o castanho começou a se aproximar dos ponteiros, sendo posicionado pela baliza um. E quando, de fato, se pediu por Beto Boss, o corredor engatou uma “quinta” por junto aos paus, ultrapassando os seus adversários e vencendo por 2 corpos e ¾. Goldilocks, que estreou diretamente neste clássico, cumpriu destacada atuação ao finalizar em segundo. O alazão, por sinal, ponteou o páreo até onde seu fôlego permitiu, mesmo trocando de mãos a todo momento.

Em terceiro chegou Desert Eagle (3 e ½). Versace Look (5 e ½) e o argentino Ton Ly (7 e ½), que fechou como o favorito dos apostadores, completaram o marcador. Jotaerre fechou raia.

Treinado em Campinas por Antônio Luis Cintra, Beto Bosso segue invicto através de duas apresentações. Tempo de 56.05, com finais de 23.03 e 11.97.

por Victor Corrêa

Josiane Gulart abre , com linda vitória , as carreiras deste sábado

a Joqueta Josiane Gulart, montando Mário da Fúria, abriu com vitória as carreias deste sábado no Jockey Club Paulistano, dupla com Dark Color montado pela Joqueta Jeane Alves.

Jaqueline Cabral, outra joqueta da carreira, finalizou em quarto montando o potro Dutchess.

Joqueta Marcelle Martins com oito montarias


a Joqueta Marcelle Martins o grande destaque deste ano do Turfe Carioca foi novamente muito solicitada pelos treinadores da Gávea e assinou 8 montarias para esta tarde.
destaque para os proprietários Amigos da Barra e Serralucia que confiaramm cada um, 02 de seus animais a menina Marcelle Martins.


sucesso Marcelle

Joquetas com 15 montarias em Cidade Jardim


das grandes atrações do Hipódromo de Cidade Jardim as Joquetas Josiane Gulart com 6 montaria, Jaqueline Cabral com 5 montarias e Jeane Alves com 4 montarias, prometem mais um tarde de alegria so turfistas.
sucesso as nossas Joquetas

Foi dada a largada, por Jéssica Dannemann


Eu acho que o “presidente” acabou pagando um preço muito alto por ter entrado de graça no trem que seguia para o JCB. Eu tenho pra mim que o destino que ele queria mesmo, lá no fundo, era o do Hipódromo de Campos, aliás, na verdade, a Bacia de Campos.

Como desceu no lugar errado ele tentou prospectar os solos barrosos nas proximidades do Piraquê, tentando encontrar algum tipo de tesouro submerso nas cocheiras. Ouvira falar de um tal Itajara, cobiçado por um tal sheik do petróleo, daí encheu-se de motivação movido, ardentemente, por um complexo desenfreado de um tal Batista.

O nosso personagem das profundezas do oceano, influenciado desde cedo por Julio Verne, acabou sonhando com um daqueles navios enormes ancorados na Lagoa Rodrigo de Freitas carregando, publicada na chaminé como logomarca, a nobre corruptela do seu nome, aquela que já lhe dera muita sorte na vida e que o fazia contorce-se desvairadamente cada vez que lia a revista Forbes e não a encontrava.

“E amanhã, se esse chão que eu beijei for meu leito e perdão
Vou saber que valeu delirar e morrer de paixão
E assim, seja lá como for vai ter fim a infinita aflição
E o mundo vai ver uma flor Brotar do impossível chão”.

Quando Chico Buarque escreveu a versão em português da canção de Joe Darion e Mitch Leigh, tinha em mente sonhos impossíveis como o do “presidente”, claro que o objetivo máximo da impossibilidade do poeta, não passava de Tom Jobim. De ser como Tom Jobim, de compor como Tom Jobim, nada daquelas alucinações com a letra “X”. Em outro trecho da letra, Chico escreveu:

“Negar quando a regra é vender
Sofrer a tortura implacável, romper a incabível prisão
Voar num limite improvável, tocar o inacessível chão
É minha lei, é minha questão, virar esse mundo, cravar esse chão”.

E assim seguiu ele na sua tentativa frustrada da prospecção monocrata que levava encravada no peito, delirante, como um culto ao impossível, uma chicotada no inspirado Itajara e em toda sua prole. O ‘presidente” da reeleição indireta distanciou-se do Sheik reeditando a escravatura no Brasil, rasgando a Lei Áurea, a Lei do Turfe, o Ernani e tudo mais a sua volta, quando transformou o direito de imagem dos jóqueis na visão de um imiscuído e suicida estacionamento.

O “presidente” ao procurar o fosso e serrilhar os silos encontrou a fossa.

O sonho virou pesadelo, o Boulevard permaneceu na maquete; O bilionário livrou dele uns cinqüenta bilhões de corpos de vantagem; A Odebrecht se transformou em dois ou três operários curiosos que cuidaram muito bem dos vazamentos do telhado da quadra; o transatlântico encalhou na areia; a CODERE foi parar na PF com escala em Curitiba, e hoje, até os vices, versam.

No lugar da Pedra única, a chapa única!

O “presidente” conseguiu motivar contra ele todas as correntes do clube e o impossível acontece como na visão de Chico Buarque. Não importa o grau de importância já que juntou a aquarela inteira, o arco-íris todo. Do feio ao bonito, do remediado ao muito rico, do médico ao arquiteto, do advogado ao engenheiro: estão todos lá! Cerca de 2.798 cavalos dos 2.800 existentes, ficando de fora apenas aquela bela morena e aquele outro que não liga pra nada.

O “presidente” que pensou transformar o JCB num “páreo de amadores” acabou por profissionalizar a oposição, dando a ela, também, chanceler e ministro; unindo a Hípica, o Gávea o Country e porque não dizer o antigo JCB, aquele de vinte anos atrás, lá de 1992, ano em que o Collor descia do Palácio pela rampa dos fundos, sem que ninguém pudesse exibir uma única Nota Fiscal sacada contra a República Federativa do Brasil.

Dizem que passado o período de exílio, provavelmente em Montevidéu, o “presidente” vai repensar a sua estratégia e redirecionar o cano da sua metralhadora. Falam que o falso herdeiro político do JCB desistirá do ramo petrolífero em favor das Redes Sociais, enfurecido, como tem sido visto, pelas conquistas de um tal Zuckerberg, seu mais novo desafeto.

Nos Bastidores do Cristal

Problemas podem deixar A. F. Chaves a pé na final do 44º Turfe Gaúcho


- Ganhador no melhor tempo das eliminatórias, o potro Atuante não deve participar da final do 44º GP Turfe Gaúcho, em razão de o exame antidoping ter acusado presença de “Procaína”. Ainda não foi feita a contraprova, mas tudo indica que o tordilho Junior Flyer acabará sendo o representante da segunda eliminatória (a que foi vencida por Atuante) na final do dia 9 de fevereiro.

- CRIS MON, que foi o ganhador da primeira eliminatória, sofreu corte profundo nos membros anteriores e dificilmente estará recuperado a tempo. Com isso, o treinador A. F. Chaves, que teria a parelha CRIS MON e ATUANTE, pode ficar a pé na grande final.

- A egua ATHIA e o cavalo VENAL ambos de Paulo Fernando Brown Meira, estão prontas para serem embarcadas para o Uruguai, onde seguirão campanha no Hipódromo de Maronãs, aos cuidados do treinador gaúcho J. Duarte, o popular "GUTO".

- TIFFANY GLORY, uma das melhores éguas em atividade no Cristal, reaparecerá em prova de pesos especias no próximo dia 16 de fevereiro. A informação é do treinador E. S. Machado, que ontem ganhou bela corrida com a potranca MISS OUTLAW, em direção precisa de Rogerio Arias.

- JESTER QUIM venceu com autoridade o Clássico Presidente Claudio Luiz Sperb. Foi a sexta vitória do filho de Nedawi e Princess Ju, que deverá ser vendido e provavelmente virá correr no Hipódromo da Gávea.

- Dizem que o ex-jóquei N. Pinto garantiu o carnaval com as vitórias de TINA WIN e FEAR NO MORE, ambas de propriedade de Tiago Ataides Pinto e treinadas por N. Pires. Pena ele não ter me avisado...

- O cavalo BROOKLYN foi adquirido pelo Stud Cinquenta e Dois, de JUCA VECCHIO FILHO (presidente do Jockey gaúcho) e deve ser preparado por Gerson Fernandes, novo treinador de uma das fardas mais simpáticas do turfe gaúcho.

- O cavalo FORCE TO FORCE, do Haras Maluga, de Edmilson Souza, veio para o Rio, onde está sob os cuidados do treinador Victor Paim. Na última corrida, terminou em ótimo terceiro lugar no GP Bento Gonçalves 2011 e deve estrear em páreo comum no turfe carioca.

por Leandro Mancuso

Brasileira nos três clássicos dem Moroñas

Foram organizados os programa deste fim de semana em Maroñas e serão disputados 20 páreos, com oito no sábado e nenhum clássico, e 12 no domingo, com três carreiras importantes.

Uma das atrações é o Clásico Benigno Paiva Irisarri (L.), segunda prova, nos 1.200 metros, para potrancas da geração 2009, com a presença das brasileiras Hecha A Mano (Molengão e Justa Causa, por Magical Mile), reservada do Haras do Retiro, e a favorita Piedra Mora (Signal Tap e Piedra Sola, por Ghadeer), cria de Luiz Fernando Cirne Lima e propriedade do Stud Morotin, que será pilotada pelo também brasileiro Deivid Gaier. As demais inscritas são: Lady Fund, Yira Yira e Photoshop.

Fantastica Chris

Na sexta prova do programa, será disputado o Clásico Rendija (L.), nos 1.500 metros, agora para éguas, onde foram anotados nove animais, e entre elas, as brasileiras Telebreeze (Wild Event e Carioca Gin, por Go For Gin), Fantastica Chris (Christine’s Outlaw e Fantasias de Amor, por Roi Normand) e Rubia Street (Honey Street e Daytana, por Forlitano). As outras são: Aly’s Serena, Brazzaville, Virtuosa Vip, Doña Fatal, Spring Fizz e a favorita da catedra Esstadista.

Já na nona carreira, a disputa será no Clásico Andres Ramponi Lorda (L.), 1.200 metros, para éguas de 3 anos e mais idade, e duas brasileiras, a favorita Paparusa (Dubai Dust e La Garufa, por Spring Halo), e Estrela Flor (Mr.Carrera e Malvina Flor, por Carload). As sete concorrentes à vitória são: Alcazaba, Dear Grace, Castidad, Potri Miswaki, Paliza, Elle Boheme, Mark Valentine e Butaca.

por Rodrigo Pereira

Cidade Jardim comentários e indicações de Turfistas.Com para este sábado



1º Páreo – Mario da Fúria na última ganhou bem e quando perdeu para Dark O’War teve péssimo percurso, por isso acho que hoje pode tentar a vingança! (1-3)

2º Páreo – Rebento voltando ao claiming e na grama merece o favoritismo, Emblema Real vai melhor nessa distância. (6-2)

3º Páreo – O páreo é bem fraco e os paranaenses tem destaque, pelo quesito forma deixarei Bolado para a primeira posição e Black Paloma que reaparece como diferença… (2-1)

4º Páreo – A estreia de Albore me impressionou bastante e só tende a melhorar, Império América trabalha muito bem! (1-6)

5º Páreo – Na estreia Um Trovão largou com atraso e mesmo assim chegou perto, All For One é o segundo nome. (2-7)

6º Páreo – Estupendo Nizo corre páreo aparentemente mais fraco do que vinha enfrentando, Un Felin fez boa corrida na Gávea… (3-7)

7º Páreo – Ton Ly impressionou bastante na estreia, Mojito arranhou o recorde, entretanto, o páreo é equilibrado e outros adversários merecem atenção… (5-4)

8º Páreo – Star Magic na estreia era muito comentada e ganhou bem, Hay Tradicion mais mansa tende a melhorar ainda mais! (3-5)

9º Páreo – Voltando ao gramado Quality Control tem tudo para fazer ótima atuação, Qua Qua Qua mesmo reaparecendo é o inimigo! (7-9)

10º Páreo – Walking Along está sempre chegando e hoje encontra ótima oportunidade para alcançar a segunda vitória, Eductor no gramado rende mais… (10-2)

Acumulada para o “Chalaninha reacionar” (Placês)

2º Rebento (6)

6º Estupendo Nizo (3)

9º Quality Control (7)

10º Walking Along (10)

BOA SORTE!!!

Publicado por Kelvin Turrin

Pró Turfe, Inscrições para Leilão de Treinamento e Reprodução encerram na segunda-feira



As inscrições para os próximos Leilões da Pro Turfe de Treinamento (28 de Fevereiro) e Reprodução Virtual-Reprodutoras, Desmamados, Cotas e Coberturas (29 de Fevereiro) encerram nesta segunda, dia 6 de Fevereiro, pelo celular (11) 9977-2512 ou www.prohorse@uol.com.br.

Ambos os leilões serão transmitidos pelas TV Turfe e TV Jockey ou pela Internet, além de Ipad e iphone, com visualização antecipada dos animais no Banco de vídeos da www.turfeproducoes.com.br.

Fonte: Pro Turfe

Gávea, comentário e indicações de Fernando Lopes para hoje


1º Páreo: Novamente no gramado, destaque para Lavoro Persu. A dupla com Kim parece bastante viável. Yarning Victory é a terceira força.

LAVORO PERSU (6) – KIM (1) – YARNING VICTORY (3)

2º Páreo: De arminho, língua amarrada, antolhos e roseta é capaz de See The Star conseguir seu segundo triunfo no prado carioca. Velocity Wild mostrou serviço na grama. A estreante Yosemite vem depois.

SEE THE STAR (4) – VELOCITY WILD (2) – YOSEMITE (1)

3º Páreo: Experimentando o claiming, Selo Frances pode passar na frente com pule interessante. Taylor Greg, também “estreando” o claiming, é rival. Olho, ainda, em Top Cat.

SELO FRANCES (5) – TAYLOR GREG (8) – TOP CAT (7)

4º Páreo: Desejado Thunder, Ximburé e Vet Boy, vale a ordem.

DESEJADO THUNDER (4) – XIMBURÉ (1) – VET BOY (2)

5º Páreo: Olympic Mila, de L1, Sonata Nostra e Nogaya, ambas após boa corrida contra os machos, são as mais fortes concorrentes. Karabora é pedida interessante para quem busca um rateio melhor.

SONATA NOSTRA (3) – OLYMPIC MILA (1) – NOGAYA (8)

6º Páreo: Conseguindo folga na frente, não seria surpresa May Be Now bater a provável favorita Half Step. Jingle Sound vem a seguir.

MAY BE NOW (2) – HALF STEP (3) – JINGLE SOUND (4)

7º Páreo: Vai Nessa e Red Stone, desde que não se destruam na frente, devem decidir. Fascinante Demais, reaparecendo, e Ingrid, por perto, são adversárias certas.

VAI NESSA (4) – RED STONE (6) – FASCINANTE DEMAIS (1)

8º Páreo: Na grama e só contra as fêmeas, a americana Starlove tem tudo para reabilitar-se. Tinindo, Caranna e Tanto Quanto são nomes certos entre as primeiras. Atenção com Olympic Immensity.

STARLOVE (6) – CARANNA (5) – TANTO QUANTO (4)

9º Páreo: Após bom segundo na turma de cima e com os cinco quilos de descarga da aprendiz, Best Of Five dará trabalho para ser derrotada. Olympic Rose e No Break resolvem o segundo lugar com Oaks Type, que sabe mais do que fez recentemente.

BEST OF FIVE (1) – OAKS TYPE (6) – OLYMPIC ROSE (2)

10º Páreo: Agora na sua turma e com 100 metros a mais no percurso, Del Ciel pode passar na frente e ainda render bons dividendos. Tactical Assault é outro que vai gostar do aumento na distância. Padwell pinta como tertius. Burning Out e Decacampeão ficam como boas opções para os que buscam pules melhores.

DEL CIEL (4) – TACTICAL ASSAULT (2) –PADWELL (5)

11º Páreo: Confirmando a última, quando perdeu carreira sem nome, Unreal Time vai dar números finais à jornada. Pelo menor caminho e na descarga da Marcelle, Parc St.George é inimigo. Sol Puro fica como tertius. Para as viradas da Quadrifeta, com R$ 10 mil de garantia, Baitelo e Utap.

UNREAL TIME (8) – PARC ST.GEORGE (1) – SOL PURO (9)

por Fernando Lopes

Desejado Thunder é atração deste sábado


Desejado Thunder reaparece no Clássico São Francisco Xavier e é uma das Grandes Atrações de Sábado no Hipódromo da Gávea


Vitórias do Campeão Desejado Thunder
1º PROVA ESPECIAL ATUALPA SOARES - 1100 - AP - 1m07s22 - 12/12/09 - Gávea
1º CLÁSSICO HERNANI AZEVEDO SILVA (L.) - 1200 - AL - 1m14s08 - 31/01/10 - Gávea
1º CLÁSSICO JOSÉ CALMON (L.) - 1300 - GM - 1m17s04 - 28/02/10 - Gávea
1º PROVA ESPECIAL SABINUS - 1000 - GP - 57s34 - 12/06/10 - Gávea
1º GRANDE PRÊMIO CORDEIRO DA GRAÇA (GRUPO II) - 1000 - GL - 55s86 - 10/07/10 - Gávea
1º GRANDE PRÊMIO MAJOR SUCKOW (GRUPO I) - 1000 - GM - 55s40 - 31/07/10 - Gávea
1º GRANDE PRÊMIO ADHEMAR DE FARIA E ROBERTO GABIZO DE FARIA (GRUPO III) - 1000 - GL - 54s79 - 28/08/10 - Gávea
1º CLÁSSICO SÃO FRANCISCO XAVIER (L.) - 1000 - GM - 55s86 - 05/02/11 - Gávea
1º CLÁSSICO JOCKEY CLUB DE SÃO PAULO (L.) - 1000 - GM - 55s86 - 19/03/11 - Gávea
1º GRANDE PRÊMIO ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES E PROPRIETÁRIOS DE CAVALOS DE CORRIDA DO RIO DE JANEIRO (GRUPO III) - 1000 - GM - 55s06 - 17/04/11 - Gávea
1º GRANDE PRÊMIO ABCPCC - (Prova Internacional) - 1000 - GL - 54s608 - 14/05/11 - Cidade Jardim
1º GRANDE PRÊMIO ADHEMAR DE FARIA E ROBERTO GABIZO DE FARIA (GRUPO III) - 1000 - GM - 56s26 - 27/08/11 - Gávea
1º CLÁSSICO DIA DA JUSTIÇA ( L. ) - 1000 - GM - 55s32 - 03/12/11 - Gávea

Triplices Coroas da Gávea com grande número de confirmações

Pró-Memória


GP HENRIQUE POSSOLO - STUD TNT - G1

ATACAMA BERVERLY HILLS STUD
DESEJADO APE STUD ALVARENGA
FOREVER SNOW (USA) STUD ESTRELA ENERGIA
HUELLAS DE ARENA STUD CASABLANCA
I SCREAM HARAS DOCE VALE
JET QUEEN HARAS SANTA ANA DO RIO GRANDE
KISS ME DEAR (ARG) HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
LICCA-CHAN HARAS SÃO JOSÉ DA SERRA
OLD TUNE HARAS INTERNACIONAL
PRÓ MEMÓRIA STUD MICHELLE E PRISCILLA
QUESTA AFLEET HARAS OLD FRIENDS LTDA
UNIQUE ZUCA STUD GOLD HORSE
VITELA STUD SANTA MARIA
VITROLLE HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
VOSTRO AMORE HARAS ANDERSON


Energia Davos

GP ESTADO DO RIO DE JANEIRO - STUD TNT - G1

AVATTORE STUD GRENOBLE
ENERGIA DAVOS HARAS ESTRELA ENERGIA
FAMOUS NICK STUD 29 DE AGOSTO
FLYBOY STUD RED RAFA
I SAY YOU STAY HARAS DOCE VALE
OLYMPIC THUNDER HARAS REGINA
PLENTY OF KICKS STUD SÃO FRANCISCO DA SERRA
PSAROU STUD TEVERE
QUE ESPETÁCULO HARAS OLD FRIENDS LTDA
SUPER PEREIRA STUD PATYLIPPE
TAVARES RICO STUD DOCE ILUSÃO
VELVET SUCCESS STUD ALVARENGA
VILLERON STUD PIXOTE
ZEPELLIM STUD PATYLIPPE

Jorge Ricardo e a incrivel marca de 11.451 vitórias

nesta ultima sexta feira, Jorge Ricardo alcançou a incrivel marca de 11.451 bitórias

Hoje tem Ton Ly em Cidade Jardim


Ton Ly volta no Clássico Pres. Herculano de Freitas e é uma grande atração nas carreiras deste sábado em Cidade Jardim

Morre, no Rio de Janeiro, o treinador Paulo Salas


Uma grande perda para o turfe nacional

Faleceu hoje pela manhã, no Rio de Janeiro, o treinador Paulo Salas.
Treinador do ganhador Tavares Rico, Paulo Salas foi considerado, muito justamente, um dos melhores treinadores da Gávea. Sempre treinou no Rio e, mesmo sem ter grandes craques, conseguiu excelentes resultados.

Paulo durante toda vida se deu muito bem com as “Madames”, ganhando diversas carreiras. A melhor, sem dúvida, foi a Pepita, vencedora de 16 corridas, sendo 15 na Gávea e a outra em Cidade Jardim. A Castelo, que correu cinco vezes, para obter dois triunfos, inclusive o GP Mariano Procópio (Grupo III) e mais 3 colocações, foi outra “Madame” de sucesso.


por Rodrigo Pereira
foTO Gerson Martins

Voto da ministra Rosa Weber emociona Eliana Calmon


Voto da ministra Rosa Weber emociona Eliana Calmon
"Queriam minar minha credibilidade no Judiciário"

Acusação de ter cometido crime, feita por associações de magistrados, foi o que mais abalou a corregedora

"Quando ouvi o voto da ministra Rosa Weber [pela manutenção dos poderes do CNJ para investigar juízes] minha cabeça não aguentou. Estou de enxaqueca, não tenho condições de comemorar. Eu vou dormir. Foi um desgaste muito grande".

Foi o relato da ministra Eliana Calmon por telefone, ao editor deste Blog, pouco depois de ver reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal nesta quinta-feira (2/2) a competência concorrente do CNJ para investigar magistrados.

A corregedora diz que acompanhou a sinalização da mídia e dos analistas, de que o resultado, em decisão apertada, seria desfavorável à posição da Associação dos Magistrados Brasileiros. "Mas, até o final, a gente viveu um clima de muita tensão".

"O que mais me incomodou foi a posição das associações [AMB, Anamatra e Ajufe] ao me acusarem de ter cometido crime. Isso me deixou muito amolada, quase me desestabilizou. Queriam minar minha credibilidade no Judiciário", afirmou.

A Corregedora Nacional de Justiça prometeu fazer uma avaliação do julgamento nesta sexta-feira.

http://blogdofred.folha.blog.uol.com.br

Curiosidades por Milton Lodi

CURIOSIDADES (III)


O grande criador José Carlos Fragoso Pires ficou mais conhecido no âmbito turfístico, quando adquiriu parte das terras que então ocupava o Mondesir em Bagé (RS). Mas ele iniciou-se como criador em uma fazenda de sua propriedade de nome Juréa, no Estado do Rio de Janeiro, com três éguas e um garanhão Marroquino. O chamado Haras São Carlos funcionou de 1955 a 1960, quando o governo do então presidente Jânio Quadros, em equivocadas determinações, quase acabou com o turfe brasileiro. Os animais foram vendidos para o Exército, e José Carlos Fragoso Pires voltou a criar em 1972, quando comprou na região de Itapoã, perto de Porto Alegre (RS), o haras do saudoso Indemburgo de Lima e Silva, e em janeiro de 1980 comprou o haras, em Bagé, com quase todos os animais que lá estavam. O nome Santa Ana era uma homenagem de Indemburgo à memória de uma filha que morrera pequena, e José Carlos manteve o nome acrescendo “do Rio Grande”. Quando da compra, a letra “A” estava ao pé e Anilité tinha um mês e meio. O Mondesir passou a criar em terras contíguas, onde está vitoriosamente desde então.

Eu estava com o meu pai nas arquibancadas do Hipódromo da Gávea, quando se chegaram o Roberto Seabra e o Príncipe Aly Khan. O príncipe tinha chegado da Europa na véspera, em viagem pela América do Sul (Brasil, Uruguai, Argentina, Chile e Peru), e depois iria para os Estados Unidos. O motivo principal da viagem era tentar vender quatro cavalos para a reprodução, ótimos papeis, mas corredores discretos. O Príncipe conhecia muito as corridas, como supervisor dos haras do pai era fraco, e estava sempre nos grandes eventos turfísticos. Ele era um homem do mundo, um autêntico playboy, ótimo comerciante e grande apreciador das belas mulheres. O Roberto disse ao meu pai que ele tinha fechado negócio com três dos quatro cavalos: Birikil (um filho de Biribi, já com mais idade, que ia ficar no Haras La Pomme na Argentina em sociedade com Roger Gutman), Sahib (um filho de Birikil que ele veio a arrendar ou vender para um haras gaúcho, com péssimos resultados) e Inshalla (um filho do que havia de melhor no mundo à época, por Fair Trial e Stafaralla). O quarto era um irlandês de 4 anos de idade, ainda perdedor, mas com um bom pedigree baseado na avó Mumtaz Begum, a maior velocista da Europa em sua época. O tal cavalo tinha como pedigree Tehran e Bibibeg, por Bahram e Mumtaz Begum, essa pela ótima Mumtaz Mahal. O meu pai ficou com o cavalo que sobrara, e disse ao Roberto que ele colocasse o cavalo em nome dele ou o mantivesse no nome do Príncipe, para uma última corrida na Irlanda. Por incrível que pareça, o cavalo correu e ganhou e o treinador mandou pedir para que o cavalo não corresse mais, não dava para ganhar outra. O cavalo veio para o Brasil, e o Stud Book Brasileiro vetou o seu nome, já que havia um Kameran registrado pelo Haras Santa Anitta. Kameran passou a se chamar Kameran Khan, que se mostrou cavalo apenas regular nas pistas da Gávea, obtendo 4 vitórias comuns sem quaisquer qualidades.

Na reprodução, Sahib e Inshalla foram completos fracassos (o último terminou como rufião no então Posto de Monta do Jockey Club do Paraná), Birikil também não foi nada de especial, embora tenha dado a espetacular Bucarest de cobertura em Bumble Bee, que foi à Argentina para ser coberta. E, enquanto isso Kameran Khan produziu muito bem, dentre eles os ganhadores clássicos Elisabeth (em Palermo), Itamaraty (entre outras provas nobres ganhou a milha internacional do dia do Pellegrini), Hudson (um dos primeiros líderes de turma na Gávea), Obelisco (exportado após vencer o GP em Cidade Jardim), e mais um punhado de ganhadores de clássicos e de provas comuns, e como avo foi Grupo 1.

Quando o Dr. Peixoto comprou o Swallow Tail, então 3º colocado no Derby de Epsom, e o fez, principalmente, para cobrir as suas reprodutoras filhas de King Salmon, mandou vir da França o jóquei Marcel L’Ollierou. Havia uma ótima corredora inglesa com a cruza Bois Roussel x King Salmon, e o Dr. Peixoto, resolveu respeitar a cruza, que veio a ser um fantástico resultado no Brasil em especial no Mondesir. Mas antes de seguir para a reprodução Swallow Tail foi inscrito para correr o GP São Paulo. L’Ollierou já havia montado na Gávea, tinha recebido o apelido de Ventarola, pelo seu manuseio do chicote, rodando em sua mão direita como um incentivo ao seu pilotado. Montava à europeia, “crescia” na sela, estilo muito diferente dos grandes ases chilenos que por aqui marcaram época. Não era ruim, tinha boa equitação e mão de rédea, mas ficava a dever aos nossos melhores jóqueis. Grande favorito no GP São Paulo, que à época era de 3.000 metros, no meio da corrida já estava na frente, e entrou na reta final como iminente ganhador. Mas no final cedeu a uma atropelada de um que havia sido guardado para uma atropelada final. L’Ollierou correu à européia, deixando o seu cavalo bracear, mas Swallow Tail, mesmo sendo muito melhor que os seus competidores, sentiu a falta de aclimatação, estava ainda com um preparo insuficiente. Essa corrida foi determinante na estadia do jóquei francês no Brasil, detalhe de corridas com partidos lícitos e algumas vezes ilícitos não lhe eram peculiares. Ele voltou para a França sem deixar saudades.

As chances de Falcon Jet ganhar o Pellegrini foram jogadas fora quando seu ótimo jóquei, Jorge Ricardo, recebeu ordens e instruções erradas. Falcon Jet largou por fora de todos, na baliza 24, procurou desde logo a cerca interna, fez a curva por dentro, e sempre seguindo as infelizes instruções, procurou sair da cerca interna para o meio da raia. Isso em Buenos Aires é derrota quase certa, pois quem se mete por dentro fica invariavelmente encaixotado, sem passagem, preso e quando o páreo já estava decidido, apareceu um espaço e Falcon Jet descontou muito, mas só a tempo de chegar em 7º. Uma corrida jogada fora antes mesmo da largada. Bastava Falcon Jet acompanhar Flying Finn, que correu em 2º e terminou em ótimo 3º, muito bem dirigido por Gabriel Meneses, que conhecia bem as corridas em Buenos Aires, pois havia feito, anteriormente, uma temporada lá. Sem as ordens e instruções erradas, certamente, Falcon Jet deveria chegar entre os quatro primeiros, provavelmente em ótimo 2º.

SOBRAL E O TURFE


Da esquerda pra direita: Zé Maria Sampaio, Marcelo Adeodato, Idelfonso Mendes Carneiro, Chicão Adeodato, Marcos Rangel, José Frota Carneiro (Dedeis), Menino (?) e Egberto Rodrigues.

"Recife, outubro de 1964. Inicio de grandes corridas no Nordeste. Sobral, Fortaleza e Recife disputavam com grandes cavalos. Sobral mandou ao Grande Prêmio Bento Magalhães, The Best - Black Orion, esperança total que não venceu, mas chegou em segundo lugar, ganhando o cavalo Geitoso (com G mesmo). Porém, a marca sobralense ficou para a história. Quem não lembra ou já ouviu falar sobre?
Saudade das grandes tardes de domingo no Derby Club Sobralense...
De Sobral, partiu para o Recife uma caravana de turfistas, que vale a pena lembrar!"

Postado por Sobral de Prima
Foto: Acervo Lucidio Carneiro)

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Alberto e Fábio Leon, as atrações da Mesa do Turfe deste sábado


Imperdível a "Mesa" deste sábado !
Eméritos vencedores de torneios de prognósticos, Alberto Leon e seu filho, Fábio Eduardo, confirmaram presença no programa Mesa do Turfe deste sábado, dia 4.

A dupla de catedráticos, em companhia do comentarista Renato Barros, irá analisar a excelente sabatina paulista que está formada por dez páreos , com duas provas clássicas, Betting 5 com R$ 150.000 de bonificação e Fast 6, com R$ 30.000,00.

Apresentado por Jair Balla, o programa Mesa do Turfe é levado ao ar, ao vivo, aos sábados e domingos, pela TV Jockey, canal 13 da Net digital, parabólicas digitais e pelo site www.jockeysp.com.br. .

Não percam !

JCSP Divulgação

Pelotas programa para Domingo


O Jockey Club de Pelotas realizará no próximo domingo (5), 4 páreos pela sua 20ª reunião da temporada 2011/2012. O clima será de festa, pois trata-se da primeira reunião após a conquista da carta patente do clube. Segue abaixo o programa da reunião. Boa sorte a todos.

1º Páreo - 1.100 metros - às 15h

Animal / Jóquei / Treinador / Proprietário

1- Bela Alvorada / J.Mattos / JP.Correa / Stud El Carrasco
2- Quadrifroglio / MS.Silva / V.Alves / Stud Balaio & Beto
3- Quality Princess / C.Farias / JP.Correa / Stud JS.Gás
4- Calandria Sam / M.Verli / J.Gonçalves / Stud Los Hermanos
5- Hatta / L.Gouvea / J.Ribeiro / Stud Kauã
6- Sol de Fevereiro / C.Macedo / A.Saizer / Adão Saizer
7- Sonho Dourado / F.Gonçalves / A.Silva / Stud Cavalo Branco
8- Villi Cup / JA.Rodrigues / P.Oliveira / Haras Cinco Irmãos
9- Jazairi / G.Ferreira / P.Ribeiro / Haras Santa Ignes de Spanier

2º Páreo - 1.300 metros - às 16h

1- Mini Bray / G.Ferreira / C.Botelho / Stud Irmãos Vanier
2- Black Tie / L.Gouvea / W.Nunes / Carlos Alberto Nunes
3- Principe Dubai / M.Verli / J.Pereira / Valter Oliveira
4- Desert Tiger / F.Gonçalves / V.Quintana / Stud Colorado
5- Queraíba / J.Mattos / J.Gonçalves / Sérgio de Camillis
6- Chairman / C.Farias / P.Ribeiro / Jefferson E. Garcia
7- Paraíso Tropical / JA.Rodrigues / CA.Garcia / Stud Magu
8- O Alpinista / JM.Barreto / M.Rodrigues / Stud Kid
9- Charlie Chan / MS.Silva / A.Rodrigues / Atilano Zambrano Netto

3º Páreo - 1.000 metros - às 17h

1- Augenblick / M.Verli / A.Silva / Carlos Anselmo Santos
2- Éumasbiscuit / Não Corre / J.Pereira / Stud Temporal
3- Beijomeliga / G.Ferreira / P.Ribeiro / Stud Irmãos Vanier
4- Panapanari / C.Farias / JP.Correa / Stud Quality Turfe
5- Mr. Tide / Não Corre / M.Petrechel / Ulisses Lignon Carneiro
6- Alexandrine / JA.Rodrigues / CA.Garcia / Stud Magu
7- Trincal / L.Gouvea / CA.Garcia / Stud Magu
8- Billy / C.Macedo / E.Santos / Stud FR
9- Épico / F.Gonçalves / G.Carvalho / Pedro Ciro
10- Uno Pretty / M.Barreto / R.Teixeira / Stud Azevedo

4º Páreo - 1.800 metros - às 18h

1- Victor Rei / G.Ferreira / CA.Garcia / Stud Tabajara
2- Grande Crack / C.Farias / JP.Correa / Stud Js.Gás
3- Sundown Sallon / JM.Barreto / M.Rodrigues / Stud Glenda
4- Unzen / JA.Rodrigues / CA.Garcia / João Gabriel Duarte dos Santos
5- Selo Escarlate / C.Macedo / P.Ribeiro / Jefferson E. Garcia
6- Oakfast / L.Gouvea / V.Quintana / Francisco Braga
7- Urbino Danz / J.Mattos / JP.Correa / Stud Águia
8- Aégeon / M.Barreto / N.André / Stud 3D

da Redação